Vermont terá lei para legalizar a venda e maconha e eliminar condenações

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Vermont legalizou a posse de até 30 gramas de Cannabis e o cultivo de duas plantas em 2018, mas atualmente não há regulamentos em vigor que permitam as vendas no varejo (Foto: Divulgação)

Um projeto para legalizar as vendas de maconha em Vermont e outro para fornecer expurgos automáticos para condenações por maconha estão indo para a mesa do governador Phil Scott (Republicanos) após uma votação final no Senado.

Vermont é um estado norte-americano localizado ao norte, tendo a segunda menor população dos EUA, com apenas 623 mil habitantes, e sendo o estado mais rural do país. 

>>> Partidos da Espanha preparam regulamento abrangente para Cannabis

A legislação, que anteriormente foi aprovada em ambas as câmaras em formas diferentes, foi recentemente fundida em um compromisso por um comitê de conferência bicameral e depois enviada de volta às duas câmaras da legislatura para consentimento.

A Câmara dos Representantes aprovou a legislação negociada na semana passada e o Senado seguiu o exemplo aprovando a proposta por 23 votos a 6. Depois que o texto passar pela formatação final do conselho legislativo, o projeto será formalmente encaminhado ao governador Phil Scott.

Vermont legalizou a posse de até 30 gramas de Cannabis e o cultivo de duas plantas em 2018, mas atualmente não há regulamentos em vigor que permitam as vendas no varejo.

>>> Ingrid Guimarães conta sua experiência com o canabidiol

“Esta tem sido uma estrada longa e sinuosa para chegar a este ponto”, disse o senador Dick Sears (Democratas), o principal patrocinador do projeto de lei de comercialização de Cannabis e presidente do Comitê Judiciário do órgão, disse antes da votação. “Este projeto não é perfeito. É o resultado de um compromisso entre o Senado, a Câmara e até mesmo o gabinete do governador. Não sei se ele vai assinar, mas ficaria surpreso se não o fizesse.”

Embora Scott não tenha dito se colocará sua assinatura no projeto, ele observou na semana passada que ficou impressionado com a forma como o processo legislativo se desdobrou para a medida e levaria isso em consideração. “Eles percorreram um longo caminho e veremos o que acontece”, disse. 

>>> Em manobra contra o PL 399/2015, 29 senadores pedem medicamentos com canabidiol pelo SUS

Dito isso, o governador vetou uma versão inicial do projeto de legalização não comercial da maconha antes de assinar com relutância um projeto revisado que incluía uma série de disposições que ele solicitou da legislatura.

Fora do projeto de legalização das vendas de maconha, o Senado também aprovou uma legislação separada em uma votação verbal que proporcionaria a retirada automática das condenações por maconha e permitiria que as pessoas possuíssem e cultivassem mais Cannabis sem a ameaça de pena de prisão, o que pode ocorrer atualmente. A Câmara aprovou esse projeto no início deste mês, o que significa que agora vai para a mesa de Scott também.

>>> Conheça na íntegra o projeto de legalização da Cannabis medicinal e industrial no Brasil

Segundo o novo projeto de lei de vendas de Cannabis proposto, a maconha estaria sujeita a um imposto de consumo de 14%, além do imposto de vendas de 6% do estado.

A lei também contém algumas disposições de igualdade social, como priorizar licenças de comercialização de maconha para minorias, mulheres e pessoas desproporcionalmente impactadas pela guerra contra as drogas. Além disso, uma comissão reguladora independente teria a tarefa de promover a participação de pequenas empresas no mercado.

Uma nova Comissão de Controle de Cannabis seria responsável pela emissão de licenças para varejistas, produtores, fabricantes, atacadistas e laboratórios. O órgão também assumiria a regulamentação da indústria de cannabis medicinal existente no estado do Departamento de Segurança Pública.

>>> Se plantio de Cannabis for aprovado, preço de medicamento no mercado deve ficar 50% mais barato

Um limite de 30% de THC seria imposto à flor de cannabis, enquanto os óleos poderiam conter até 60% de THC. Os cartuchos de vapor com sabor seriam proibidos.

As jurisdições locais teriam que optar proativamente por permitir que as empresas de maconha operassem em sua área. Os municípios também poderiam estabelecer seus próprios regulamentos e requisitos de licenciamento municipal.

Os três membros da Câmara e três do Senado encarregados de negociar o projeto final no comitê da conferência tiveram reuniões polêmicas no mês passado, nas quais discutiram questões como taxas de impostos, controle local, publicidade, teste de saliva de motoristas e até mesmo um problema não relacionado disposição de aplicação de cinto de segurança que a Casa empurrou sem sucesso para inserir. As duas câmaras fizeram concessões uma à outra para chegar ao acordo final.

“Este acordo final não é perfeito, mas representa um grande passo à frente para Vermont”, disse Matt Simon, diretor político do Marijuana Policy Project na Nova Inglaterra. “Se o governador Phil Scott assinar o projeto como lei, o estado finalmente começará a regulamentar a cannabis de uma forma sensata para uso médico e adulto. Os legisladores estaduais retrocederam para tratar das preocupações do governador com relação a essa legislação, e agora é hora de ele convertê-la em lei”.

Um cronograma para a legislação afirma que ela entraria formalmente em vigor em 1º de outubro de 2020 – mas os reguladores teriam então que fazer uma série de determinações sobre regras e licenciamento antes do lançamento das vendas no varejo. As licenças de dispensário teriam que ser emitidas em ou antes de 1º de outubro de 2022.

Uma análise fiscal na conta final projeta que Vermont gerará entre $ 13,3 milhões e $ 24,2 milhões em receitas fiscais anuais sobre a cannabis até o Ano Fiscal de 2025. As taxas de licenciamento levarão a fundos adicionais para o estado, mas o conselho regulador criado pela legislação definirá esses níveis posteriormente. Por enquanto, o Joint Fiscal Office estima que as taxas podem levar a outros US $ 650.000 em receita a cada ano. Municípios que hospedam negócios de maconha também poderão cobrar taxas locais adicionais.

Anteriormente, Scott expressou interesse em usar as novas receitas fiscais da cannabis para financiar um programa após as aulas que ele está perseguindo.

O projeto de perdão faria com que aqueles com condenações por porte de maconha de até 60 gramas, quatro plantas maduras e oito plantas imaturas antes de janeiro de 2021 tivessem seus registros automaticamente liberados. Aqueles que receberem a liberação serão notificados por correio.

“As votações de hoje no Senado são passos bem-vindos para a grande maioria dos Vermonters em todo o espectro político que concorda que um mercado regulado de cannabis é a política certa para Vermont, e que as pessoas que já foram condenadas por porte de Cannabis merecem ter seu os registros eliminados automaticamente”, disse Dave Silberman, um defensor pro bono da reforma das políticas de drogas e candidato a oficial de justiça da Comarca de Addison, ao Marijuna Moment. “Estou ansioso para continuar a trabalhar com defensores da justiça racial e outros aliados para garantir que as disposições de igualdade social do projeto sejam realizadas na implementação.”

Fonte: Portal Marijuana Moment

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese