Panamá avança na regulamentação da Cannabis Medicinal

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Os críticos apontam que essas mudanças beneficiarão grandes empresas e deixarão pequenos produtores e empresários fora do jogo (Foto: Luis Quintero/Pexels)

Curadoria e edição de Sechat Conteúdo, com informações de El Planteo (Franca Quarneti)

Esta semana, no Panamá , a Assembleia Nacional retomou a discussão sobre a Cannabis medicinal um ano após a aprovação do primeiro debate. No entanto, a discussão permanece relegada a uma comissão de quatro membros. 

Um ano depois de ser aprovado no primeiro debate, a Assembleia Nacional do Panamá retirou o projeto de lei 153 que regulamenta o uso medicinal e terapêutico da maconha, informou o La Prensa. 

>>> Siga o Sechat no INSTAGRAM

Mas, em vez de avançar, a iniciativa parece estar mais perto da linha de partida do que da linha de chegada. O que aconteceu? No dia 15 de março, os deputados propuseram 62 modificações que promoveriam o monopólio e limitariam o acesso ao produto. 

Três dessas modificações são as mais controversas. O primeiro reduz os quatro tipos de licença inicialmente propostos (cultivo, produção de drogas, marketing e pesquisa), para dois (pesquisa e cultivo). Este é um grande problema porque quem cultiva não precisa necessariamente saber como processar, e quem processa não necessariamente sabe sobre o cultivo.

Além disso, pretende-se limitar o número de licenças de produção a três. Dessa forma, o Ministério da Saúde só poderia conceder três autorizações de 25 anos cada. A modificação mais polêmica propunha aumentar o custo das licenças, que era de 10.000 dólares e que, com as modificações aprovadas, chegaria a 150.000 dólares. 

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Os críticos apontam que essas mudanças beneficiarão, sobretudo, grandes empresas e deixarão pequenos produtores e empresários fora do jogo. Por sua vez, as modificações podem comprometer o abastecimento dos pacientes.

Enquanto isso, no dia 16 de março, seis deputados propuseram a suspensão da discussão, argumentando que a iniciativa deveria ir para uma mesa técnica com todos os setores envolvidos. Carlos Ossa, representante da Fundação em Busca de Alternativas e portador de esclerose múltipla, declarou: “É quase como fazer uma nova lei”. 

Confira outros conteúdos sobre o mercado da cannabis publicados pelo Sechat:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese