Cannabis e saúde mental: o transtorno por uso de substâncias

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Os distúrbios de saúde mental também podem afetar a probabilidade de desenvolvimento de um vício, mas a cannabis pode ajudar a curá-lo? (Foto: Shutterstock)

O transtorno por uso de substâncias (SUD) é um problema global significativo. Em 2017, 19,7 milhões de americanos com 12 anos ou mais sofriam com este problema. Destes, 74% lutavam contra o transtorno do uso de álcool, enquanto 38% dos vícios relacionavam-se com drogas ilícitas. No mesmo período, um em cada oito era viciado nas duas substâncias.

>>> Sechat confirma para 2021 o maior evento sobre Cannabis Medicinal no Brasil

A SUD afeta sua mente e corpo, impactando a vida até que você seja incapaz de realizar as funções diárias. Uma pessoa que sofre de transtorno por uso de substâncias muitas vezes não consegue controlar seu consumo, levando à ingestão de níveis excessivos. Dependendo da substância, essa atividade pode levar a uma overdose, resultando em milhares de mortes a cada ano.

Desde 2000, os EUA viram suas taxas de mortalidade por overdose aumentar para números alarmantes. O vício em opioides prescritos causou pouco mais de 17.000 mortes em 2017. As mortes por heroína ultrapassaram 15.000 durante o mesmo período. A cocaína matou quase 14.000, enquanto os antidepressivos resultaram na perda de cerca de 5.200 vidas.

>>> Estudo explora como os extratos de Cannabis matam diferentes tipos de células cancerosas

Uma pessoa pode se tornar dependente de uma variedade de substâncias, incluindo drogas pesadas, álcool e tabaco. O ambiente e a genética podem levar ao desenvolvimento de SUD. Os fatores de risco incluem histórico familiar de vício ou falta de envolvimento na vida de uma pessoa. A pressão dos colegas é uma causa comum, especialmente quando associada com o início em uma idade precoce.

Em outros casos, a pessoa com transtorno de uso de substância é apresentada às drogas por meio de tratamento médico. Frequentemente, essa forma de vício começa quando uma ela recebe uma prescrição de opioide após uma lesão ou cirurgia. Uma vez que a prescrição termina, o vício continua vivo e se manifesta com o tempo. Por sua vez, inúmeras vidas sucumbiram à SUD apenas por buscarem tratamento para dores comuns.

>>> Estrela de ‘Grease’ diz que a Cannabis medicinal mudou sua vida durante o tratamento do câncer

Os distúrbios de saúde mental também podem afetar a probabilidade de desenvolvimento de um vício. Pessoas com TDAH, depressão e PTSD podem enfrentar um risco maior, pois as substâncias são frequentemente usadas pelos pacientes para lidar com pensamentos e sentimentos dolorosos. Existe uma comorbidade alta, ou a presença de duas doenças em um paciente, entre transtorno de uso de substâncias e outras doenças mentais. Dito isso, uma não pode ser considerada a causa da outra. Neste ponto, ainda é incerto o grau de influência que cada um tem sobre o desenvolvimento da outra.

A dependência de cannabis é uma realidade para alguns consumidores. Aqueles que sofrem de transtorno do uso de cannabis podem sentir irritabilidade, problemas de sono e desconforto físico, entre outros efeitos menores a moderados.

>>> Ações judiciais para tratamentos com Cannabis disparam em SP

Um estudo de 2015 citado pelo National Institute for Drug Abuse descobriu que 30% dos consumidores de cannabis podem ter algum grau de transtorno por conta do uso(CUD).

O transtorno por uso de substâncias pode ser tratado com cannabis?

Embora a dependência de cannabis seja uma preocupação para alguns, o tema da planta como um possível auxílio no tratamento do abuso de substâncias circula por anos. No entanto, deve ficar claro que a cannabis não é vista como uma cura para qualquer forma de abuso de substâncias. Em vez disso, alguns acreditam que a cannabis pode servir como meio de redução de danos, ou qualquer tipo de política, programa ou prática destinada a reduzir os efeitos do abuso de substâncias. “Aqui precisamos fazer uma distinção clara: redução de danos não é sinônimo de recuperação”, afirmou DeAnna Jordan Crosby, aluna e diretora clínica do New Method Wellness na Califórnia.

A última década começou a responder se a cannabis se encaixa como uma ferramenta de redução de danos. Um estudo exploratório de 2010 descobriu que ela parecia consistente com outras formas de tratamento de drogas. Os pesquisadores observaram sua possível eficácia, afirmando que a cannabis não pode afetar adversamente os resultados positivos do tratamento, ao mesmo tempo que pedem uma amostragem extensa em pesquisas futuras.

>>> O CBD é uma terapia “promissora” no tratamento da dependência em cocaína, conclui estudo

A substituição do álcool pela cannabis foi estudada nos últimos anos. Uma revisão da literatura de 2014 concluiu que nenhum padrão claro de resultados pôde ser determinado. Embora não descartando a prática, os pesquisadores afirmaram que o mais importante, é que a recomendação de prescrever cannabis para dependentes de álcool para ajudar a reduzir o consumo de da bebida é prematura.

A análise conduzida na primeira parte da década parecia sugerir, em grande parte, que o uso de cannabis como redução de danos se mostrou incerto e inconsistente. No entanto, resultados selecionados nos últimos anos podem ter fornecido mais informações.

Uma revisão de 2016 da University of British Columbia reconheceu o potencial da cannabis na redução de danos. “Ao avaliar as evidências limitadas sobre a cannabis medicinal, parece que os pacientes e outros que defenderam a cannabis como uma ferramenta para redução de danos e saúde mental têm alguns pontos válidos”, escreveu o professor associado de psicologia Zach Walsh.

>>> Grande parte dos especialistas americanos em dependência química apoia a legalização da Cannabis medicinal

Observando a falta de orientações claras para profissionais de saúde mental, Walsh sugeriu que a abstinência não parece viável no mundo de hoje. “Saber como considerar a cannabis na equação de tratamento se tornará uma necessidade”, afirmou ele sobre futuras orientações no campo.

Mais recentemente, um estudo de 2018 não confirmou o papel da planta em ajudar aqueles com SUD, mas observou a natureza convincente de suas descobertas e o perfil de segurança relativo da cannabis para justificar pesquisas adicionais.

Matthew Ratz é diretor executivo da On Our Own, um centro de bem-estar e recuperação em Maryland. Ratz, que usa cannabis medicinal para aliviar sua própria ansiedade e inflamação, está dividido no assunto da cannabis como ferramenta de redução de danos.

>>> Vício, educação e o futuro da política de Cannabis nos EUA

O Especialista em Apoio de Pares disse que apoia as múltiplas rotas para a abordagem de recuperação. “O paradigma dos caminhos múltiplos afirma que tudo o que ajuda deve ser usado para ajudar. Portanto, se a cannabis pode ser usada com segurança, ótimo”, explicou Ratz. No entanto, ele advertiu que as pessoas com tendências viciantes devem ter cuidado adicional quando estão perto de substâncias psicoativas.

Crosby, do New Method Wellness, expressou preocupações sobre o vício cruzado e como a cannabis pode agravar a condição de uma pessoa. “Eu pessoalmente vi muitas pessoas entrarem em tratamento para um transtorno de uso de substâncias e terem a ideia de que podem compartimentar o uso de cannabis, e poucas conseguem fazê-lo por um curto período de tempo”, relatou Crosby.

Crosby acredita que os programas de recuperação baseados na abstinência são o caminho a percorrer. Ela acha que a redução de danos não resolve o problema central, chamando-o de “uma bandagem em um buraco de bala”.

Fonte: Andrew Ward/High Times

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese