Servidora desiste de hidroxicloraquina e trata artrite com Cannabis

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Por Caroline Apple

Em 2017, a servidora pública Sheila Dantas Geriz, 46 anos, tinha nas mãos uma caixa de hidroxicloraquina para iniciar o tratamento da sua recém-diagnosticada artrite reumatoide quando recebeu uma ligação que mudou os rumos do seu tratamento.

Após passar oito meses sem um diagnóstico fechado, lidando com dores que a deixaram de cama e tomando diversos anti-inflamatórios e analgésicos, Sheila, enfim, recebia uma resposta para tanto sofrimento.

Assim que a médica bateu o martelo de que a doença autoimune era a responsável por aquele quadro incapacitante, logo retirou o receituário da gaveta e prescreveu a Hidroxicloraquina, medicação convencional em casos de artrite.

Uma ligação inesperada

Sheila saiu do consultório e foi direto à farmácia. Lá comprou o remédio receitado pela médica e foi para casa.

A servidora pública é também coordenadora da Liga Canábica, uma associação de pacientes, famílias e profissionais que acreditam no uso da Cannabis medicinal, fundada em 2015 por ela.

A associação foi criada quando Sheila começou a tratar o quadro de epilepsia e autismo do seu filho Pedrinho, hoje, com 10 anos.

Por sua posição na associação, Sheila recebia ligações de pacientes com frequência.

Naquele dia que ela voltou da farmácia com a Hidroxicloraquina na mão não foi diferente, porém, essa ligação soou como um “sinal” para a servidora.

Do outro lado da linha estava uma mulher também com artrite reumatoide que se queixava de dores mesmo tomando altas doses de medicamentos alopáticos. Além disso, a paciente relatava ter desenvolvido tuberculose por conta da queda na imunidade devido aos medicamentos.

Essa paciente queria saber se Sheila poderia ajudá-la a começar um tratamento alternativo com Cannabis.

Sheila não acreditava no que tinha acabado de ouvir. Mesmo envolvida no universo canábico, até aquele momento, não tinha cogitado efetivamente tratar a doença com Cannabis.

Então, a servidora não pensou duas vezes diante daquele relato que parecia ser um prelúdio do que a esperava no futuro e descartou a Hidroxicloraquina e começou a se tratar com óleo de canabidiol.

Efeitos positivos rápidos

No começo, as inflamações foram sendo apaziguadas, mas as dores persistiam. Foi quando o THC entrou na história. Com um óleo 1 para 1 (CBD e THC), Sheila deu continuidade ao seu tratamento.

Resultado: são dois anos e meio vivendo sem os sintomas da artrite e sem nunca ter usado um remédio alopático como tratamento.

Sheila vai dar entrada no seu pedido de Habeas Corpus e, assim que possível, vai realizar novos exames para anexar à ação. Sua médica segue cética, mesmo a melhora de sua paciente sendo visível, mas Sheila não se importa.

Ela sabe que sua doença não tem cura, mas o que ela quer é poder, sem dor, cuidar do seu filho autista e dos pais idosos, trabalhar como servidora e ajudar outras pessoas que acreditam e vivem os benefícios terapêuticos da Cannabis.

A servidora não sabe dizer porque seu tratamento teve resultados tão positivos e rápidos com a Cannabis e muito menos se a falta de substâncias contidas nos alopáticos podem ter interferido positivamente.

Porém, foi na maconha que ela encontrou tratamento para sua artrite e para as convulsões do seu filho, que, atualmente, só é tratado com Cannabis.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese