Cooperativa italiana aposta em construções locais à base de cânhamo

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Sobre todo o processo está uma plataforma digital da xFarm, uma empresa suíça de tecnologia de “agricultura inteligente” (Foto: Reprodução/Hemp Today)

Quando os visionários da construção de cânhamo ecologicamente corretos sonham, eles veem colheitas locais de palha de cânhamo transformada em uma fábrica local, misturada com cal local para projetos de construção locais levantados por trabalhadores locais.

Em Puglia, a região que forma o calcanhar da “bota” do sul da Itália, o sonho está se tornando realidade. É aí que um consórcio de interesses de cannabis se combinou para fechar o ciclo em uma “curta cadeia de abastecimento” local que está entregando materiais de construção de cânhamo para “Casas no Verde”, um projeto de condomínio de 24 unidades agora em construção.

Cânhamo pode proporcionar momento histórico para o agronegócio brasileiro

De campos de cânhamo próximos a um centro local de processamento de palha e ao próprio canteiro de obras, o máximo que qualquer material deve viajar é menos de 100 quilômetros. Isso significa custos reduzidos e uma pegada de carbono baixa como resultado dos requisitos de transporte limitados. Isso também significa que, à medida que a demanda por construção de concreto de cânhamo cresce na região, ela pode ser atendida de forma rápida e fácil por meio de uma economia circular local regenerativa.

Cadeia de abastecimento 

O consórcio está demonstrando “uma produção transversal que trata de tudo na construção – novos edifícios, renovação, reabilitação, desumidificação – através do desenvolvimento industrial do material de construção”, disse Pantaleo Pedone da Pedone Working srl, uma das partes do consórcio que combinaram forças para estabelecer a cadeia de abastecimento local de trabalho para a construção de hempcrete na Apúlia.

>>> Câmara dos Estados Unidos aprova lei que legaliza a cannabis em nível federal

“A curta cadeia de abastecimento compensa porque os custos de transporte de um material que produz esses grandes volumes são inconsistentes com os princípios verdes do cânhamo”, disse Pietro Paolo Crocetta, presidente do membro do consórcio Bio Hemp Trade, uma empresa de pesquisa e desenvolvimento industrial que coordena o grupo. A cal usada no concreto de cânhamo também é de origem local.

>>> Cânhamo está na nova coleção de roupas de Marina Ruy Barbosa

Produção inteligente

Sobre todo o processo está uma plataforma digital da xFarm, uma empresa suíça de tecnologia de “agricultura inteligente” cuja equipe na Itália criou um sistema para otimizar as operações do campo à fábrica. O sistema estabelece a base para padrões de certificação de qualidade em todos os pontos da cadeia de abastecimento, empregando recursos como sensores de irrigação e mapas de satélite para monitorar campos de cânhamo e um sistema de gestão digital na fase de processamento e produção que verifica constantemente os processos de limpeza e secagem. Todos esses dados permitem que o consórcio rastreie os lotes de produção, desde a semente até os materiais que vão para os blocos de construção de cânhamo.

O projeto “Case nel verde”, um edifício de 24 apartamentos demonstra o que surge no final da cadeia de valor local. As paredes do edifício com 40 a 50 centímetros de espessura são construídas com 1.500 metros cúbicos de blocos de Biomattona da Working Pedone e 12.000 m². do gesso de cânhamo da empresa. Os materiais de cânhamo são suportados pela estrutura de aço e concreto armado de 26,5 metros de altura. O complexo, na cidade de Bisceglie, foi pensado como modelo para edifícios de alto desempenho e baixo consumo de energia.

>>> Cânhamo industrial oferece oportunidades de exportação na Costa Rica

Recuperando a glória do cânhamo

Enquanto o primeiro objetivo do consórcio era construir uma cadeia de suprimentos para construção verde, Crocetta disse que estruturas organizacionais semelhantes para produtos à base de cânhamo, como bioplásticos, papel e têxteis podem seguir. Ele prevê mais dois centros de processamento no futuro, um na Campania e outro no centro da Itália.

Fonte: Hemp Today

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese