Esclerose múltipla

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica, crônica e autoimune. Significa que as células de defesa do organismo atacam o próprio sistema nervoso central, provocando lesões cerebrais e medulares. Embora a causa da doença ainda seja desconhecida, a EM tem sido foco de muitos estudos no mundo todo, o que têm possibilitado uma constante e significativa evolução na qualidade de vida dos pacientes. Os pacientes são geralmente jovens, em especial mulheres de 20 a 40 anos.

A Esclerose Múltipla não tem cura e pode se manifestar por diversos sintomas, como por exemplo: fadiga intensa, depressão, fraqueza muscular, alteração do equilíbrio da coordenação motora, dores articulares e disfunção intestinal e da bexiga. A Abem estima que atualmente 35 mil brasileiros tenham Esclerose Múltipla.

Fonte: Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (Abem)

Uso de derivados da Cannabis na Esclerose Múltipla Uso de derivados da Cannabis na Esclerose Múltipla

Estudos mostram que o uso de derivados da Cannabis sativa, tais como o Canabidiol (CBD) e o Δ9 -tetrahidrocanabinol (Δ9 -THC) podem ser aliados no tratamento da EM, tendo em vista seus efeitos sobre o Sistema nervoso dos pacientes avaliados: decréscimo da liberação de citocinas inflamatórias, diminuição da apoptose celular, da espasticidade muscular e da dor neuropática. Esses compostos são analisados de forma separada e também de forma conjunta, na fórmula do composto Nabiximols.

O remédio é vendido em alguns países com o nome comercial de Sativex® e seus efeitos são testados tanto em humanos quanto em animais, apontando uma suposta eficiência no uso dos compostos analisados em ambos os testes. Contudo, alguns efeitos colaterais foram observados e devem ser mais bem estudados para que, de fato, seja comprovada a eficácia no uso do CBD e do delta-9-tetrahidrocanabinol no tratamento da sintomatologia da Esclerose múltipla.

Leia o estudo completo

Fonte: II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde

Artigos Relacionados