Vício, educação e o futuro da política de Cannabis nos EUA

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Especialista em Cannabis, Grinspoon explora a educação e as políticas no tratamento de dependências nos Estados Unidos (Foto: Divulgação/Harvard Health)

O doutor Peter Grinspoon é médico de cuidados primários, instrutor na Harvard Medical School e editor colaborador da Harvard Health Publications. Na qualidade de autoridade especialista em dependência e Cannabis medicinal, ele atuou como perito, conselheiro médico e científico e consultor; ele atualmente é membro do conselho da organização internacional sem fins lucrativos, Doctors for Cannabis Regulation.

>>> Quase metade da população do Reino Unido não sabe que a Cannabis medicinal é legal

Nesse conteúdo ele sobre a crise dos opioides, a necessidade de uma educação mais ampla sobre a Cannabis medicinal e o potencial da eleição presidencial norte-americana de novembro para transformar a política em torno da planta.

A distribuição mais ampla de Cannabis medicinal no tratamento de doenças crônicas e dor poderia ajudar a aliviar a crise de opioides?

A Cannabis medicinal está ajudando a aliviar a atual crise de opiáceos de várias maneiras: em primeiro lugar, é uma alternativa viável aos opiáceos para o tratamento da dor crônica. A Cannabis medicinal evidentemente não é tão eficaz quanto os opiáceos para a dor aguda, por exemplo, após uma cirurgia ou para um osso quebrado, mas, certamente, é benéfica para a dor crônica. 

Na América, por exemplo, milhões de pessoas estão experimentando dores crônicas à medida que desenvolvem taxas mais altas de artrite do joelho e dor nas costas. Já os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) são perigosos: podem causar lesões nos rins e no coração e úlceras. Paracetamol realmente não ajuda muito e os opiáceos são prejudiciais por uma série de razões: diminuição da qualidade de vida, overdose, risco de dependência. A Cannabis é a alternativa mais segura para a dor crônica.

>>> O que pensa o futuro ministro do STF sobre a Cannabis medicinal

Estudos após estudos descobriram que em regiões onde a Cannabis foi legalizada, seja para uso médico ou adulto, as prescrições de opiáceos diminuíram. Eu, pessoalmente, tive inúmeros pacientes que mudaram de opiáceos para cannabis medicinal para o controle da dor. O tratamento à base de Cannabis ajuda as pessoas que usam opiáceos para dores crônicas e que querem parar; e é uma ótima opção para novos pacientes que apresentam estas dores. Frequentemente oferecemos Cannabis para novos pacientes com dor crônica em vez de opiáceos, porque o tratamento à base de opiáceos resulta em um estilo de vida muito triste – você precisa fazer um teste de drogas e precisa assinar diversos contratos de opiáceos – é um estilo de vida muito melhor consumir Cannabis do que fazer terapia com opióides crônicos.

Além disso, para pacientes que já são viciados em opiáceos, a Cannabis pode realmente ajudá-los com os sintomas de abstinência. Há algumas evidências de que o uso de Cannabis medicinal pode ajudar a manter as pessoas em tratamento para o transtorno do uso de opiáceos; ela teve resultados semelhantes à buprenorfina e alguns estudos indicaram maior retenção no tratamento com cannabis do que com buprenorfina. A Cannabis pode ser muito útil como substituto dos opiáceos no tratamento da dor crônica e como adjuvante no tratamento da dependência deste medicamento.

>>> Câmara dos EUA deve votar pela remoção da maconha da lista de substâncias controladas

Foi comprovado que a metadona e a buprenorfina reduzem as overdoses e mortes, ao passo que a Cannabis ainda não foi estudada especificamente em relação a isso. Existem muitos relatos de casos ainda sem estudos – centenas de pessoas me dizem que usaram cannabis para se livrar da heroína e dos opiáceos prescritos – mas eu não a recomendo para esse propósito específico, apenas porque as evidências até agora são mais fortes para metadona e buprenorfina .

Os programas de tratamento da dependência levam em consideração os benefícios da Cannabis?

Absolutamente não. Os provedores de tratamento da dependência neste país foram completamente doutrinados contra a Cannabis, em parte porque ganham muito dinheiro tratando pessoas com “transtorno por uso de Cannabis” e, em parte porque, de certa forma, fizeram nelas uma lavagem cerebral. Eles são algumas das últimas pessoas a adotar uma mente aberta em relação à cannabis. Muitos pacientes são a favor disso, então, até certo ponto, alguns provedores de tratamento contra a dependência estão realmente perdendo credibilidade com os pacientes, porque estão retirando os pacientes dos programas de opiáceos se os testes dos pacientes forem positivos para cannabis. Isso é simplesmente injusto.

>>>Se plantio de Cannabis for aprovado, preço de medicamento no mercado deve ficar 50% mais barato

O complexo industrial de reabilitação dos Estados Unidos mal começou a usar metadona (que pode ocasionar dependência semelhante à da morfina) e Suboxone (medicamento utilizado para combater a dependência de analgésicos e opiáceos, principalmente a heroína) quanto mais maconha. Há uma grande diferença entre o que funciona e o que realmente é feito neste país. Muitos médicos especializados em dependências estão a bordo com metadona e Suboxone; e eles estão começando a embarcar na Cannabis, mas ainda há um grande conflito porque a maior parte do financiamento de pesquisa neste campo sempre foi para pessoas que estudam os malefícios da Cannabis – o governo dos EUA realmente desencorajou quaisquer estudos sobre seus benefícios. Nos últimos 80 anos ou mais, apenas os pesquisadores que estiveram interessados ​​em seguir agendas anti-cannabis receberam financiamento; e tem havido muita cumplicidade entre o setor de tratamento da dependência e o governo dos Estados Unidos contra a Cannabis. Estamos apenas começando a emergir da Idade das Trevas, em termos de Cannabis, no campo da psiquiatria do vício.

Como os médicos devem se educar mais para melhor apoiar os pacientes que podem se beneficiar da Cannabis medicinal?

Os médicos precisam pensar por si próprios. Eles precisam perceber que a maior parte do que aprenderam sobre a cannabis foi propaganda, e eles precisam encontrar fontes independentes de educação e jogar fora tudo o que aprenderam sobre o assunto na faculdade de medicina. Então, como meu pai – que também era um estudioso da Cannabis – disse, os médicos precisam fazer algo realmente radical, que é ouvir seus pacientes. Nos Estados Unidos, 94% das pessoas são a favor da Cannabis medicinal: por que seria esse o caso se ela não funciona? Os médicos precisam apenas dizer “entendemos errado. Fomos enganados.” Eles precisam começar do zero, com humildade e mente aberta, e educar-se sobre as novas evidências que surgem sobre como a maconha realmente ajuda as pessoas.

>>> Conheça na íntegra o projeto de legalização da Cannabis medicinal e industrial no Brasil

A Cannabis é eficaz para uma série de doenças e condições que não tratamos atualmente, como fibromialgia, náusea induzida por câncer e PTSD. Um fator importante em nossa falha em tratar essas condições pode ser o fato de termos ignorado o sistema endocanabinoide – ele é ensinado apenas em cerca de 10% a 16% das escolas de medicina nos Estados Unidos. Como podemos ignorar esse enorme sistema de neurotransmissores? É uma ressaca da guerra contra as drogas; e o sistema de educação médica dos Estados Unidos tem sido tão negligente em adotar isso em seu currículo – e se os médicos não sabem nada sobre o sistema endocanabinoide, como eles deveriam entender como a cannabis medicinal funciona?

É possível que a falha em tratar essas condições complexas possa se tornar um ciclo vicioso, em que os médicos acreditam não serem capazes de realizar o tratamento e, então, não procuram ativamente novos métodos de tratamento?

De outra forma, vejo que eles ficam desanimados e meio que desistem; e então, quando os pacientes chegam e dizem que experimentaram Cannabis medicinal e ela funciona, os médicos tendem a descartar esses pacientes como se estivessem usando remédios populares – eles não estão curiosos – quando na verdade o paciente muito provavelmente encontrou algo que realmente funciona. Isso não quer dizer que não precisamos de muito mais estudo: precisamos padronizar, regular e entender a maconha.

>>> Decisão na Argentina deixa de considerar a Cannabis um narcótico

É muito difícil para os médicos que não haja uma dose padrão de cannabis. Quando prescrevo um medicamento para pressão arterial para pacientes, eles podem tomar 10 mg de lisinopril e eu sei quais serão os efeitos colaterais. Quando prescrevo Cannabis medicinal, o paciente pode ir a um dispensário e experimentar o que quiser. Eu faço recomendações, mas não tenho controle sobre o que eles fazem – felizmente a Cannabis é uma substância não tóxica. É uma mudança de paradigma para os médicos que eles devem abraçar; e que envolve um paciente mais ativo em seu tratamento. Se houvesse mais padronização de dose e melhor educação – não apenas sobre o sistema endocanabinóide, mas na prática, sobre a melhor forma de recomendar o tratamento com cannabis – isso tornaria muito mais fácil para os médicos adotá-lo.

Como o atual sistema dos EUA, onde a Cannabis é ilegal sob a lei federal, mas total ou parcialmente descriminalizada em um número crescente de estados, complica o uso de Cannabis medicinal?

Nosso governo está totalmente louco sobre a Cannabis e tem estado desde que a tornou ilegal em 1937. Esperamos que isso mude assim que tirarmos Donald Trump do cargo, mas infelizmente, Joe Biden não parece ter afinidade com a questão da Cannabis. Ele é ético, mas não é fã da legalização – e o que precisamos é legalizá-la.

>>> Governo da Colômbia declara a indústria de Cannabis como projeto de interesse nacional

Joe Biden colocará pessoas inteligentes ao seu redor; ele será capaz de nomear bons juízes, em vez dos bárbaros medievais que Trump está nomeando; e vamos parar de colocar pessoas na prisão por uso ou posse de cannabis – mas precisamos legalizar a cannabis para que a pesquisa possa avançar, para que possamos padronizar as dosagens, para que possamos tratá-la como qualquer outro medicamento. A cannabis deve estar na esfera de médicos, cientistas e funcionários da saúde pública; nunca deveria ter estado no domínio da aplicação da lei. Criminalizar a cannabis nunca foi um problema de saúde; era tudo sobre racismo, política e interesses comerciais concorrentes. Isso foi um erro e precisa mudar.

Embora a concorrente de Biden e Kamala Harris, seja mais liberal do que ele em relação à cannabis, se ele ganhar a eleição, ele será o presidente e ela a vice-presidente – então a bola fica com ele, não com ela. Acho que teríamos uma administração muito mais simpática sob Biden. Mesmo que Joe Biden, pessoalmente, seja meio que um dinossauro na política de cannabis, pelo menos, agora, ele está dizendo que vai legalizar a Cannabis medicinal; ele vai expurgar os registros criminais de pessoas condenadas por crimes relacionados à maconha, vai deixar os estados fazerem suas próprias políticas e vai descriminalizar a maconha em nível federal.

>>> Estados americanos decidem sobre a legalização da maconha

Realmente ela precisa ser legalizada, não descriminalizada, porque se for apenas descriminalizada ainda é ilegal vendê-la; e isso afeta a pesquisa, porque você não pode transferir amostras de cannabis interestadualmente. No entanto, a descriminalização é muito melhor do que as propostas de Trump, que não quer nenhuma iniciativa estadual de cannabis porque traria eleitores democratas às urnas. É como noite e dia. Não importa quão decepcionados os eleitores estejam com Joe Biden sobre a cannabis, ele é um trilhão de vezes melhor do que Trump em relação a isso.

Dois terços dos americanos apoiam a legalização; cerca de 80% são eleitores democratas. Todos os outros candidatos presidenciais democratas, além de Biden, eram a favor da legalização; então, por que o indicado democrata não apoia a legalização? Estamos indo na direção certa, mas o problema é que muitos ativistas da maconha, compreensivelmente, estão cansados ​​de esperar. Biden está tentando chegar ao meio do país; ele não quer assustar os moderados que não querem votar em Trump, mas não se sentiria confortável votando em um candidato muito esquerdista – mas assumindo que ele ganhe, haverá muita pressão sobre Biden para legalizar a cannabis, porque quase ninguém no Partido Democrata não quer legalizá-la. Ele teria dificuldade em não legalizar a cannabis, caso seja eleito.

Fonte: Health Europa 

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese