Cannabis pode ajudar quem sofre de dor pélvica crônica

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Os pesquisadores disseram que quase um quarto dos pacientes participantes relatam o uso regular de cannabis como um complemento à terapia prescrita (Foto: Andrea Piacquadio/Pexels)

Se você sofre de dor pélvica crônica, há uma boa chance de ter sucesso no tratamento de seus sintomas com a cannabis.

Esse é o resultado de um novo estudo chamado “Uso de cannabis para o autogerenciamento da dor pélvica crônica”. O estudo, realizado por pesquisadores da Mayo Clinic e publicado no mês passado no Journal of Women’s Health, descobriu que 23% dos pacientes que participaram da pesquisa relataram usar cannabis para aliviar seus sintomas.

“A maioria usava cannabis pelo menos uma vez por semana e a maioria dos usuários relatou melhora nos sintomas, incluindo dor, câimbras, espasmos musculares, ansiedade, depressão, distúrbios do sono, libido e irritabilidade”, escreveram os autores do estudo. “39% relataram diminuição do número de consultas clínicas.”

>>> Participe do grupo do Sechat no WhatsApp e receba primeiro as notícias

Os pesquisadores disseram que quase um quarto dos pacientes participantes relatam o uso regular de cannabis como um complemento à terapia prescrita e que, apesar da maioria dos efeitos colaterais relatados, a maioria também disse que a cannabis melhorou seus sintomas.

“Até onde sabemos, este é o primeiro estudo nos Estados Unidos que avaliou a prevalência do uso de cannabis entre mulheres com DPC. Nossos resultados mostram que uma porcentagem clinicamente significativa de mulheres usa cannabis em adição ou como uma alternativa à terapia tradicional para dor crônica”, escreveram os autores, citados pela NORML.  “A pesquisa indicou que a cannabis melhorou os sintomas relacionados ao CPP, diminuiu a dependência do sistema de saúde e ajudou a reduzir o uso de medicamentos opióides. Nossos resultados fornecem evidências incrementais importantes e esperamos abrir o caminho para a aceitação e consideração da cannabis como uma opção terapêutica para pacientes com dor debilitante para melhorar sua qualidade de vida.”

>>> Os principais mitos e verdades sobre a Cannabis medicinal

Dor pélvica, cannabis e opióides

Estudos anteriores mostraram que cerca de 15% das mulheres nos Estados Unidos relataram dores pélvicas que duram até seis meses, embora as pesquisas sejam um tanto inconclusivas. De acordo com o National Institutes of Health, por estar “frequentemente ligada a outros distúrbios, como endometriose ou vulvodínia, a dor pélvica crônica pode ser diagnosticada erroneamente como outra condição, tornando difícil estimar taxas de prevalência confiáveis ​​para dor pélvica”.

O estudo não é o primeiro a mostrar que os pacientes que usam cannabis para tratar certas doenças acabam reduzindo a ingestão de opioides. Uma revisão da literatura publicada há alguns meses descobriu uma redução muito maior na dosagem de opioides, redução nas visitas ao pronto-socorro e internações hospitalares por dor crônica não oncológica por usuários de cannabis medicinal, em comparação com pessoas que não fazem o uso.”

“Dada a atual epidemia de opioides nos EUA e as propriedades analgésicas reconhecidas da cannabis medicinal, ela poderia servir como uma opção viável para alcançar a redução da dosagem de opioides no tratamento da dor crônica não oncológica”, escreveram os autores do estudo.

>>> A Cannabis medicinal pode ser a solução para o fim dos opioides?

Outro estudo publicado no início do ano descobriu “evidências econômicas comportamentais de que o acesso à cannabis pode reduzir modestamente a demanda por opioides em pessoas que têm dor”.

De acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos, as overdoses de opioides foram responsáveis ​​por mais de 42.000 mortes em 2016, mais do que qualquer ano anterior registrado, com uma estimativa de 40% das mortes por overdose de opioides envolvendo um opioide prescrito.

Fonte: THOMAS EDWARD/High Times, com curadoria e edição de Sechat Conteúdo

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese