A disputa pelo prêmio cobiçado do saco de cânhamo

Última celebração do festival milenar no Japão

Publicada em 23/02/2024

capa
Compartilhe:
Modelo Capa do site - 2024-02-22T015821.164.png

No sábado à noite, o venerável templo de Kokusekiji, situado na serena floresta de cedros na região de Iwate, testemunhou pela última vez o intrigante ritual anual do festival "Sominsai". Com mais de mil anos de tradição, o evento, notável por homens quase nus competindo pela posse de um saco de cânhamo repleto de amuletos, encerrou suas atividades em Oshu, no norte do Japão, como reportado pelo conceituado jornal japonês Asahi Shimbun.

A desafiadora organização do evento, que costumava atrair centenas de participantes e milhares de turistas, tornou-se um fardo para os monges e fiéis de Oshu, que enfrentaram a falta de participação dos jovens em meio ao envelhecimento da comunidade.

O monge Daigo Fujinami expressou: "É extremamente difícil organizar um festival desta magnitude", enquanto estava diante do templo que viu sua inauguração em 729. Este festival peculiar, conhecido como um dos mais singulares do Japão, agora se torna a mais recente vítima da crise demográfica que assola as comunidades rurais.

O "Sominsai" ficou marcado pela disputa acirrada pelo prêmio cobiçado: um saco de cânhamo repleto de amuletos. Em meio aos desafios demográficos que levaram ao fechamento de escolas, lojas e serviços de transporte em várias regiões, alguns festivais adaptaram-se, permitindo inclusive a participação de mulheres em cerimônias outrora exclusivas para homens. No entanto, o "Sominsai" optou por encerrar suas atividades, encerrando uma tradição milenar que girava em torno do místico prêmio do saco de cânhamo.