Extrato de cannabis apresenta potencial no tratamento do melanoma

O estudo foi conduzido por pesquisadores da Universidade Charles Darwin (CDU) e da RMIT

Publicada em 14/02/2024

capa
Compartilhe:

Pesquisadores da Universidade Charles Darwin (CDU) e da RMIT divulgaram resultados promissores em um estudo in vitro, onde um extrato de cannabis demonstrou impacto positivo na desaceleração do crescimento de células de melanoma e no aumento das taxas de morte celular programada.

O estudo, parte do projeto de doutorado da Dra. Ava Bachari, da RMIT, concentrou-se no canabinóide PHEC-66, um extrato específico da planta cannabis sativa. Descobriu-se que o referido extrato se conecta a locais receptores em células específicas de melanoma, controlando o crescimento celular em fases cruciais e intensificando os danos celulares.

Modelo Capa do site - 2024-02-14T010157.821.png
Nazim Nassar 
Farmacêutico | Farmacologista | Cientista Farmacêutico @ Biopolímeros | Sistemas Inteligentes de Entrega de Medicamentos | Disposição e Dinâmica de Medicamentos

O Dr. Nazim Nassar, palestrante farmacêutico da CDU e co-autor do estudo, explicou que esse dano direcionado induz a célula do melanoma à morte celular programada, conhecida como apoptose. Ele destacou a importância dessa pesquisa, visando compreender o potencial dos extratos de cannabis como agentes anticancerígenos.

O próximo passo, segundo o Dr. Nassar, é desenvolver um sistema de entrega direcionado às células de melanoma, preparando-o para ensaios pré-clínicos. Ele ressaltou que sistemas avançados de distribuição ainda precisam ser aprimorados, sublinhando a necessidade de esforços contínuos para garantir a eficácia desses agentes nos locais-alvo.

O Professor Nitin Mantri, principal autor e biotecnologista da RMIT, enfatizou a importância de um acompanhamento de longo prazo para garantir a eficácia e segurança sustentadas do extrato PHEC-66 no tratamento do câncer. Ele destacou a necessidade de testar o perfil de segurança antes de sua possível adoção generalizada.

O professor Mantri sublinhou a colaboração crítica com o Dr. Nassar e a necessidade de apoio das empresas farmacêuticas para qualificar o PHEC-66 como medicamento registrado. 

Essa cooperação é vital para avançar no desenvolvimento e aplicação dos extratos de cannabis no tratamento do câncer, aproveitando a expertise do Dr. Nassar como profissional de saúde, farmacologista e cientista farmacêutico.

Embora o uso de extratos de cannabis ainda seja estigmatizado em alguns contextos, os pesquisadores acreditam que essa pesquisa pode revolucionar o tratamento do câncer. 

Além do melanoma, os estudos futuros buscarão entender como esses extratos podem ser aplicados no tratamento de diferentes tipos de câncer, ampliando ainda mais as possibilidades terapêuticas.

O artigo foi publicado na revista Cells