Além do uso medicinal, cânhamo é porta de inovação para a indústria de bens de consumo

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Para Grecco, uma nova era para a indústria de bens de consumo já começou com o beneficiamento do cânhamo: "Essa dimensão da planta, com foco em produtos para o consumo direto humano, deve ser uma das mais prósperas nos próximos anos e o Brasil precisa fazer parte desta disrupção." (Foto: Divulgação/Arquivo pessoal)

Coluna de Marcelo De Vita Grecco*

O uso medicinal da cannabis é tema cada vez mais presente nos debates, embora ainda precise muito mais espaço à medida que mais informações e evidências científicas chegarem à população. Porém, o que poucos sabem é que o potencial farmacêutico da cannabis é apenas uma das dimensões que a planta tem para os negócios, desde uma nova commodity às aplicações industriais e o uso adulto, como já acontece no Uruguai, Canadá e em 16 estados norte-americanos. Nesse sentido, uma das principais tendências da revolução verde reside nas disrupções nos bens de consumo.

O que poucos sabem é que o potencial farmacêutico da cannabis é apenas uma das dimensões que a planta tem para os negócios, desde uma nova commodity às aplicações industriais e o uso adulto, como já acontece no Uruguai, Canadá e em 16 estados norte-americanos. Nesse sentido, uma das principais tendências da revolução verde reside nas disrupções nos bens de consumo

Esse movimento já se desenvolve plenamente na América do Norte e Europa, envolvendo alimentos, bebidas e suplementos, entre outros itens. Se tem alguma dúvida, faça uma busca por “hemp” (cânhamo em inglês) no Google Trends e veja como o termo aparece associado a cosméticos nos Estados Unidos (EUA). No entanto, essa é apenas a ponta do iceberg. Também há marca de cerveja artesanal norte-americana com óleo de semente de cânhamo e terpeno na composição da bebida.

Agora, você pode estar pensando que são iniciativas isoladas de empresas de nicho, mas, se esse for o caso, não poderia estar mais equivocado caro leitor. Ainda nos EUA, uma das maiores redes de varejo voltada ao segmento pet colocou produtos com canabidiol (CBD) em suas prateleiras. Além disso, a Colgate lançou uma pasta de dente que também possui óleo de semente de cânhamo em sua fórmula. O fato é que muitas empresas, de startups a grandes players estão neste momento estudando como incorporar o cânhamo como um ingrediente.

Esse cenário configura um dos momentos mais estimulantes para qualquer empreendedor e os brasileiros não podem ficar de fora. A hora de refletir e agir para fazer parte de uma indústria nascente é agora. Quem está do lado de fora pode entrar no mercado como pioneiro, inovador e com oportunidade ímpar de ser disruptivo. Quem já atua de forma consolidada tem à frente ótima chance para abrir novas frentes de negócios, conquistar novos mercados e, até mesmo, se reinventar. E, para todos que entrarem antes, possibilidades de vendas com melhores parâmetros de preços e margens de lucro.

Esse cenário configura um dos momentos mais estimulantes para qualquer empreendedor e os brasileiros não podem ficar de fora. A hora de refletir e agir para fazer parte de uma indústria nascente é agora

Com os empreendimentos já em andamento criaram-se algumas bases que podem delinear o caminho de quem pensa em empreender. Além de se posicionar melhor, quem sair na frente se apodera ainda de uma forte mensagem aos consumidores. Para um público cada vez mais aberto a novas experiências e ansioso por novidades, um produto com semente ou óleo de cânhamo é, certamente, mais do que uma mera opção de comida ou bebida. Trata-se de um item de bem-estar, para falar o mínimo.

Muitos conteúdos definem as sementes de cânhamo como um super alimento, forte concorrente a assumir o status ocupado anteriormente por chia, linhaça e quinoa, revolucionando os segmentos de suplementos e nutracêuticos, que englobam alimentos funcionais ou com propriedades terapêuticas.

Essa expectativa não é criada à toa. Afinal, 25% de sua composição é proteína e as sementes apresentam também alta concentração de fibras e bons níveis de ômega-3 e ômega-6, bem como de vitaminas E, vitaminas do complexo B, além de minerais como magnésio, fósforo, ferro, zinco e potássio. E os apelos gastronômicos das sementes não ficam atrás das propriedades dietéticas. Já o óleo de cânhamo, derivado das sementes, possui características benéficas para a saúde da pele e estão sendo amplamente usados na fabricação de cosméticos.

Afinal, 25% de sua composição é proteína e as sementes apresentam também alta concentração de fibras e bons níveis de ômega-3 e ômega-6, bem como de vitaminas E, vitaminas do complexo B, além de minerais como magnésio, fósforo, ferro, zinco e potássio. E os apelos gastronômicos das sementes não ficam atrás das propriedades dietéticas

Uma nova era para a indústria de bens de consumo já começou com o beneficiamento do cânhamo. Essa dimensão da planta, com foco em produtos para o consumo direto humano, deve ser uma das mais prósperas nos próximos anos e o Brasil precisa fazer parte desta disrupção. Sorte dos empreendedores que vivenciam este momento, sabem identificar oportunidades e largam na frente.

*Marcelo De Vita Grecco é cofundador, head de Negócios da The Green Hub e colunista do Sechat

As opiniões veiculadas nesse artigo são pessoais e de responsabilidade de seus autores.

Veja outros artigos de nossos colunistas: 

Alex Lucena 

– Inovação e empreendedorismo na indústria da Cannabis (19/11/2020)

– Inovar é preciso, mesmo no novo setor da Cannabis (17/12/20) 

Marcelo de Vita Grecco

– Cânhamo é revolução verde para o campo e indústria (29/10/2020)

– Cânhamo pode proporcionar momento histórico para o agronegócio brasileiro (26/11/2020)

– Brasil precisa pensar como um país de ação, mas agir como um país que pensa (10/12/2020)

– Por que o mercado da cannabis faz brilhar os olhos dos investidores? (24/12/2020)

Construção de um futuro melhor a partir do cânhamo começa agora (07/01/2021)

Ricardo Ferreira

– Da frustração à motivação (03/12/2020)

– Angels to some, demons to others (31/12/2020)

Paulo Jordão

– O papel dos aparelhos portáteis de mensuração de canabinoides (08/12/2020)

– A fórmula mágica dos fertilizantes e a produção de canabinoides (05/01/2021)

Wilson Lessa

– O sistema endocanabinoide e os transtornos de ansiedade (15/12/2020)

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese