Os efeitos colaterais da cannabis nas interações medicamentosas

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Dado o fato de que o THC e o CBD afetam o corpo de maneira única, os pacientes devem ter muito cuidado ao combinar a maconha com outros medicamentos (Foto: Harrison Haines/Pexels)

Existem mais de 140 tipos diferentes de canabinoides por aí, e, dos poucos já estudados, foi descoberta uma infinidade de benefícios à saúde e possibilidades de tratamento. Seja ajudando pacientes com câncer, reduzindo a inflamação, entre outros, o potencial terapêutico desta planta oferece a muitos pacientes a chance de uma vida melhor e livre de dor.

Apesar de seus muitos benefícios médicos, os pacientes devem agir com cautela, pois a cannabis tem efeitos colaterais e também pode interagir com outras drogas. Embora pesquisas mais conclusivas sejam necessárias antes que se possa determinar a extensão total das interações medicamentosas da planta, os pesquisadores já identificaram algumas delas.

>>> O que os compostos de CBD podem fazer por sua saúde

Essas descobertas são apresentadas a seguir para ajudá-lo a fazer melhores escolhas em relação às suas opções de saúde, mas você deve sempre consultar um médico antes de iniciar o tratamento. Pacientes idosos e pessoas com doenças crônicas, como problemas renais, cardíacos e hepáticos, devem ter muito cuidado.

Reações adversas comuns à cannabis

Grande parte da pesquisa atual a respeito das reações adversas negativas da maconha medicinal é inconclusiva. Um artigo de pesquisa de 2016 resumiu os efeitos adversos conhecidos da cannabis de forma organizada:

Uso de curto prazo

  • Memória de curto prazo prejudicada, tornando difícil aprender e reter informações
  • Coordenação motora prejudicada, interferindo nas habilidades de direção e aumentando o risco de lesões
  • Julgamento alterado
  • Em altas doses, paranóia e psicose

>>> Como o CBD afeta o sistema imunológico e as doenças autoimunes?

Uso de longo prazo

  • Dependência potencial: menos de 10% dos usuários atendem aos critérios do DSM
  • Desenvolvimento cerebral alterado
  • Comprometimento cognitivo, com menor QI entre aqueles que eram usuários frequentes durante a adolescência
  • Sintomas de bronquite crônica
  • Aumento do risco de transtornos de psicose crônica em pessoas com predisposição a tais transtornos
  • Efeitos adversos do THC
  • THC: paranoia e psicose

Um dos efeitos colaterais mais sérios a serem observados com o THC é sua ligação potencial com a psicose. A pesquisa observa que a ligação com a psicose é especialmente potente entre pessoas com uma “vulnerabilidade genética preexistente e agrava o curso da doença em pacientes com esquizofrenia.” O THC também pode aumentar a sensação de paranoia e reduzir a capacidade de memória. Pacientes com histórico de psicose são fortemente contra indicados a tomar qualquer substância potencialmente psicotrópica.

>>> O CBD pode tratar a ansiedade que a pandemia trouxe ao seu animal de estimação?

Função cognitiva e desenvolvimento cerebral

Os pesquisadores notaram que o uso de cannabis na adolescência (antes dos 21 anos) pode resultar em conectividade neural prejudicada (menos fibras) em várias regiões do cérebro. Estudos de imagem realizados em usuários também revelam diminuição do volume no hipocampo, região do cérebro responsável pela formação de novas memórias, bem como diminuição da atividade nas regiões pré-frontais. Essa diminuição da atividade frontal pode afetar negativamente as áreas relacionadas às funções executivas, incluindo a memória e a capacidade de processar hábitos e rotinas.

Dependência

Os pesquisadores estimam que menos de 10% dos usuários de cannabis atendem aos critérios de dependência de acordo com o DSM (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais). Esse número aumenta para cerca de 1 em 6 entre aqueles que começam a usar maconha na adolescência e para 25% a 50% entre aqueles que fumam maconha diariamente.

>>> Canabidiol pode auxiliar no combate à ansiedade?

Síndrome de hiperêmese canabinoide

Um efeito colateral raro do uso crônico é a síndrome de hiperêmese canabinoide (CHS), uma condição que causa, repetidamente, vômitos.

Um estudo recente observou que o receptor potencial transitório do subtipo 1 do vanilóide (TRPV1) – um receptor envolvido na motilidade gástrica – “está centralmente envolvido na patogênese da CHS.” Os pesquisadores postulam que o uso crônico de cannabis diminui a sinalização do TRPV1, resultando nos referidos problemas de motilidade gástrica.

Muitos pacientes de CHS relatam o alívio dos sintomas por meio de banhos quentes freqüentes ou do uso de produtos tópicos de capsaicina.

Efeitos colaterais típicos

Os efeitos colaterais mais comumente relatados associados ao uso de cannabis incluem olhos vermelhos, boca seca, paranóia, mudanças no apetite ou nos níveis de energia, pensamento distorcido e perda de habilidades motoras.

Efeitos adversos do CBD

O CBD é geralmente bem tolerado em doses de até 1.500 mg. Os efeitos colaterais mais comumente relatados associados ao uso de CBD incluem alterações no peso ou apetite, náuseas, fadiga e diarreia.

>>> Estudo explica a relação entre canabidiol, esquizofrenia e outras psicoses

THC – Interações Medicamentosas

Enzimas do citocromo P450

As interações medicamentosas mais significativas envolvendo a cannabis são aquelas pertencentes à família de enzimas P450 (CYP), que são responsáveis ​​pelo metabolismo da maioria dos medicamentos. Quando inalado, o THC acelera a atividade da enzima CYP, resultando em uma quebra acelerada das drogas. Essa repartição resulta em níveis gerais mais baixos da droga dentro do corpo.

Os medicamentos suscetíveis a essas interações incluem medicamentos como “clozapina, duloxetina, naproxeno, ciclobenzaprina, olanzapina, haloperidol e clorpromazina”.

Remédios para o câncer e transportadores de membrana

O câncer é amplamente definido por superexpressão, um fenômeno no qual a célula produz muitas cópias de uma proteína ou outro composto. A superexpressão do composto P-glicoproteína (P-gp) causa multirresistência a drogas (MDR), um fenômeno no qual as células se tornam resistentes a medicamentos contra o câncer. Essa superexpressão de P-gp resulta em menos medicamentos quimioterápicas sendo absorvidas pelo corpo, incluindo taxanos (paclitaxel), alcalóides de vinca (vinblastina) e antraciclinas (daunorrubicina). A pesquisa mostrou que a exposição prolongada ao THC e CBD diminui a superexpressão de P-gp.

>>> Canabidiol para ansiedade: por que tem tanta gente experimentando?

Isso sugere que os canabinoides derivados de plantas são moderadamente eficazes na reversão da resistência a múltiplas drogas e podem ajudar o corpo a reter melhor as drogas quimioterápicas.

Mais estudos clínicos são necessários para explorar completamente as interações entre os canabinóides e os medicamentos contra o câncer.

Álcool

Surpresa: o álcool pode exacerbar os efeitos da cannabis. Os pesquisadores descobriram que baixas doses de álcool – concentração máxima de álcool no ar de aproximadamente 0,065% – aumentaram significativamente os níveis sanguíneos de THC. Este aumento no THC pode causar prejuízos na cognição e no julgamento, bem como outros efeitos colaterais, como tontura e sonolência, portanto, aja com cuidado ao combinar os dois.

SSRIs

Não se sabe muito sobre as potenciais interações medicamentosas com os SSRIs (inibidores seletivos da recaptação da serotonina), uma classe de medicamentos comumente usados ​​como antidepressivos. O Departamento de Saúde dos Estados Unidos emitiu um aviso especial em uma apresentação sobre as interações com o Prozac, declarando: “Usar maconha com fluoxetina (Prozac) pode fazer com que você se sinta irritado, nervoso, agitado e excitado. Os médicos chamam isso de hipomania.”

>>> Em vez de reduzir danos, maconha pode piorar vício em cocaína e crack, diz estudo da USP

Como tão pouca informação está disponível atualmente, os pacientes com SSRI interessados ​​em cannabis medicinal devem consultar seu médico antes de usar.

Antidepressivos tricíclicos

Outra classe de medicamentos a serem observados são os antidepressivos tricíclicos (TCAs). O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido observou que “Cannabis medicinal ou maconha podem interagir com antidepressivos tricíclicos (TCAs), como amitriptilina, imipramina e dothiepin.” O raciocínio por trás disso é que a combinação dos dois pode resultar em pressão alta (hipertensão) ou batimento cardíaco acelerado (taquicardia). ” Outros efeitos colaterais potenciais podem incluir alterações de humor, inquietação, confusão e alucinações.

Opiáceos

Um dos aspectos mais promissores da Cannabis medicinal é seu potencial terapêutico para o tratamento da dependência de opiáceos. Estudos revelam que os pacientes que têm acesso à maconha medicinal diminuem o uso de opioides entre 40% e 60%.

Curiosamente, foi demonstrado que a maconha vaporizada aumenta os aspectos analgésicos dos opioides sem afetar os níveis plasmáticos de opioides.

Depressores CNS

Os depressores do CNS são uma classe de drogas que reduzem a estimulação ao reduzir os níveis de neurotransmissão no sistema nervoso central. O resultado é uma diminuição da atividade cerebral que promove o relaxamento muscular e uma sensação de calma. Esses medicamentos incluem clonazepam (Klonopin), lorazepam (Ativan) e zolpidem (Ambien), entre outros.

>>> ‘Anvisa’ dos EUA publica 26 perguntas e respostas sobre a Cannabis e CBD para saúde e alimentação

O Departamento de Saúde dos Estados Unidos observou que a cannabis aumenta os efeitos depressores do CNS quando combinada com álcool, barbitúricos ou benzodiazepínicos. O consumo de maconha medicinal pode amplificar o efeito sonolento desses medicamentos.

Bloqueadores do canal de cálcio

O uso de cannabis pode afetar certos medicamentos bloqueadores dos canais de cálcio, como o Diltiazem, bloqueador dos canais e anti-hipertensivo. Os fabricantes do Diltiazem afirmam que é preciso ter cautela ao combinar os dois, pois o Diltiazem pode amplificar os efeitos do THC.

Diluidores de sangue

Os pacientes que usam anticoagulantes como o Warfarin (também conhecido como Coumadin) devem evitar o uso de cannabis. O Departamento de Saúde dos Estados Unidos alerta que “fumar maconha enquanto toma warfarina (Coumadin) pode aumentar as chances de hematomas e sangramento.”

Teofilina

A teofilina é um broncodilatador (um medicamento que ajuda a aumentar o fluxo de ar para os pulmões). Um estudo de 2014 observou que a cannabis pode diminuir os níveis de teofilina quando fumada.

Interações medicamentosas CBD

Enzimas do citocromo P450

O CBD inibe muitas das enzimas CYP responsáveis ​​pela degradação dos medicamentos. Como resultado, o uso concomitante de CBD com medicamentos selecionadas pode resultar em níveis intensificados dessas drogas no corpo. Os medicamentos potenciais incluem “SSRIs, antidepressivos tricíclicos, antipsicóticos, beta-bloqueadores e opioides (incluindo codeína e oxicodona).” O CBD também pode aumentar as concentrações de: “macrolídeos, bloqueadores dos canais de cálcio, benzodiazepínicos, ciclosporina, sildenafil (e outros inibidores de PDE5), anti-histamínicos, haloperidol, antirretrovirais e algumas estatinas (atorvastatina e sinvastatina, mas não pravastatina ou rosuvastatina).”

>>> As diferenças entre os canabinoides CBD e CBN

Alguns medicamentos podem inibir a enzima que metaboliza o CBD, resultando no acúmulo de canabidiol no corpo. Alguns desses medicamentos incluem cetoconazol, itraconazol, ritonavir e claritromicina. Outros medicamentos agem de maneira oposta, acelerando o metabolismo do CBD pela enzima e resultando em redução da biodisponibilidade do CBD. Algumas dessas drogas incluem fenobarbital, rifampicina, carbamazepina e fenitoína.

As interações medicamentosas do CBD podem variar. Dependem se o medicamento aumenta ou diminui a atividade das enzimas CYP.

Medicamentos contra o câncer e transportadores de membrana

Embora saibamos que o CBD pode potencialmente ajudar a mediar o MDR no câncer, a extensão total das interações medicamentosas do CBD não é totalmente conhecida. No entanto, a pesquisa indica que algumas formas de CBD podem ter potenciais interações medicamentosas com enzimas selecionadas responsáveis ​​pelo transporte do medicamento. Como tal, a coadministração de CBD com os seguintes medicamentos não é recomendada.

SSRIs, antidepressivos tricíclicos (TCAs) e benzodiazepínicos

O CBD é um inibidor potente do CYP2D6. Como essa droga é responsável pelo metabolismo de diferentes tipos de antidepressivos, o CBD pode aumentar as concentrações séricas de SSRIs, antidepressivos tricíclicos e benzodiazepínicos.

Anticonvulsivantes

O CBD é frequentemente usado para ajudar a tratar convulsões e pacientes epilépticos. No entanto, pode alterar o número de outros anticonvulsivantes se tomados concomitantemente. O uso do CBD em conjunto com Clobazam, um sedativo usado para tratar convulsões, resulta em um nível maior de Clobazam em crianças com epilepsia devido à inibição potente da enzima CYP2C19⁵.

>>> Conheça o CBG, o canabinoide que tem se mostrado um ótimo antibiótico

O uso de CBD pode resultar em “níveis séricos significativamente alterados de topiramato, rufinamida, clobazam, eslicarbazepina e zonisamida em pacientes com epilepsia resistentes ao tratamento.”

Os pesquisadores também observaram que resultados de testes de função hepática anormais foram encontrados em participantes que tomaram o anticonvulsivante Valproato em conjunto com o CBD. Cuidado extremo deve ser tomado ao combinar CBD com anticonvulsivantes ou outras drogas epilépticas. Pesquisadores aconselham o monitoramento obrigatório dos níveis de drogas para observar as funções hepáticas dos pacientes.

Diluidores de sangue

Os pacientes que usam anticoagulantes como o Warfarin (também conhecido como Coumadin) devem ter cuidado ao usar cannabis. Pesquisadores da Harvard Medical School alertam que o CBD pode aumentar os níveis de anticoagulantes como a varfarina (Coumadin), graças à inibição do citocromo P450. Isso pode ser prejudicial, pois a varfarina dilui o sangue e os níveis excessivos podem colocar os pacientes em maior risco de sangramento.

Conclusão

A cannabis tem uma ampla gama de benefícios terapêuticos. No entanto, seu uso concomitante com outras drogas pode resultar em uma variedade de interações medicamentosas. Dado o fato de que o THC e o CBD afetam o corpo de maneira única, os pacientes devem ter muito cuidado ao combinar a maconha com outros medicamentos. Consulte seu médico antes de iniciar o uso da maconha medicinal. Na maioria das vezes, nenhuma mudança ou alteração na dose dos medicamentos é garantida.

>>> Um quarto dos pacientes com câncer que receberam cápsulas de THC/CBD não apresentaram náuseas ou vômitos

Em termos de segurança, os grupos que são especialmente vulneráveis ​​aos efeitos da cannabis incluem pacientes idosos, pessoas que sofrem de doenças autoimunes ou hepáticas e pacientes com tendência à psicose (especialmente adolescentes). A sugestão é consultar o seu médico se tiver alguma dúvida sobre como a maconha pode afetá-lo.

Fonte: Bezinga 

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese