Óleos de CBD ou CBD puro, qual é o melhor para a inibição das células cancerosas?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Segundo os pesquisadores, o CBD puro teve a capacidade de reduzir a viabilidade de certos tipos de células cancerosas neste estudo, contudo seria imprudente para um consumidor presumir que um de óleo CBD disponível na prateleira poderia ter o mesmo efeito (Foto: Oliver King/Pexels)

Os óleos de canabidiol (CBD) são igualmente ou menos eficazes na inibição do crescimento de certas células cancerosas em comparação com o CBD puro, de acordo com pesquisadores do Penn State College of Medicine. Os resultados de seu estudo recente indicam que pesquisas futuras nas aplicações clínicas dos canabinoides devem incluir uma análise para saber se o composto canabinoide puro ou material vegetal intacto é mais eficaz para alcançar o efeito terapêutico.

>>> Participe do grupo do Sechat Notícias no WhatsApp e receba primeiro as informações sobre Cannabis medicinal do Brasil e do mundo

Os pesquisadores avaliaram se os óleos CBD eram melhores do que o CBD puro na inibição do crescimento de diferentes linhagens de células cancerígenas. Eles estudaram câncer de cérebro, pele e colorretal – usando duas linhas celulares para cada tipo de câncer – e descobriram que o CBD puro foi capaz de reduzir a viabilidade celular em três das seis linhas celulares testadas e que o efeito era específico da linha celular e não específico para selecionar cânceres. Nenhum dos óleos CBD testados foi capaz de reduzir a viabilidade em maior extensão do que o CBD puro.

>>> Sechat oferece serviço gratuito para pacientes e médicos prescritores de Cannabis medicinal

Pesquisas anteriores descobriram que o CBD ou tetraidrocanabinol (THC) pode reduzir a viabilidade das células cancerosas em alguns modelos de células cancerígenas. Os defensores da cannabis medicinal argumentam que há um efeito aditivo entre os vários compostos do material vegetal que aumenta sua eficácia terapêutica em comparação com os compostos canabinoides puros individuais. Kent Vrana, professor e chefe do Departamento de Farmacologia, disse que o estudo não apoia esse conceito, conhecido como efeito “entourage”.

“Com base em nossos resultados, recomendamos que investigações específicas sobre o efeito entourage sejam realizadas ao determinar os usos terapêuticos da cannabis medicinal e outros produtos canabinoides”, disse Vrana.

>>> Após 3 meses de tratamento com cannabis, paciente com fibromialgia que recorria à morfina vê as dores sumirem

Wesley Raup-Konsavage, coautor do estudo publicado na revista Medical Cannabis and Cannabinoids, disse que a pesquisa foi cuidadosamente elaborada para que as quantidades de óleo CBD usadas para os testes tivessem uma quantidade equivalente do composto puro nos experimentos. Os pesquisadores obtiveram três tipos de óleo CBD com certificados de análise e tiveram sua composição verificada por um laboratório terceirizado. Concentrações iguais de CBD foram usadas para tratar as seis linhas celulares.

Depois de avaliar a viabilidade das linhas de células tratadas, os pesquisadores determinaram que o CBD teve um efeito em cada uma das linhas de células de câncer colorretal, melanoma e glioblastoma testadas. A viabilidade das outras linhas celulares testadas não foi significativamente reduzida.

>>> Startup israelense edita gene da planta da cannabis para que resista a fungos

Como um estudo anterior que avaliou o uso de THC para o tratamento de células do câncer de mama sugeriu que há um efeito de entourage nesse contexto, Vrana alertou que testes cuidadosos de canabinóides devem ser feitos para cada contexto terapêutico proposto.

“O CBD puro teve a capacidade de reduzir a viabilidade de certos tipos de células cancerosas neste estudo”, disse Vrana. “Seria imprudente para um consumidor presumir que um de óleo CBD disponível na prateleira poderia ter os mesmos efeitos para eles, razão pela qual estudos cuidadosos em torno do efeito de ambiente são necessários para cada aplicação terapêutica pretendida.”

>>> Deputado do PTB pede a Bolsonaro que Embrapa coordene o plantio de Cannabis medicinal

Vrana disse que mesmo se houvesse casos em que o efeito de entourage fosse comprovado para usos terapêuticos, os produtos canabinoides não são regulamentados e os consumidores não seriam capazes de saber em muitos casos se um produto de prateleira ou de rua tem os componentes para resultar no efeito terapêutico desejado.

“A variabilidade na composição e atividades dos extratos botânicos destaca as dificuldades na avaliação de seu potencial terapêutico em comparação com os compostos químicos puros”, disse Vrana. Raup-Konsavage e Vrana planejam continuar investigando o efeito “entourage” dos canabinoides em outras aplicações terapêuticas.

Fonte: Newswise

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese