O CBD poderia ser eficaz no tratamento de doenças virais?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Traduzido do site Canex

Os principais componentes da planta de Cannabis são conhecidos como canabinoides. Verificou-se que esses compostos interagem com os receptores de nosso corpo, que são responsáveis ​​por um grande número de funções corporais e respostas imunes. Esse sistema é conhecido como Sistema Endocanabinoide, e os dois canabinoides mais prevalentes encontrados na planta de Cannabis são CBD (canabidiol) e THC.

O CBD demonstrou ter alguns benefícios para os pacientes em várias condições, incluindo epilepsia e dor. Além disso, a atenção em torno do potencial terapêutico do composto também tem aumentado, no entanto, as evidências nessa área permanecem bastante limitadas. O efeito do CBD nas infecções virais é uma dessas áreas que requer pesquisas adicionais para serem melhor compreendidas.

Uma recente revisão sistêmica publicada por cientistas do Reino Unido e da Itália avaliou as evidências atualmente disponíveis. As evidências sobre o CBD em doenças virais foram consideradas e comparadas com as alegações feitas na Internet.

Qual é a evidência atual?

Os estudos foram avaliados quanto à relevância com base na inclusão dos termos de pesquisa ‘CBD’ e ‘viral’ ou ‘vírus’. Tendo avaliado estudos relevantes, os pesquisadores excluíram revisões, duplicatas e estudos de análogos sintéticos, extratos enriquecidos ou metabolitos do CBD. Três estudos foram identificados como relevantes para revisão.

CBD e vírus da hepatite C

Um estudo avaliou os efeitos do CBD nos vírus da hepatite C (HCV) e da hepatite B (HBV). O vírus foi avaliado em uma cultura, durante vários dias. Foi descoberto que o CBD foi capaz de inibir a replicação das células do HCV em até 86,4%. Esses resultados foram comparáveis ​​aos do interferon alfa (IFN-α) – um medicamento terapêutico atualmente usado como tratamento para infecções por hepatites.

Além disso, o CBD também foi menos citotóxico (tóxico para as células) do que o interferon alfa. No entanto, quando comparado ao sofosbuvir, um medicamento para tratamento da hepatite C, o CBD mostrou-se menos eficaz e mais citotóxico. O CBD também não apresentou efeito significativo na progressão do vírus da hepatite B (HBV).

Herpesvírus associado ao Sarcoma de CBD e Kaposi

Outro estudo avaliou o efeito do CBD no herpesvírus associado ao sarcoma de Kaposi (KSHV). Os pesquisadores usaram células endoteliais microvasculares dérmicas humanas (HMVECs) para avaliar a progressão do KHSV após o tratamento com CBD. O estudo mostrou que o CBD teve alguns efeitos antivirais indiretos no KSHV.

Embora o CBD não tenha afetado a eficiência com a qual o KSHV infectou as células, ele pareceu reduzir a disseminação das células infectadas pelo KSHV. O CBD também restringiu o desenvolvimento de cânceres associados ao KHSV em células normais.

CBD e vírus da encefalomielite murina de Theiler

O estudo final avaliado pelos pesquisadores analisou o CBD nos efeitos da neuroinflamação induzida pelo vírus da encefalomielite murina de Theiler (TMEV) em camundongos. Foi descoberto que a exposição prolongada ao CBD foi capaz de diminuir a infiltração de glóbulos brancos e a ativação da microglia no cérebro de camundongos infectados com TMEV.

Como resultado, o CBD foi capaz de melhorar os sintomas motores e a neuroinflamação na fase crônica da infecção pelo TMEV. Embora este estudo tenha demonstrado que o CBD tem o potencial de limitar o impacto da fase crônica da doença, restaurar a função motora e reverter a neuroinflamação, ele não forneceu nenhuma evidência experimental do efeito antiviral direto ou indireto do CBD.

Revisão da Internet

Os pesquisadores também procuraram evidências anedóticas de pacientes na internet. Após uma análise de sites potencialmente relevantes, 25 fontes foram consideradas aplicáveis ​​a esta pesquisa. Dentro dessas fontes, o CBD foi descrito como benéfico em infecções virais, como herpes oral e genital, vírus respiratórios comuns, herpes zoster, hepatite C, HIV / AIDS, Ebola e febre glandular.

A maioria dessas referências foi encontrada em sites comerciais, plataformas educacionais e mídia on-line. Embora um grande número de alegações tenha sido feito sobre os benefícios do CBD para infecções virais, poucas dessas fontes foram apoiadas por pesquisas científicas apropriadas.

Conclusões dos Pesquisadores

Os pesquisadores concluíram que o CBD poderia ser considerado um novo candidato direcionado ao tratamento da hepatite C e do sarcoma de Kaposi. Além disso, esta revisão apoia o uso do CBD como tratamento anti-inflamatório para os efeitos deletérios da neuroinflamação em camundongos infectados com TMEV.

Embora evidências anedóticas possam sugerir o potencial do CBD para beneficiar algumas outras doenças virais, faltam evidências aceitáveis. Os pesquisadores concluem que muitas dessas alegações eram interpretações tendenciosas das evidências atuais e até manipulação desonesta dos varejistas comerciais.

Para concluir, os autores da revisão enfatizam que os achados atuais e as evidências anedóticas devem ser usadas para progredir na pesquisa de suas aplicações em doenças virais e não é um tratamento apropriado com base nas evidências limitadas atualmente disponíveis.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese