Como o cânhamo pode ajudar na crise da Índia

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A pandemia COVID-19 empurrou uma economia em dificuldades para uma recessão total. O sofrimento agrário agudo pode ter sido moderado por boas transições climáticas, mas o influxo de migrantes das áreas urbanas tornou mais pessoas dependentes de pequenos negócios no setor agrícola. 

Embora o meio ambiente tenha se beneficiado com as baixas emissões de poluentes durante a quarentena, há temores de que os governos em todo o mundo possam relaxar as regulamentações ambientais para impulsionar suas economias.

Por mais difamada que seja, a planta da Cannabis pode ser um aliado antes não imaginado pelos governos da Índia, enquanto lutam contra as muitas crises que o país enfrenta.

>>> Cannabis atenua a devastação econômica durante a pandemia na América Latina

Muitas opções convencionais tendem a resolver um problema, mas pioram outro – a mais óbvia é a troca aparente entre crescimento econômico e conservação ambiental. Precisamos de inovação para ir além dessa dicotomia falha, e é aqui que a Cannabis entra.

Ao contrário da crença popular, a Cannabis não é a mesma coisa que a maconha. As plantas de Cannabis contêm THC (Tetrahidrocanabinol), que é um químico psicoativo que lhes confere propriedades narcóticas. Os níveis de THC em uma planta determinam sua classificação; a Cannabis com alto THC é popularmente conhecida como maconha e é usada recreacionalmente, enquanto a Cannabis com baixo THC é chamada de cânhamo (especificamente da variedade Cannabis sativa). 

Embora não haja um nível claro de THC acima ou abaixo do qual a Cannabis é considerada maconha ou cânhamo, estimativas legais comuns apontam para entre 0,3% a 1%. São essas variedades com alto teor de THC que tornaram a Cannabis proibida em muitas partes do mundo no século passado.

Então, como chegamos até aqui?

A Cannabis foi proibida na Índia recentemente – em 1985 – não devido à oposição interna, mas como uma consequência da política americana. O potencial disruptivo do cânhamo em setores como o papel e os têxteis levou interesses velados nos EUA a fazerem lobby contra esse produto nas décadas de 1930 e 1940. Sua associação à Cannabis de uso adulto foi destacada e, como parte de uma guerra decididamente racista contra as drogas, foi proibida. 

A política interna nos Estados Unidos teve um efeito cascata global que culminou na Convenção Única das Nações Unidas de 1961 sobre Drogas Narcóticas. Países em todo o mundo adotaram medidas proibitivas. Eles criminalizaram o uso de ‘drogas’, que até então poderia ser considerado um problema de saúde ou mesmo uma parte de sua cultura.

>>> Startup acha brecha na lei e abre a primeira clínica de Cannabis medicinal da Índia

Na verdade, no que parece uma deliciosa ironia hoje, a Índia não implementou a convenção em sua totalidade por motivos culturais; negar às pessoas bhaang (conhecido na Índia como a decocção das folhas secas e inflorescências de plantas com efeitos narcóticos. Tem potência equivalente à maconha) em Holi era aparentemente muito drástico. Demorou 25 anos para implementar a proibição, que acabou tomando a forma de 1985, a Lei de Drogas Narcóticas e Substâncias Psicotrópicas.

As coisas mudaram muito desde então, e o mundo está lentamente passando da proibição total. Até mesmo os EUA aumentaram sua tolerância à Cannabis, com vários estados legalizando-a de uma maneira ou de outra. Embora a natureza provocativa da Cannabis recreativa seja manchete, seu primo menos controverso, o cânhamo, pode ser mais digno de nossa atenção.

Viva o cânhamo

O vasto potencial do cânhamo está aos poucos sendo avaliado. Como sugere o pesquisador de Cannabis Anurit Kanti, pode ser uma “cultura maravilhosa” na busca de cada vez mais desenvolvimento sustentável. Três fatores principais contribuíram para a popularidade do cânhamo – sua facilidade de crescimento, benefícios ambientais e usos versáteis.

O ‘período de crescimento’ do cânhamo, da semeadura à colheita, é de três a quatro meses, dependendo do uso das fibras ou sementes da planta. De acordo com Dilsher Singh Dhaliwal, fundador da Everest EcoHemp, a maior empresa de cultivo de cânhamo licenciada da Índia, a safra requer relativamente poucos insumos. “Só usamos fertilizantes orgânicos na semeadura e não adicionamos agrotóxicos em nenhuma fase. O cânhamo é extremamente sustentável, e do ponto de vista ambiental e só precisa de rega uma vez, caso não chova”, disse. Obviamente, essas necessidades mínimas de água são específicas do clima (as fazendas do Everest ficam em Uttarakhand) e as lavouras em áreas secas exigirão mais irrigação.

Essas plantas de cânhamo de fácil crescimento beneficiam ativamente o meio ambiente. De acordo com um relatório apresentado à Comissão Europeia, um acre de cânhamo industrial pode absorver 15 toneladas de CO2 por hectare, o que o torna um dos melhores métodos de conversão de CO2 em biomassa. 

>>> Congressistas pedem regulamentação da Cannabis para potencializar cânhamo industrial

Um artigo publicado na revista Rolling Stone mostrou que o cânhamo poderia ajudar a recuperar terras contaminadas e degradadas por meio de um processo conhecido como “biorremediação”, cuja evidência foi vista até mesmo em áreas devastadas pela explosão de Chernobyl. Um recente trabalho de pesquisa também descobriu que a planta ajudou a reduzir a erosão do solo e aumentou o rendimento de outras plantas quando cultivadas em rotação.

Os usos dessa aparente colheita maravilhosa são amplos e em constante expansão. É popularmente usado para fazer têxteis duráveis que são mais sustentáveis ​​do que produtos de algodão que usam muita água.

Em relação às árvores, o papel feito de cânhamo é de melhor qualidade; também requer um quarto da terra e uma fração do tempo para produzir a mesma quantidade de celulose. O cânhamo também está se tornando um substituto popular do plástico e é atualmente usado em Legos, peças de automóveis e armaduras corporais.

>>> Sinônimo de sustentabilidade na moda, cânhamo vira estrela

Em uma era de escassez global de areia e mineração de areia ecologicamente devastadora, seu uso na construção como uma alternativa ecologicamente sensível e com eficiência energética ao cimento tradicional é uma grande promessa. 

Estudos em 2014 também mostraram que ele poderia ser usado para fazer nanofolhas de carbono no mesmo nível do grafeno, o custoso padrão-ouro da indústria usado para fabricar supercapacitores, que são componente-chave dos dispositivos de armazenamento de energia de alto desempenho necessário, por exemplo, em carros elétricos. 

Para veículos regulares, pode se tornar um biocombustível eficiente. O cânhamo também contém canabidiol ou CBD (que não é psicoativo), um produto químico amplamente utilizado em alimentos e medicamentos que tem vários benefícios potenciais para a saúde e poucos efeitos colaterais.

>>> Secretário Nacional de Prevenção às Drogas critica projeto de lei que libera cultivo de Cannabis medicinal

O mundo está reconhecendo cada vez mais a praticidade do cânhamo e alguns até o consideram uma panaceia contra as mudanças climáticas. À medida que o mercado atinge novos máximos, a China correu sem surpresa para conquistá-lo; apesar de alguns produtos serem ilegais no mercado interno, eles se tornaram os maiores produtores e exportadores de cânhamo do mundo.

Fonte: informações do site The Bastion

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese