Diretor de ‘Ilegal’ lança novo filme: “cannabis medicinal não é só CBD e epilepsia”

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A segunda edição da campanha “Repense” é lançada nesta terça-feira (18), em São Paulo. A iniciativa, uma união de sete associações de pacientes de cannabis medicinal, tem o objetivo de mobilizar políticos e médicos para regulamentar o cultivo associado da maconha.

No lançamento do evento, haverá também a estreia do documentário “A Dor dos Outros”, dirigido pelo jornalista Tarso Araújo. Ele é o mesmo diretor do conhecido pelo filme “Ilegal”, que narra o drama da criança Anny e sua mãe na luta pelo acesso ao canabidiol. O CBD foi o único remédio que ajudou a acabar com as crises epiléticas diárias da menina.

“A Dor dos Outros”, por sua vez, conta a história do carioca Otto Bohm (foto), diagnosticado com um problema congênito que o levou a uma cirurgia complexa para evitar a tetraplegia. No procedimento, porém um dos parafusos cruzou uma vértebra e tocou os nervos da medula, causando dores de nível máximo. Durante um ano, nenhum tratamento reduziu as dores. Somente inalando vapores de cannabis ele conseguiu controlar o quadro.

“A novidade é que agora a gente está trabalhando com pacientes de dor crônica neuropática, que em vez de óleo, usam a erva in natura, com a inalação de vapores da cannabis. Um dos principais objetivos dessa edição da campanha é ampliar a consciência de que cannabis medicinal não é só o canabidiol e cannabis medicinal não é só para epilepsia”, explica o jornalista.

Tarso Araujo é editor-colaborador da Superinteressante e autor do Almanaque das Drogas. Foi repórter da Folha de S.Paulo e colabora com várias publicações. Pesquisa e escreve sobre drogas desde 2006, reportagens pelas quais recebeu o Prêmio Esso de Criação Gráfica e o Prêmio Abril de Jornalismo. O jornalista afirma estar percebendo que tanto a imprensa quanto a sociedade ainda entendem que a única parte terapêutica da cannabis é o canabidiol e sua única forma de uso é a oral.

“Não se recomenda que ninguém use cannabis fumada, mas essa não é a única forma de se ingerir cannabis por via pulmonar. E essa, via pelo fato de ser imediata, é muito importante para os pacientes de dores crônicas que precisam de um alívio imediato para as crises. E a iniciativa regulatória da Anvisa, por exemplo, não prevê a possibilidade de se usar essa via de administração, embora a própria indústria farmacêutica possua uma grande diversidade de formas de apresentação e consumo de remédios por via pulmonar”.

Confira a programação do lançamento da campanha Repense

Lançamento do curta “A Dor dos Outros”

  • Terça-feira (18), às 19h
  • Civi-Co, Rua Dr Virgílio de Carvalho Pinto, 445 – Pinheiros, São Paulo
  • Documento “A Regulamentação que Precisamos”, elaborada pelas associações de pacientes de cannabis medicinal.

Debate

  • Cid Gusmão, oncologista, diretor do Centro de Combate ao Câncer
  • Antônio Pedro Pierro Neto, neurocirurgião, especialista em dor e coordenador do portal Sechat
  • Cidinha Carvalho – presidente da Cultive, associação de pacientes de cannabis medicina

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese