Por que o mercado da cannabis faz brilhar os olhos dos investidores?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Colunista defende que há oportunidades para players de diversos setores e de todos os portes, e, especialmente no Brasil, existe um grande horizonte para o cultivo da cannabis (Foto: Divulgação/Arquivo pessoal)

Coluna de Marcelo De Vita Grecco*

Poucos setores mostram tanto dinamismo globalmente quanto a indústria legal da cannabis. A faísca acesa com o uso medicinal da planta transcende para outros segmentos e todo esse movimento tem respaldo de pesquisas científicas, começando a consolidar um espaço relevante. O avanço das empresas do setor vem ganhando estofo com a evolução de marcos regulatórios. Esse é o caso do Reino Unido, com a abertura da autoridade de regulamentação de alimentos para que as empresas possam submeter seus produtos para aprovação. Esse movimento deve ser referência para muitos países da União Europeia. Quer mais? Basta uma simples pesquisa no Google Trends para perceber o quanto os produtos para beleza e bem-estar à base de cannabis vêm se tornando uma febre na América do Norte.

A faísca acesa com o uso medicinal da planta transcende para outros segmentos e todo esse movimento tem respaldo de pesquisas científicas, começando a consolidar um espaço relevante. O avanço das empresas do setor vem ganhando estofo com a evolução de marcos regulatórios

A indústria legal da cannabis, de forma mais do que justa, veio para ficar. Trata-se de um caminho sem volta e a única direção possível dos indicadores desse mercado é para cima. A região norte-americana é a maior impulsionadora desse mercado e as perspectivas são mais do que favoráveis. Há uma série de estudos e pesquisas com projeções sobre a indústria legal da cannabis. Embora existam diferenças entre os números, todos são suficientes para fazer os olhos de qualquer investidor brilhar. A ascensão pode ser sentida ano a ano e as perspectivas de alta se tornam especiais no médio prazo.

Não à toa a projeção é de que o valor global desse mercado chegue a US$ 97,35 bilhões até o final de 2026, ostentando robusta taxa de crescimento anual composta de 32,92%, no período entre 2019 e 2026

Um relatório da Fortune Business Insights mostra salto de cerca de 25% de 2018 para 2019 no valor de mercado dos Estados Unidos, que dita as tendências globais. Não à toa a projeção é de que o valor global desse mercado chegue a US$ 97,35 bilhões até o final de 2026, ostentando robusta taxa de crescimento anual composta de 32,92%, no período entre 2019 e 2026. Números da Markets and Markets apontam estimativa bem próxima da anterior, com taxa anual de crescimento anual composta de 30,7%, com o mercado da cannabis batendo US$ 39,35 bilhões em 2023. Uma perspectiva mais moderada, do relatório da Grand View Research, indica que, em 2027, o tamanho dessa indústria deve chegar a US$ 73,6 bilhões, com taxa de crescimento anual composta de 18,1%. Essas diferenças se devem ao dinamismo das atividades em cada região, bem como questões regulatórias. Porém, em todas as projeções, o crescimento é sólido e na casa dos dois dígitos.

Obviamente, a velocidade desta ascensão depende muito do mercado norte-americano e, mesmo sob essa condicionante, não faltam motivos para otimismo. Números da New Frontier Data indicam que o uso medicinal e o uso adulto da cannabis pode chegar a US$ 35 bilhões, em 2025, só nos Estados Unidos. Lá, 230 milhões de pessoas, ou seja, 70% da população do país vivem em estados que já possuem regulamentações em vigor para a cannabis.

O uso medicinal da planta ainda domina o ecossistema, afinal já chega a 1,2 bilhão de pessoas o público, em todo o mundo, que sofre de enfermidades tratáveis com medicamentos à base de cannabis. Se apenas uma parcela desse universo tiver acesso aos medicamentos já seria um setor de potencial imenso

O uso medicinal da planta ainda domina o ecossistema, afinal já chega a 1,2 bilhão de pessoas o público, em todo o mundo, que sofre de enfermidades tratáveis com medicamentos à base de cannabis. Se apenas uma parcela desse universo tiver acesso aos medicamentos já seria um setor de potencial imenso.

Entretanto, o uso de produtos à base de cannabis comestíveis ou de uso tópico proporcionará o crescimento sustentável do mercado da cannabis. Alguns desses produtos revolucionarão o setor e outros impulsionarão o consumo mais massificado. Por isso, algumas grandes empresas do setor de alimentos e bebidas estão de olho nas oportunidades. Já as startups cumprem um papel importante e recursos não faltam para grandes ideias.

Há oportunidades para players de diversos setores e de todos os portes. E para a América Latina, especialmente, o Brasil existe um grande horizonte para o cultivo da cannabis. A partir da produção da planta também se abre vasto campo para pesquisa e desenvolvimento de produtos e serviços, com geração de novos negócios, receitas e empregos. O céu é o limite.

Destaco que todas as análises consideram os desafios importantes de barreiras para acesso ao sistema financeiro, bem como para importação e exportação, além da necessidade de mais avanços nos marcos regulatórios. Esse cenário só mostra o poder desse mercado não só para fazer brilhar os olhos dos investidores, mas para transformar o mundo para melhor efetivamente

Destaco que todas as análises consideram os desafios importantes de barreiras para acesso ao sistema financeiro, bem como para importação e exportação, além da necessidade de mais avanços nos marcos regulatórios. Esse cenário só mostra o poder desse mercado não só para fazer brilhar os olhos dos investidores, mas para transformar o mundo para melhor efetivamente.

*Marcelo De Vita Grecco é cofundador, head de Negócios da The Green Hub e colunista do Sechat

As opiniões veiculadas nesse artigo são de responsabilidade do autor, e podem não corresponder ao posicionamento do Sechat.

O Sechat convidou os maiores especialistas brasileiros em Saúde e Negócios de Cannabis para serem seus colunistas. Saiba quem são e confira os textos:

Alex Lucena 

– Inovação e empreendedorismo na indústria da Cannabis (19/11/2020)

– Inovar é preciso, mesmo no novo setor da Cannabis (17/12/20) 

Marcelo de Vita Grecco

– Cânhamo é revolução verde para o campo e indústria (29/10/2020)

– Cânhamo pode proporcionar momento histórico para o agronegócio brasileiro (26/11/2020)

– Brasil precisa pensar como um país de ação, mas agir como um país que pensa (10/12/2020)

Ricardo Ferreira

– Da frustração à motivação (03/12/2020)

Paulo Jordão

– O papel dos aparelhos portáteis de mensuração de canabinoides (08/12/2020)

Wilson Lessa

– O sistema endocanabinoide e os transtornos de ansiedade (15/12/2020)

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese