Cannabis pode ajudar a tratar doenças inflamatórias intestinais

Ingrediente da maconha imita a inflamação do corpo e pode levar a novos alvos de drogas para Crohn e colite

Publicada em 25/09/2019

capa
Compartilhe:

Os compostos químicos da cannabis podem imitar os sinais que o corpo usa para regular a inflamação no intestino e assim ajudar a tratar doenças intestinais crônicas graves, como a doença de Chron e a colite ulcerativa, disseram os cientistas.

Uma pesquisa da Universidade de Bath afirma que os resultados podem ajudar a explicar por que alguns pacientes com doenças inflamatórias intestinais (DII) relatam que a maconha medicinal ajuda seus sintomas.

Os ensaios são realizados apenas em camundongos nesta fase, mas podem levar a novos alvos de medicamentos para distúrbios que afetam milhões de pessoas em todo o mundo.

O professor Randy Mrsny, do Departamento de Farmácia e Farmacologia da Universidade de Bath, disse: “precisamos deixar claro que, embora essa seja uma explicação plausível para o motivo pelo qual os usuários de maconha relataram que a maconha alivia os sintomas da DII, só trabalhamos em ratos e temos não provou isso experimentalmente em seres humanos.

"Pela primeira vez, identificamos um contrapeso à resposta à inflamação no intestino e esperamos que esses achados nos ajudem a desenvolver novas maneiras de tratar doenças intestinais", afirma Mrsny.

A doença de Crohn e a colite ulcerosa são as duas formas mais comuns de doença inflamatória intestinal e afetam 300 mil pessoas no Reino Unido, de acordo com Crohn e Colitis.

São condições crônicas e, durante toda a vida, os danos repetidos da inflamação nas células do intestino podem exigir cirurgia para complicações.

Os pesquisadores de Bath trabalharam com colegas da Faculdade de Medicina da Universidade de Massachusetts para conduzir seu estudo, publicado no Journal of Clinical Investigation. Eles descobriram que a inflamação intestinal é regulada por dois processos, que estão constantemente em fluxo para responder às mudanças nas condições intestinais.

Pesquisas anteriores identificaram o primeiro processo - um caminho que promove uma resposta imune agressiva no intestino, que é útil para destruir patógenos perigosos, mas pode danificar o revestimento do intestino quando as células do sistema imunológico atacam indiscriminadamente.

O segundo processo, revelado na nova pesquisa, desativa essa resposta à inflamação através de moléculas transportadas através das células que revestem o intestino na cavidade intestinal.

Essa resposta requer uma molécula produzida naturalmente chamada endocanabinóide, que é muito semelhante às moléculas de canabinóides encontradas na cannabis, dizem os pesquisadores.

Se o endocanabinóide não estiver presente, a inflamação não é mantida em equilíbrio e pode surgir à medida que as células do sistema imunológico do corpo atacam o revestimento intestinal.

Os pesquisadores acreditam que, como o uso de cannabis introduz canabinóides no corpo, essas moléculas podem ajudar a aliviar a inflamação intestinal, como os endocanabinóides produzidos naturalmente.

A professora Beth McCormick, da Faculdade de Medicina da Universidade de Massachusetts, disse: “Há muitas evidências anedóticas sobre os benefícios da maconha medicinal, mas não há muita ciência para apoiá-la."

Fonte: Independent