Cannabis e células cancerígenas – Nova pesquisa de uma Universidade australiana

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Traduzido do site The Cannabis Exchange

Por décadas, os defensores da Cannabis medicinal apontam para as propriedades anticancerígenas em potencial da planta. Nos últimos anos, governos de todo o mundo, inclusive no Reino Unido, começaram a permitir o uso de produtos medicinais de Cannabis para o tratamento de um número limitado de condições. 

No entanto, os produtos de maconha só podem ser prescritos para náuseas induzidas por quimioterapia em relação ao câncer. 

Agora, as evidências publicadas pela Universidade de Newcastle, na Austrália, revelaram novas descobertas sobre o potencial da planta. Os testes realizados na Universidade e no Hunter Medical Research Institute mostraram que uma forma modificada de Cannabis tinha o potencial de matar ou inibir células cancerígenas. Além disso, a forma de Cannabis com alto CBD não afetou outras células naturais.

Uma forma com baixo teor de THC da planta de Cannabis conhecida como ‘Eve’, produzida pelo Australian Natural Therapeutics Group, foi testada pelo pesquisador de câncer Dr. Matt Dun, da Universidade de New South Wales. A variedade de Cannabis é rica em CBD e contém menos de 1% de THC.

Evidências anteriores sugeriram que o THC – o canabinoide mais prevalente encontrado na planta de Cannabis – era a principal fonte das propriedades anticancerígenas em potencial da planta. 

No entanto, os testes de laboratório realizados em colaboração com o Australian Natural Therapeutics Group, revelaram que cepas altas em CBD podem ser mais eficazes na morte de células cancerígenas.

O Dr. Matt Dunn, explica como os pesquisadores testaram o potencial da cannabis no tratamento do câncer nos últimos três anos:

“Inicialmente usamos células de leucemia e ficamos realmente surpresos com a sensibilidade delas. Ao mesmo tempo, a cannabis não matou células normais da medula óssea, nem neutrófilos saudáveis ​​normais [glóbulos brancos]. ”

Após os testes iniciais, os pesquisadores perceberam que a droga parecia ter um mecanismo seletivo para o câncer. Verificou-se que estirpes de Cannabis que careciam de altos níveis de THC, canabinoide psicoativo, são mais eficazes na morte de células cancerígenas associadas à leucemia e glioma pediátrico do tronco cerebral.

Outros estudos que foram realizados em todo o mundo revelaram que a Cannabis com alto THC pode ajudar com os sintomas do câncer. Em particular, a Cannabis foi identificada como tendo a capacidade de melhorar a qualidade de vida de pacientes que sofrem de náusea induzida por quimioterapia.

No entanto, o Dr. Dunn explica que a Cannabis com alto THC também pode ter alguns contratempos para alguns pacientes:

“Você não pode dirigir, por exemplo, e os médicos são justificadamente relutantes em prescrever a uma criança algo que possa causar alucinações ou outros efeitos colaterais. 

A variedade CBD parece ter maior eficácia, baixa toxicidade e menos efeitos colaterais, o que potencialmente a torna uma terapia complementar ideal para combinar com outros compostos anticâncer. ”

A próxima fase da pesquisa na área terá como objetivo entender o que torna as células cancerígenas vulneráveis ​​enquanto outras células parecem não ser. Os pesquisadores avaliarão se isso é clinicamente relevante e se se reflete em outros tipos de câncer.

* A pesquisa sobre as propriedades anticancerígenas da cepa de baixo teor de THC está sendo financiada pelos produtores do produto (Australian Natural Therapeutics Group).

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese