CBD solúvel em água: porque nem todos os produtos são feitos da mesma maneira

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
As substâncias solúveis em água podem ser mais facilmente absorvidas pelo corpo humano, que é composto de até 60% de água, se tornando mais eficazes (Foto: Ministry of Hemp)

No mundo do canabidiol (CBD), os consumidores enfrentam uma infinidade de termos que descrevem os produtos que usam e como eles podem ser eficazes. CBD sublingual, tópico, derivado de cânhamo, isolado, lipossomal, de amplo espectro, micro e nano-emulsificado. A lista parece crescer a cada vez que um novo produto de CBD de qualquer tipo chega às prateleiras.

>>> Senadora Mara Gabrilli quer discussão científica e sem ideologias no PL da Cannabis

Adicionado a essa lista está outro termo descritivo que muitos consumidores estão vendo muito mais hoje: CBD solúvel em água. Para quem der uma espiada por trás da propaganda, ficará surpreso ao saber o que esses tipos de produtos realmente são e como funcionam. Mais importante, será possível entender como as tecnologias usadas pelas empresas são diferentes. E explicaremos outras inovações científicas mais avançadas usadas para entregar CBD – e mais – em nossos corpos.

>>> Conheça na íntegra o projeto de legalização da Cannabis medicinal e industrial no Brasil

Abaixo, demos uma olhada mais de perto no assunto da biodisponibilidade, solubilidade em água e por que isso é importante quando você está comprando CBD.

Compreendendo a biodisponibilidade

O que a maioria desses novos produtos de CBD “solúveis em água” está tentando promover é a inferência de que eles são, de alguma forma, mais biodisponíveis. Esta nova forma de produto exótica também combina dois chavões saudáveis: água e CBD.

>>> Cânhamo é revolução verde para o campo e indústria

A biodisponibilidade é uma medida de quanto de um composto molecular acaba na corrente sanguínea, onde pode ser entregue onde for necessário no corpo. Produtos com maior grau de biodisponibilidade podem funcionar com mais rapidez e eficiência do que aqueles com menos.

É importante observar que as substâncias solúveis em água podem ser mais facilmente absorvidas pelo corpo humano, que é composto de até 60% de água. Canabinoides de todos os tipos, incluindo CBD, são moléculas lipofílicas. Isso significa que são compostos à base de óleo que não são realmente solúveis em água.

>>> Nova tecnologia é grande promessa para o desenvolvimento de tratamentos com Cannabis

Esses canabinoides à base de óleo se dissolvem com grande dificuldade. Os óleos de cânhamo extraídos flutuam na água como qualquer outro tipo de óleo. Em geral, a solubilidade em água de uma substância pode ter uma correlação com sua biodisponibilidade também.

A biodisponibilidade – a concentração molecular distribuída na corrente sanguínea – é afetada por diferentes fatores, incluindo a forma como o produto é consumido. Por exemplo, um composto químico administrado por via intravenosa fornecerá 100% de biodisponibilidade, porque chega intacto diretamente no sistema circulatório. Da mesma forma, os compostos fumados ou inalados vão dos pulmões diretamente para a corrente sanguínea. Essas formas de consumo também fornecem um grau razoavelmente alto de biodisponibilidade.

>>> ‘SUS’ do Reino Unido fornece prescrição de Cannabis medicinal vitalícia a garoto com epilepsia

Mas os compostos que precisam sofrer metabolismo no fígado são decompostos e degradados no que é chamado de metabolismo de primeira passagem. Provavelmente, nenhum outro processo biológico afeta mais a biodisponibilidade.

O papel do fígado na biodisponibilidade

O metabolismo de primeira passagem é o processo pelo qual qualquer substância ingerida por via oral é engolida e entra no sistema digestivo. Em seguida, ele é filtrado através da parede intestinal e do fígado antes de finalmente ser capaz de entrar na corrente sanguínea. É um processo demorado que depende da condição do trato digestivo de uma pessoa, bem como de quantas outras substâncias também devem passar pelo mesmo processo ao mesmo tempo.

>>> A (in)adequação do HC no direito ao cultivo da cannabis medicinal

Mais importante, porém, esse lento metabolismo enzimático no fígado também degrada substancialmente – ou se decompõe – muitos dos compostos químicos que passam por ele. Como resultado, a maior parte do CBD consumido por via oral é destruída neste processo, e pouco dele – talvez apenas 4% – passa pelo fígado e, por fim, chega à corrente sanguínea.

A biodisponibilidade é importante para saber se um produto de saúde funciona ou não para uma pessoa. Como resultado, os consumidores de CBD perceberam. O mesmo aconteceu com muitas empresas de CBD e seus departamentos de marketing.

CBD solúvel em água faz sucesso

Com maior biodisponibilidade como meta declarada, alguns fabricantes de CBD estão tendo seus produtos bastante elogiados por seus benefícios “solúveis em água”. Este descritor de solubilidade está aparecendo cada vez mais em tinturas e bebidas de CBD. É usado até mesmo para descrever alguns dos pós isolados de CBD sem sabor que podem ser adicionados a alimentos e bebidas.

>>> O CBD no sistema imunológico e nas doenças autoimunes

As formas do produto podem ser diferentes, mas o foco da solubilidade em água é o mesmo, assim como o benefício sugerido de um canabinoide hidrofóbico à base de óleo sendo de alguma forma mais “solúvel” em água e, portanto, mais biodisponível no corpo humano.

Embora esses tipos de produtos de CBD tragam benefícios específicos, eles na verdade são feitos com uma tecnologia de entrega de CBD que não é tão sofisticada ou eficaz como alguns dos outros métodos de entrega de canabidiol usados ​​por alguns dos fabricantes inovadores de CBD hoje em dia.

Solúvel em água ou ‘compatível com água’?

Os produtos de CBD solúveis em água podem ser descritos com mais precisão como ‘compatíveis com água’. O próprio CBD em óleo não se torna solúvel, mas está contido dentro de uma estrutura com afinidade para a água. É como o inverso de colocar um smartphone dentro de uma capa à prova d’água para mantê-lo seco. Diríamos que o telefone não é à prova d’água, mas a capa é. As nanoemulsões contendo CBD são semelhantes a uma capa à prova d’água e podem demonstrar muitos dos atributos de serem solúveis.

>>> Estudo revela que quase metade dos pacientes com Esclerose Múltipla usam Cannabis medicinal

As nanoemulsões suspendem minúsculas gotículas de óleo na água e seu tamanho pode variar de 10 a 1.000 nanômetros. Essas emulsões são compostas por pequenas nanopartículas, que são projetadas para entrar em nosso corpo mais facilmente entre as paredes das membranas, elevando assim seu nível de biodisponibilidade. Essas nanopartículas são normalmente feitas com tecnologia de ondas sonoras que podem torná-las excessivamente pequenas. Eles são estáveis ​​na forma (o que significa que os produtos químicos neles são dispersos de maneira bastante uniforme) e são claros na aparência, tornando-os especialmente adequados para aplicações em alimentos e bebidas.

Ao empregar a tecnologia de nanoemulsão, os chamados produtos de CBD solúveis em água também não precisam depender de emulsificantes comuns, como lecitina, propilenoglicol ou MCT. Tudo isso pode afetar a dinâmica do sabor em produtos alimentícios, bem como a biodisponibilidade dos produtos. A qualidade do emulsionante também pode afetar sua biodisponibilidade.

O que queremos dizer com ‘solubilidade’, afinal?

A solubilidade é mais precisamente sobre como os produtos químicos se dissolvem em um líquido a uma temperatura específica, algo que não diz nada sobre a biodisponibilidade de um composto químico. É uma medida de graus de quanto soluto – o CBD – pode ser transportado na solução saturada. Este é o equilíbrio de solubilidade, que define o equilíbrio de um composto químico. A concentração do soluto em uma solução saturada é conhecida como solubilidade.

>>> Pacientes que usam Cannabis medicinal para Deficit de Atenção usam menos medicamentos prescritos, revela estudo

Acredite ou não, o CBD ativado se dissolve na água. Mas apenas uma minúscula fração dele o fará, tornando-o, essencialmente, insolúvel. E as soluções – tecnicamente chamadas de solventes – podem conter apenas uma parte do soluto dissolvido. Qualquer coisa acima de uma concentração específica precipitará e será desperdiçada. Portanto, a solubilidade depende principalmente da química do soluto, além do tamanho da partícula. Fatores ambientais como temperatura, pressão e concentração também entram em jogo.

A solubilidade é uma métrica importante, mas não é a única – nem a principal – a afetar necessariamente a biodisponibilidade de um produto de CBD de qualquer tipo.

Melhores tecnologias de entrega para CBD

Produtos de emulsão de CBD solúveis em água menos sofisticados aumentam a biodisponibilidade em um grau, mas ainda não podem escapar da decomposição química que vem da ingestão e do metabolismo de primeira passagem no fígado.

>>> CBD pode ajudar no desempenho de atletas, mostra estudo

Wana Brands entende a importância de evitar o metabolismo de primeira passagem para aumentar a biodisponibilidade. Por meio da química avançada, foram desenvolvidos produtos de CBD que não são apenas solúveis em água, mas também minuciosamente pequenos, com um tamanho de partícula inferior a 100 nanômetros, que é aproximadamente a largura de um fio de cabelo.

A nova tintura de cânhamo de Wana alimentada pela tecnologia Quicksilver Scientific modifica a química e o tamanho da partícula do CBD e o ajusta para que mais do que apenas uma fração possa se dissolver na água. Ele consegue isso com lipossomas inovadores que são pequenos o suficiente para passar entre as células do corpo e entrar na corrente sanguínea diretamente. Essa tecnologia garante um dos mais altos graus de biodisponibilidade fora de uma injeção com agulha.

>>> A Cannabis medicinal e a saúde da mulher

Além de serem incrivelmente pequenos, esses lipossomas são coleções de canabinoides em tamanho nano que são encapsuladas – completamente cercadas – com uma estrutura molecular que engana o corpo fazendo-o acreditar que são nutrientes amigos da água. Isso cria uma absorção muito mais rápida, começando imediatamente na boca e evitando a destruição da molécula que ocorre no fígado durante o metabolismo de primeira passagem.

A Wana Brands também fez parceria com a Azuca para a utilização de seu processo de encapsulação de moléculas de CBD com uma tecnologia diferenciada. O processo de Azuca é compatível com alimentos e depende de um encapsulamento aberto em torno dos canabinóides. É resistente o suficiente para não quebrar na digestão e pode deslizar pelo fígado sem degradação ou perda de biodisponibilidade.

>>> A Cannabis medicinal para o tratamento dos sintomas da Covid-19

Ambos os processos funcionam como cavalos de Tróia, invadindo facilmente a corrente sanguínea depois de enganar o corpo fazendo-o acreditar que são elementos à base de água.

O CBD solúvel em água é apenas um exagero?

Muitos consumidores podem achar o CBD solúvel em água muito benéfico para sua saúde, dada a bela complexidade de nossa biologia e a forma como é governado pelo sistema endocanabinoide.

Mas os consumidores também devem entender as diferenças entre a ciência de CBD e o marketing de CBD. Dessa forma, eles podem escolher os produtos que funcionam melhor para eles.

Contanto que eles possuam esse conhecimento, sabemos que os consumidores de CBD farão escolhas melhores, sem se distrair com truques de marketing.

Fonte: Mike Hennesy/Ministry of Hemp

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese