Legalização da cannabis aumenta psicose em adolescentes?

Entenda a complexa relação entre uso adulto legalizado da planta nos EUA e prevalência do distúrbio em jovens

Publicada em 07/02/2024

capa
Compartilhe:

A discussão sobre a legalização do uso adulto da cannabis nos Estados Unidos trouxe à tona muitos debates, incluindo a suposta ligação entre o consumo da substância e o aumento dos níveis de psicose entre os adolescentes. No entanto, uma análise mais aprofundada dos dados revela um cenário mais complexo do que o retratado por alguns relatos alarmantes. 

Um artigo do Wall Street Journal de 10 de janeiro destaca preocupações sobre uma suposta "onda de psicose induzida pela cannabis" entre os adolescentes. Pesquisas sugerem uma correlação entre o uso de cannabis e condições psicóticas como esquizofrenia e transtorno bipolar. No entanto, a interpretação desses dados merece cautela. 

Estudos populacionais abrangentes, envolvendo mais de 63 milhões de pessoas, contradizem a ideia de que a legalização da cannabis aumenta os casos de psicose. Surpreendentemente, as taxas de uso de maconha entre adolescentes estão realmente diminuindo. Além disso, a evidência científica mais robusta aponta para fatores genéticos como principais responsáveis pela correlação entre cannabis e psicose, em vez do próprio consumo da substância. 

2150859269.jpg

A pesquisa sobre a relação entre cannabis e psicose é complicada. Por exemplo, embora haja uma correlação entre o uso agudo de cannabis e experiências semelhantes à psicose, isso não necessariamente prova uma relação de causalidade. A interpretação dos dados pode ser confusa, especialmente quando se considera a automedicação como um fator subjacente ao consumo de cannabis por pessoas com condições psicóticas preexistentes. 

É crucial reconhecer que a cannabis não é o único fator associado à psicose. Álcool e tabaco, por exemplo, também mostram correlações similares com o aumento do risco de desenvolvimento de condições psicóticas. No entanto, a discussão sobre a proibição dessas substâncias não é tão amplamente debatida como no caso da cannabis. 

Contrariamente ao que se poderia esperar, a legalização da cannabis não está correlacionada com um aumento do consumo entre adolescentes. Pelo contrário, a regulamentação tende a restringir o acesso dos jovens à substância, uma vez que os dispensários legais impõem verificações de identidade. Isso sugere que a legalização pode, na verdade, ajudar a mitigar os riscos associados ao uso de cannabis por adolescentes. 

Portanto, enquanto persistem preocupações legítimas sobre os efeitos do consumo de cannabis, especialmente entre os jovens, é essencial basear as políticas públicas em evidências sólidas e compreender a complexidade das relações entre o uso de substâncias e problemas de saúde mental. 

comportamento