Mês da Saúde Mental: Autoconhecimento e Equilíbrio

Cannabis e seu uso na busca pelo equilíbrio

Publicada em 30/01/2024

capa
Compartilhe:

Por Adriana Russsowsky

Imaginem um cenário onde você, na sua rotina, treina, trabalha, dorme, se alimenta, tem uma vida social satisfatória, tudo na medida certa.  Com o nível de informação e terapias abrangendo autoconhecimento disponível, aprende a gerenciar melhor suas emoções. E você consegue também ir a uma “botica” onde pode adquirir uma quantidade suficiente, de poucas gramas, de um tipo de planta que irá te auxiliar a manter melhor o equilíbrio. Relaxamento? Foco? Alívio de uma contusão? Evento social? Uma strain de qualidade para cada uma das pequenas questões.

Adriana Russowsky é farmacêutica, fitoterapeuta sênior, mestre em Ciências da Reabilitação. 

A planta serviria então, mediante parcimônia e responsabilidade em sua utilização, para trazer uma determinada busca pela linearidade alta produtividade, para quando a rotina ficou pesada. Imaginando, lembramos imediatamente de um pequeno kit de baseado, servindo como uma almofada. Ou de um dispensário americano com ricas opções disponíveis. Ou de uma farmácia tradicional francesa ou alemã, amantes de fitoterapia: afinal, podemos falar de outras plantas (mulungu, camomila, café ou chá verde, entre tantas). São normalmente mais baratas que fármacos e suplementos que objetivam o mesmo fim. Tem menos efeitos adversos do que medicamentos hoje tão comuns, como sertralina, concerta (risos), rivotril, venvanse, entre tantos outros. Lembramos também de como a segunda guerra mundial influenciou na comercialização de sintéticos e para a ascensão do poderio da indústria farmacêutica. Em uma época que os EUA proibiam a planta Cannabis. 

De qualquer forma, refletindo sobre tudo isto, temos que recordar que também existe sim a possibilidade de se perder um pouco a mão, como tudo na vida. É o que acontece com frequência com pessoas que querem sair no final de semana para desestressar e acabam bebendo ou comendo demais. Analisando as consequências, precisamos pensar um pouco sobre as substâncias que podem sim, serem produtivas, mas que se você exagera, não é legal...O café também, correto? Ou um vício em exercícios que traga um overtraining e seja pesado para sua saúde física?

A busca incansável pelo prazer da nossa geração, é comentada no livro Nação Dopamina. A autora Anne Lembke fala sobre como o excesso do prazer pode nos trazer infelicidade. A catecolamina dopamina é a grande responsável pelo vício e compulsões. E o sempre estar atrás disto pode estar trazendo mais frustações do que benefícios. Seria uma boa dica de leitura, quando se está tentando ter uma vida mais regrada e colocar mais noção em suas escolhas diárias. Em meio a tendência a compulsão causada pela dopamina digital e social, quando conscientizamos uma questão, podemos tomar melhores escolhas, que influenciam diretamente para o objetivo que queremos chegar. 

A pergunta é: como descobrir a dose para obter efeito medicinal e não de adicção? Acompanhamento médico? Autoconhecimento? Informação? todas as alternativas... Afinal, um vício em cannabis também pode regular seus níveis de dopamina para baixo (como regular para cima, tudo na vida é achar a dose certa). Valeria dizer sobre a educação social, mas quem preocupa-se agora com esta questão seria o comitê organizado pelo atual presidente para definir nos próximos anos, de fato, questões sobre a liberação.

A opinião dos nossos colunistas não expressão necessariamente o posicionamento editorial do Sechat.

Sobre a autora:

Adriana Russowsky é farmacêutica, fitoterapeuta sênior, mestre em Ciências da Reabilitação. Pioneira na área canábica no país, trabalha com projetos de criação e direção de Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos e Serviços, no ramo de Cosmetologia e Medicinas Naturais.

Hoje compõe e realiza estratégia os protocolos que desenvolveu e criou, dentro de empresas de comercialização de cannabis e de clínicas canábicas no país, e acredita que devem as instituições científicas e educacionais melhor informar os futuros médicos e outros profissionais desta necessidade de conhecimento, ampliando acredita o correto acesso a comunidade.