Empresa australiana estuda o impacto dos canabinoides raros no autismo

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
De acordo com o comunicado, o estudo marca a primeira vez que o extrato de cannabis de espectro total contendo menos de 0,3% de THC será avaliado em crianças com TEA (Foto: Catarina Sousa/Pexels)

Curadoria e edição de Sechat Conteúdo, com informações de The GrowthOp

Uma empresa australiana com licença exclusiva para variedades raras de cannabis está testando suas plantas. A Neurotech International (NTI) iniciou um estudo para avaliar a segurança e tolerabilidade de seus produtos para tratar os sintomas associados ao autismo em crianças.

Em um comunicado, a empresa relatou que está atualmente trabalhando em um estudo clínico aberto de Fase I e II em 20 crianças de cinco a 17 anos com Transtorno do Espectro do Autismo (ASD).

>>> Siga o Sechat no INSTAGRAM

De acordo com o comunicado, o estudo marca a primeira vez que o extrato de cannabis de espectro total contendo menos de 0,3% de THC será avaliado em crianças com TEA.

O professor Michael Fahey, chefe da neurologia pediátrica do Monash Children’s Hospital, está supervisionando os testes. Eles irão medir, sobretudo, o impacto que a cannabis tem em aspectos como concentração, agitação, irritabilidade e qualidade de vida geral, ao longo de 16 semanas.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Cepas específicas são capazes de promover os benefícios às crianças autistas

“A cannabis medicinal tem o potencial de fornecer esse tratamento, mas apenas as cepas NTI/Dolce derivadas naturalmente oferecem CBDs de espectro total com pouco ou nenhum THC, uma consideração importante no tratamento de crianças”, afirmou Brian Leedman, presidente da Neurotech.

Sobretudo, as cepas de NTI contêm canabinoides raros, como CBDP e CBDB, além de grandes quantidades de CBD. “Esta é uma abordagem nova e excitante para o tratamento de TEA, para a qual existe a necessidade de terapias seguras e eficazes sem efeitos colaterais que possam melhorar a qualidade de vida do paciente”, conforme disse Leedman.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Além do professor Fahey, psicólogos clínicos comportamentais e autistas mais velhos também estarão monitorando os resultados.

De acordo com Catalyst Hunter, o NTI também está estudando como seus cultivares impactam um transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e epilepsia.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Confira outros conteúdos sobre a cannabis para o autismo publicados pelo Sechat:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese