Sem fundos federais, indústria da Cannabis ‘perde’ mais de dez mil postos de trabalho nos EUA

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Uma nova pesquisa nacional conduzida por Leafly e a National Round Cannabis Roundtable descobriu que dezenas de milhares de empregos poderiam ser salvos se o Congresso norte-americano permitisse que fundos federais de estímulo ao Covid-19 fluíssem para empresas estatais.

Quando a pandemia do Covid-19 colocou a economia nacional em um processo de queda livre sem precedentes, o Congresso respondeu com uma série de projetos de assistência de bilhões de dólares destinados a salvar milhões de empregos americanos.

Esses fundos foram negados às milhares de empresas de maconha do país, no entanto, porque a maioria dos bancos se recusa a servir empresas relacionadas à maconha devido ao status conflitante da Cannabis – legal sob a lei estadual, ilegal sob a lei federal.

As regras federais do setor bancário e da administração de pequenas empresas impedem que todas as empresas de Cannabis e empresas adjacentes a eles solicitem fundos disponíveis para todas as outras empresas norte-americanas afetadas pela pandemia.

Esses fundos fazem uma diferença real. Apenas um exemplo: o Fifth Third Bank, com sede em Cincinnati, anunciou que havia conseguido mais de US$ 5,5 bilhões em aprovação de financiamento para mais de 31.000 empresas, por meio do Programa de Proteção de Pagamento da Administração de Pequenas Empresas. Esses empréstimos têm potencial para suportar até 555.000 empregos. Porém, as empresas de Cannabis não foram contempladas.

A pesquisa Leafly / NCR segue um impulso de uma coalizão de organizações de defesa e indústria de maconha, que enviou uma carta ao Congresso pedindo aos legisladores que incluíssem a Lei Bancária de Aplicação Segura e Segura (SAFE) ou algo semelhante no próximo pacote de ajuda pandêmica. Isso criaria um porto seguro para os bancos e outros provedores de serviços financeiros trabalharem com Cannabis e empresas auxiliares que estão em conformidade com a lei estadual.

Maconha é o grande criador de empregos dos EUA

A Cannabis legal tem sido a indústria que mais cresce nos EUA nos últimos quatro anos, de acordo com o Relatório Leafly Cannabis Jobs 2020, o único número abrangente de empregos de Cannabis na ausência de legalização federal. Em fevereiro de 2020, um número recorde de 243.700 americanos estava empregado na indústria legal de Cannabis, tornando o setor de Cannabis legal de US$ 10,7 bilhões o maior mecanismo de criação de empregos da América nos últimos anos.

“Antes da crise começar, a indústria da Cannabis representava o mercado de trabalho que mais crescia nos EUA, apesar das restrições no acesso aos serviços bancários”, disse Saphira Galoob, diretora executiva da NCR.

“Nossos negócios serão críticos para a recuperação econômica do país, e estamos pedindo para ser tratado como qualquer outra empresa de pequeno porte do país”, acrescentou Galoob. “As empresas de Cannabis não devem apenas ter acesso a fundos de estímulo econômico e ajuda, mas devem ter acesso a serviços bancários fundamentais por meio da Lei Bancária Segura”.

Essencial para os estados, mas não para os federais

“A indústria da Cannabis é considerada essencial em quase todos os estados que legalizaram, fornecendo empregos cruciais e receita tributária para suas comunidades”, disse Yoko Miyashita, consultor jurídico da Leafly. “No entanto, o setor não pode acessar os serviços bancários tradicionais e o impacto dessa negação de acesso é agravado nesta pandemia, onde o acesso a fundos federais de estímulo, como o Programa de Proteção de Pagamento, que está disponível apenas através de bancos.”

“Este é o momento para soluções de bom senso”, acrescentou Miyashita.

“Precisamos aprovar a SAFE Banking Act e dar a essas empresas que pagam impostos e geram empregos os fundos de estímulo e alívio que manterão milhares de americanos empregados durante esses tempos sem precedentes.”

58% têm pessoal reduzido

A pesquisa constatou que 58% das empresas de Cannabis têm pessoal reduzido. Dessas empresas, 22% perderam funcionários em demissões permanentes.

Curiosamente, uma grande porcentagem de empresas está mantendo funcionários valiosos na esperança de trazê-los de volta. Mais da metade (57%) de todas as empresas que reduziram funcionários disseram que seus funcionários estavam em “demissão temporária”, indicando a intenção de contratar novamente assim que as condições econômicas permitirem. Outros 23% disseram ter suspendidos funcionários do trabalho sem remuneração por um período fixo de tempo.

Em alguns casos, as empresas podem optar por demitir trabalhadores em vez de dispensá-los, porque um trabalhador demitido pode solicitar e receber benefícios estatais de desemprego – enquanto um trabalhador com licença permanece tecnicamente empregado.

A pesquisa também apontou o fato de que a indústria da Cannabis ainda permanece dominada por milhares de startups independentes, apesar de uma tendência de consolidação por parte de operadores multiestatais. As pequenas empresas com menos de 100 funcionários representavam 92% das pesquisadas e 85% das empresas haviam reduzido o número de funcionários em um a dez funcionários.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese