O que sabemos sobre Cannabis e autismo?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Para pessoas autistas e suas famílias, o potencial terapêutico da Cannabis é promissor, mas a pesquisa permanece limitada.

Spectrum, uma publicação dedicada à pesquisa do autismo, publicou um guia detalhando o que é conhecido atualmente sobre a Cannabis e o autismo.

Quatorze estados norte-americanos aprovaram a Cannabis medicinal como opção de tratamento para o autismo e a GW Pharmaceuticals, a empresa que fabrica o Epidiolex, a primeira droga derivada da cannabis aprovada pela Food and Drug Administration dos EUA, está atualmente realizando testes para medir sua eficácia no tratamento da síndrome de Rett, um transtorno do espectro do autismo.

>>> Sechat traz medicina tradicional, qualidade de vida e tratamentos mais baratos para a pauta do Medical Talks Live

De acordo com a Spectrum, a empresa também está recrutando crianças autistas para um teste de fase 2 da cannabidivarin, outro componente da Cannabis.

O sucesso do Epidiolex levou muitos a se perguntarem se a droga poderia ter o mesmo sucesso no tratamento de convulsões e outras características relacionadas ao autismo. A resposta rápida? Ainda é muito cedo para saber.

Modelos de camundongos demonstraram que o bloqueio de certos receptores de canabinoides com CBD pode ajudar a reduzir convulsões e problemas de memória em indivíduos com a síndrome do X Frágil (deficiência intelectual leve a grave), a principal causa genética do autismo, de acordo com uma pesquisa publicada na Nature Medicine.

>>> Se plantio de Cannabis for aprovado, preço de medicamento no mercado deve ficar 50% mais barato

A Spectrum relata que um ensaio clínico de 2018 de um medicamento sintético de CBD fabricado pela Zynerba Pharmaceuticals demonstrou melhorias significativas nos traços comportamentais e na ansiedade associada ao X Frágil. Pesquisas adicionais mostraram que o CBD pode aliviar convulsões em crianças com transtorno de deficiência de CDKL5, uma condição ligada ao autismo.

Para problemas comportamentais, uma pesquisa preliminar publicada na Neurology descobriu que o CBD é uma opção de tratamento promissora e pode reduzir os surtos em crianças autistas. Além disso, um estudo de 2019 descobriu que consumir óleo de Cannabis contendo 30% de CBD e 1,5% de THC melhorou a qualidade de vida de algumas crianças e adolescentes com autismo, incluindo menos convulsões e tiques e uma diminuição na depressão, inquietação e acessos de raiva.

>>> Na próxima semana, Sechat traz a Cannabis medicinal para o centro do debate no Medical Talks Live

Spectrum lembra os leitores de que os efeitos de longo prazo do consumo de Cannabis não são bem compreendidos e qualquer CBD ou produtos de Cannabis que estão sendo usados ​​medicamente devem ser de grau farmacêutico, pois a potência e a pureza podem variar.

Fonte: informações do site The Growth Op

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese