Bebê britânico é o 1º do mundo a receber Cannabis para prevenir convulsões

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Reprodução Sky News

Traduzido do site Sky News

Oscar Parodi nasceu com encefalopatia hipóxico-isquêmica neonatal (HIE), que é a falta de oxigênio ou fluxo sanguíneo da placenta para o bebê.

O bebê, agora com 11 semanas de idade, recebeu tratamento de resfriamento no Norfolk and Norwich University Hospital, que é padrão para bebês nascidos com HIE, mas sua mãe também concordou que ele poderia receber uma dose do medicamento à base de Cannabis do estudo.

É a primeira vez que o medicamento é usado para tentar prevenir convulsões em um bebê com HIE e já está sendo usado para ajudar a tratar crianças com formas raras de epilepsia.

Pesquisadores do estudo, liderados pelo NHS Foundation Trust de Guy e St. Thomas, em Londres, esperam que o medicamento possa um dia ser usado rotineiramente nos cuidados neonatais para ajudar bebês em risco de convulsões e lesões cerebrais.

PropagandaO estudo procura verificar se o medicamento é seguro e eficaz para diminuir o grau de lesão cerebral em pessoas nascidas com HIE.

A mãe de Oscar, Chelsea Parodi, 17, assistente de cozinha de Watton, em Norfolk, disse: “Após o nascimento, fui abordada sobre a participação neste estudo e consultei minha mãe e meu irmão, que estão treinando para ser paramédico. Foi difícil, mas eu queria fazer tudo o que pudesse para ajudar meu bebê. Oscar ficou no hospital por nove dias e estava sendo monitorado 24/7. Ele está indo extraordinariamente bem e sou muito grata ao Dr. Clarke e à equipe pelo que eles fizeram por nós.”

O menino nasceu por cesariana de emergência quando tinha três dias de atraso no dia 11 de março, pesando 1 kg, mas inesperadamente nasceu em péssimas condições.

Ele foi submetido a 72 horas de tratamento de resfriamento para proteger seu cérebro, usando uma jaqueta especial como um refrigerador de vinho para baixar a temperatura do corpo para 33,5 °C.

Menos de 12 horas após o nascimento, ele também recebeu uma dose intravenosa única de 0,1 miligrama por quilograma do medicamento à base de Cannabis – um trigésimo da dose normal.

Os médicos fizeram medições dos sinais elétricos no cérebro de Oscar pelas primeiras 120 horas, além de exames físicos e neurológicos e exames de sangue.

Os dois primeiros bebês do mundo foram matriculados no Hospital Universitário de Norfolk e Norwich no estudo randomizado, recebendo uma dose única da droga ou um placebo.

O professor Paul Clarke, consultor neonatologista do hospital, disse: “Há muita empolgação na unidade e estamos orgulhosos de ter recrutado os primeiros bebês neste estudo. É a primeira vez que um medicamento derivado da Cannabis é testado por via intravenosa em bebês humanos. Espera-se que seja bom para prevenir convulsões e proteger os cérebros de bebês recém-nascidos com HIE. Sempre tivemos um bom apoio de famílias que desejam participar de pesquisas em nossa Nicu (Unidade de Terapia Intensiva Neonatal) e costumam fazer isso de um ponto de vista altruísta para ajudar a beneficiar futuros bebês.”

De acordo com o médio, uma das atrações deste teste para os pais é o monitoramento cerebral mais próximo que os bebês recebem como parte do estudo, porque um monitor de ondas cerebrais mais avançado é usado para os bebês em teste. “Isso dá aos pais mais segurança de que qualquer convulsão será detectada.”

A primeira fase do estudo, envolvendo unidades no Reino Unido e na Europa, levará cerca de um ano para ser concluída, com o desenvolvimento dos bebês sendo verificado em 30 dias, seis meses e 12 meses após a alta.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese