Mulheres recorrem a cannabis para tratar sintomas de endometriose

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Pinterest/ Utilidades)

Uma em cada oito mulheres australianas com endometriose usa cannabis para aliviar as dores e outros sintomas da doença, de acordo com estudo publicado nesta terça-feira (12/11/2019), no Jornal de Ginecologia Obstétrica do Canadá. Os especialistas do Instituto de Pesquisa em Saúde da Universidade de Western Sydney reuniram 484 mulheres australianas, entre 18 e 45 anos, que têm endometriose, para determinar quais estratégias elas utilizavam para gerenciar os sintomas.

“Pesquisas anteriores demonstraram que certos compostos da cannabis conhecidos como canabinoides exercem atividade analgésica e anti-inflamatória. Nossa pesquisa procurou determinar a prevalência, tolerabilidade e eficácia auto-relatada da cannabis em mulheres com endometriose”, explicou a pesquisadora Justin Sinclair, o principal autor do estudo.

Mais de três quartos do total de mulheres recorrem ao cannabis, além de incluírem técnicas de respiração, ioga e mudanças na dieta. A maconha medicinal foi classificada como o tratamento mais eficaz para elas.

Além de terem menos dor, as pacientes sentiram que a maconha reduzia, de forma significativa, os sintomas de náusea e vômito, problemas gastrointestinais, além de melhorar a qualidade do sono e reduzir os sintomas de depressão e ansiedade. Os efeitos colaterais relatados foram leves e relativamente raros.

As mulheres que usaram cannabis também diminuíram em cerca de 50% a quantidade de medicação que normalmente tomavam para os sintomas da endometriose. Segundo Justin Sinclair, mesmo que os resultados sejam promissores, o uso de cannabis não é isento de riscos. “Uma em cada dez mulheres no estudo que usaram cannabis relatou um efeito indesejável, como sonolência, batimentos cardíacos acelerados ou aumento da ansiedade”, disse.

De acordo com o pesquisador-chefe do estudo, Mike Amour , do Instituto de Pesquisa em Saúde do NICM , a lei australiana atualmente exige que o uso legal de cannabis medicinal siga caminhos específicos e regulamentados que limitam a prescrição por esse método. No entanto, o uso ilícito auto-relatado permanece relativamente comum em mulheres australianas com endometriose.

“Isso significa que não temos informações sobre as diferentes variedades de maconha que as mulheres estavam usando ou as substâncias que poderiam estar associadas a elas, uma vez que foram adquiridas de fontes ilícitas, que não têm garantia de qualidade”.

Condição crônica
A endometriose é uma condição crônica em que o tecido semelhante ao revestimento do útero é encontrado fora do órgão. Isso geralmente causa dor e fadiga pélvica. As mulheres relatam impacto negativo significativo em vários aspectos da vida, incluindo o trabalho, amizades e relações sexuais. relacionamentos.

Na Austrália, cerca de uma em cada nove mulheres nascidas entre 1973 e 1978 foi diagnosticada com endometriose entre os 40 e os 44 anos. A condição pode custar até US $ 9,7 bilhões na Austrália por ano, principalmente devido a perdas de produtividade.

Além da cirurgia, os tratamentos atuais para endometriose incluem o uso de contraceptivos orais ou progestágenos e anti-inflamatórios não esteroides, que nem sempre oferecem controle adequado da dor ou têm efeitos colaterais difíceis de tolerar em algumas mulheres.


Fonte: Metropoles

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese