Agosto Laranja: conscientização sobre Esclerose Múltipla colore o mês

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
mulher-andando-na-praia-com-criança
A Esclerose Múltipla atinge principalmente mulheres entre 20 e 40 anos (Crédito: Pixabay - sasint)

Por Jacqueline Passos

No dia 30 de agosto, comemora-se o Dia Nacional de Conscientização da Esclerose Múltipla. Por conta disso, a Associação Amigos Múltiplos pela Esclerose (AME) criou a campanha Agosto Laranja com o intuito de aumentar a visibilidade para a Esclerose Múltipla. A doença, de causa ainda desconhecida, é neurológica, crônica e autoimune e ocorre quando as células de defesa do organismo atacam o próprio sistema nervoso central, provocando lesões no cérebro e na medula.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

A ABEM (Associação Brasileira de Esclerose Múltipla) estima que 40 mil brasileiros têm a doença, que acomete principalmente pacientes jovens, em especial mulheres com idade entre 20 e 40 anos. Os sintomas da EM, que ainda não tem cura, são: fadiga intensa, depressão, distúrbios visuais, fraqueza muscular, alteração do equilíbrio e da coordenação motora, dores articulares, disfunção intestinal e da bexiga.

O tratamento com Cannabis

A Cannabis e seus derivados são apontados como uma opção de tratamento em potencial para alguns sintomas da enfermidade. Em 2019, mais de 40% dos pacientes com Esclerose Múltipla (EM) usaram Cannabis Medicinal ou produtos canabinoides, segundo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Michigan. O levantamento “Uso de canabinoides entre americanos com EM: tendências atuais e lacunas no conhecimento” foi publicado recentemente no Multiple Sclerosis Journal – Experimental, Translational and Clinical.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

A atriz Claudia Rodrigues, intérprete que ficou conhecida pela personagem Marinete na série A Diarista, possui a doença e que usou Canabidiol durante o seu tratamento. A substância foi indicada pela amiga Xuxa Meneghel, que também usou o medicamento para aliviar os sintomas do mal de Parkinson em sua mãe, Alda Meneghel, que faleceu em 2018.

“No velório de Alda, ela me falou: ‘Claudinha, tem uma coisa aqui que Aldinha deixou de herança, e eu vou te dar, porque isso vai te melhorar. E pingou as gotas do óleo na minha boca. Essa loura não é fácil! Realmente me fez muito bem. Acaba com o meu tremor nas mãos, me acalma, meu olho direito, vesgo, volta ao normal. Xuxa é uma grande amiga. Ela diz que eu serei pra sempre a baixinha dela. E dá pra ser diferente? Eu não vou crescer mais, e ela é gigante!”,

Claudia Rodrigues para reportagem do Jornal Extra em 2020

O alto número de pessoas usando medicamentos à base de cannabis se deve a pesquisas importantes que foram publicadas indicando a diminuição dos sintomas. Uma delas foi feita no Reino Unido, em 2019, pelo Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE) que recomendou o uso de um spray de THC e CBD no tratamento da espasticidade. Com ele, o paciente pode sentir uma redução de pelo menos 20% nos sintomas relacionados à espasticidade após um período de 4 semanas de uso.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Da mesma forma, em uma revisão publicada no Current Neurology and Neuroscience Reports Journal, os pesquisadores avaliaram as evidências do uso de Cannabis medicinal e canabinoides no tratamento da doença.

Independente da enfermidade ou da gravidade dos sintomas, um médico sempre deve ser consultado para prescrever o medicamento adequado e as dosagens corretas.

Confira outros conteúdos sobre Esclerose Múltipla publicados pelo Sechat:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese