Extrato da própria maconha pode tratar quem possui vício na planta

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Pinterest / Toronto Focused Cannabis News)

O site New Scientist divulgou que há uma possível opção de tratamento ara as pessoas que são viciadas em maconha, que pode ser tomar pílulas contendo um extrato de maconha.

O primeiro teste da idéia descobriu que as pessoas que tomam cápsulas desse extrato (conhecidas como canabidiol ou CBD), quase reduziram pela metade a quantidade de cannabis que fumavam, de acordo com os resultados apresentados no New Scientist Live.

A maconha é geralmente vista como uma droga leve, mas alguns usuários (cerca de 1 em cada 10 por estimativa) se tornam viciados, recebendo sintomas de abstinência, como ansiedade e insônia, quando tentam parar.

O número de pessoas que procuram tratamento porque não conseguem parar de fumar maconha tem aumentado na última década, associado ao uso da forma mais potente conhecida como skunk, disse Val Curran, da University College London no evento.

As duas principais substâncias psicoativas da maconha são CBD e THC, o composto responsável pela alta. Enquanto o THC tende a aumentar a ansiedade, o CBD deixa as pessoas mais calmas. 

“O CBD se livra dos efeitos tóxicos do THC”, disse Curran.

Sua equipe está realizando um teste, no qual as pessoas realizam um curso de quatro semanas de CBD para aliviar os sintomas de abstinência e ajudá-los a parar de fumar maconha. Envolveu 82 pessoas classificadas como severamente viciadas, que receberam uma das três doses diferentes de CBD ou cápsulas de placebo, além de apoio psicológico.

A dose mais baixa não funcionou. A dose média de 400 miligramas funcionou melhor, disse Curran. Após seis meses, reduziu pela metade a quantidade de cannabis usada em comparação com o placebo, como mostra os testes de THC na urina. E a dose mais alta de 800 miligramas foi ligeiramente menos eficaz que a do meio.

A dose de 400 miligramas também mais que dobrou o número de dias em que as pessoas não tinham THC na urina:

“Isso é realmente notável”, disse Curran.

Os suplementos de CBD são cada vez mais vendidos em farmácias e lojas de alimentos naturais como remédio para uma série de doenças, mas em doses muito mais baixas do que as usadas no estudo. E a maioria das alegações de saúde não se baseia em evidências .

Fonte: New Scientist

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese