Diversidade do mercado internacional de ações atrai investidor brasileiros

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Valéria França

A variedade de produtos no mercado internacional sempre foi um dos atrativos, que levou o brasileiro a aplicar no exterior. Porém, era necessário milhões na conta para ter uma conta ou uma empresa offshore.

“A democratização dos investimentos mudou muita coisa”, diz Claudia Yoshinaga, coordenadora do Centro de Estudos em Finanças da FGV EAESP, especialista que publica atualizações do mercado no Instagram. “Há opções no mercado para a classe média.” Em média, os investimentos começam com US$ 50.

Como investir

As corretoras transformaram-se no melhor caminho para quem nunca operou fora do Brasil. Há empresas nacionais com produtos internacionais, caso da XP e da digital Vitreo, que estão sempre inovando a carteira.

As duas possuem no cardápio ações de empresas de Cannabis para investidores comuns e qualificados (com patrimônio investido e comprovado de ao menos R$ 1 milhão ). Oferecer ações no mercado internacional foi a forma de as corretoras nacionais aumentarem o leque de opções dos clientes.

Outro caminho é procurar diretamente uma corretora ou banco no exterior. Para iniciantes que não dominam também o inglês, o idioma pode ser um complicador. E não dá para ter dúvidas na hora de aplicar o dinheiro.

Mas já existe empresas focadas em trabalhar com os latinos-americanos. É o caso da Avenue Securities, aberta no fim de 2018 pelo brasileiro Roberto Lee, ex-sócio da XP. Ele foi da Agora, da WinTrade e criou a Clear, comprada pela XP.

A empresa tem um site em português. Toda equipe do atendimento também fala a nossa língua. A empresa tem a Avenue Brasil, que realiza as aplicações por um aplicativo. A ferramenta transfere imediatamente o dinheiro para a Avenue Securities, corretora em Miami, nos EUA.

Os recursos seguem por blockchain, tecnologia que certifica digitalmente a transação. A desvantagem é a empresa operar apenas com a bolsa americana. Vale lembrar que há muitas empresas de Cannabis com ações abertas no mercado canadense, por exemplo.

Vantagem em negociar diretamente no exterior

O investidor paga menos taxas. Geralmente, as corretoras nacionais cobram as taxas da empresa no país e da parceira no exterior. No exterior, o investidor consegue uma variedade maior de produtos, principalmente de Cannabis.

“Calculo 2.855 ações no mercado americano, que poderiam ser incluídas na carteira”, diz Yoshinaga, que levou em conta os títulos mais líquidos da NASDAQ e NYSE. Com o mesmo critério, ela fez a análise do mercado nacional. “Enquanto no Brasil calculo 211 ações em oferta (na Bovespa).”

Dicas dos especialistas aos iniciantes

  1. Procure sempre um especialista do mercado. Escolha que você confie ou que tenha referências,
  2. Caso a opção seja operar diretamente no exterior, verifique se a instituição está alinhada como seu perfil (custo da manutenção da conta, o mercado e os investimentos disponíveis),
  3. Não coloque mais do que 30% do seu capital no exterior,
  4. É mais seguro optar por produtos de maior liquidez, como as ETFs, fáceis de comprar e de vender.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES
ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese