O uso de cannabis durante a gravidez pode afetar o desenvolvimento cerebral do bebê?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
De acordo com pesquisa realizada em 2016 nos EUA, 4,9% das mulheres grávidas de 15 a 44 anos relataram uso de cannabis no mês anterior; outro estudo revelou que 17% das mulheres em idade fértil usaram cannabis no ano anterior (Foto: Negative Space/Pexels)

À medida que o uso de cannabis se torna cada vez mais normalizado, inclusive entre algumas mulheres grávidas, um farmacologista da Universidade de Saskatchewan, no Canadá, espera determinar se esse uso terá algum efeito no cérebro de bebês em desenvolvimento.

O pesquisador Robert Laprairie planejam usar um modelo de estudo em ratos para testar a hipótese de que a exposição crônica à cannabis com alto teor de THC “resultará em um aumento significativo na ansiedade dos filhotes dos animais e na redução significativa na cognição e sociabilidade”, segundo a universidade.

>>> Participe do grupo do Sechat Notícias no WhatsApp e receba primeiro as informações sobre Cannabis medicinal do Brasil e do mundo

A equipe usará uma câmara de inalação especial para fornecer fumaça com alto teor de THC e CBD a ratas grávidas por 21 dias e acompanhar o crescimento, peso e resultados metabólicos dos filhotes após o nascimento. Quando tiverem idade suficiente, os filhotes serão monitorados quanto a comportamentos de ansiedade, tarefas de aprendizado e memória e, eventualmente, predisposição a transtornos por uso de substâncias, observa a declaração.

A expectativa de Laprairie é que o teste mostre “um profundo impacto sobre o quão ansiosos os animais estão e quão bem eles aprendem e se adaptam.”

>>> Não há ligação entre o uso de cannabis e declínio cognitivo em idosos, aponta novo estudo

Com a legalização do uso adulto da cannabis há dois anos, “há uma preocupação oportuna de que as pessoas possam procurar a cannabis para uso medicinal ou adulto durante a gravidez”, observa Laprairie em um comunicado. “Existe um equívoco geral entre o público de que, por ser natural, é seguro. Mas é uma droga como qualquer outra”, ressalta.

Estudos relacionados envolvendo ratos, que foram injetados, e humanos, que fumaram cannabis, foram feitos. Laprairie observa, no entanto, que as injeções provavelmente diferem significativamente de uma experiência com a planta inteira, algo que significa que os pesquisadores “precisam se aprofundar mais.”

>>> Ministério da Saúde faz acordo com fabricante de canabidiol por cinco anos

Parece haver consistência, mas não necessariamente consenso, quando se trata do uso de cannabis durante a gravidez ou amamentação. Vários estudos e organizações recomendaram a abstinência, incluindo a National Association of Neonatal Nurses, o governo canadense e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Dito isso, uma revisão recente de décadas de estudos sobre mulheres que consumiram cannabis durante a gravidez, publicada na Frontiers in Psychology, e o efeito sobre a função cognitiva, observou que as conclusões tiradas de estudos individuais às vezes se estendem muito além dos dados reais.

Enquanto a ciência continua o seu trabalho de investigação, algumas mulheres que estão grávidas ou pensando em engravidar parecem estar interessadas em explorar o que a erva pode fazer por elas, incluindo enjoos matinais e depressão.

>>> Sechat oferece serviço gratuito para pacientes e médicos prescritores de Cannabis medicinal

Um estudo publicado no ano passado no Journal of the American Medical Association descobriu que o número de mulheres que consomem cannabis durante a gravidez aumentou de 1,95% para 3,38%. “À medida que a prevalência geral do uso de cannabis pré-natal aumenta, é vital monitorar também as tendências na frequência do uso de cannabis no período que antecede e durante a gravidez, porque o uso mais frequente pode conferir maiores riscos à saúde para mães e filhos”, escreveram os autores.

De acordo com a WebMD, um estudo descobriu que mulheres grávidas com enjoos matinais leves ou graves no primeiro trimestre tinham quase “quatro vezes mais probabilidade de usar a cannabis durante este período do que aquelas que não tiveram enjoo matinal.”

Laprairie reconheceu que algumas pessoas acreditam que a cannabis pode ajudar a reduzir as náuseas durante a gravidez.

>>> Após 3 meses de tratamento com cannabis, paciente com fibromialgia que recorria à morfina vê as dores sumirem

Citando números da Pesquisa Nacional sobre Uso de Drogas e Saúde de 2016 nos EUA, ele relata que 4,9% das mulheres grávidas de 15 a 44 anos relataram uso de cannabis no mês anterior. Além disso, os números de 2016 do Statistics Canada mostram que quase 17% das mulheres em idade fértil relataram usar cannabis no ano anterior.

O objetivo da pesquisa é ter resultados que possam ser submetidos a periódicos elaborados até o próximo verão. A esperança é que as informações resultantes sejam úteis para indivíduos, legisladores e regiões de saúde.

“Estamos desenvolvendo muitos medicamentos diferentes à base de cannabis. E uma das coisas mais importantes sobre um medicamento é que você sabe em quais populações ele não deve ser usado”, enfatiza Laprairie no comunicado.

Fonte: Angela Stelmakowich/The GrowthOp

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese