Cannabis para descontaminar solos em Portugal

Projeto da Confraria Internacional da Cannabis propõe solução inovadora para área degradada na Praia de Vitória, em Açores

Publicada em 29/02/2024

capa
Compartilhe:

A presidente da Confraria Internacional da Cannabis em Portugal, Graça Castanho, apresenta uma proposta inovadora para lidar com a contaminação por resíduos químicos na Praia de Vitória, região dos Açores.  

Após décadas de contaminação causada por uma petrolífera norte-americana instalada na região na década de 80, o solo e o lençol freático local foram afetados por altos níveis de metais pesados, resultando em uma crise ambiental de grandes proporções.

Entenda o caso: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/relatorio-sobre-a-contaminacao-na-praia-vitoria/

Diante desse desafio, o cânhamo emerge como uma solução promissora. Reconhecido por suas propriedades fitorremediadoras, a planta possui a capacidade única de absorver impurezas do solo e promover sua descontaminação. Graça Castanho destaca a eficácia global do cânhamo em projetos referência na ciência sobre o tema, especialmente em áreas degradadas pela mineração, e questiona por que não aplicar essa prática na Praia de Vitória.

Graca-Castanho-event-organiser.jpg
Graça Castanho, presidente da Confraria Internacional da Cannabis em Portugal (Imagem: reprodução)

“Além de sua função ambiental crucial, o cânhamo oferece uma infinidade de possibilidades comerciais e industriais. Com mais de 25 mil produtos e subprodutos derivados, é uma fonte versátil e sustentável de insumos para diversas indústrias”, destaca Graça.  

Ela explica ainda, que a Confraria Internacional da Cannabis tem como objetivo principal educar e disseminar o conhecimento sobre os benefícios da inclusão do cânhamo na alimentação e na indústria através de seus derivados, fomentando e abordando aspectos importantes sobre suas utilizações.

Diante da urgência em restaurar a saúde ambiental da Praia de Vitória e de promover práticas sustentáveis, o projeto representa não apenas uma solução viável, mas também uma oportunidade para impulsionar a economia local e globalmente.  

“É hora de abraçar a cannabis como uma aliada na recuperação ambiental e no desenvolvimento sustentável de Portugal”, conclui a especialista.