A história do CBD na era do bem-estar da Cannabis

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
O canabidiol - conhecido mais comumente por seu nome abreviado, CBD - foi descoberto e isolado na década de 1940, contudo, a proibição foi alimentada pela suspeita das propriedades psicoativas da planta, bem como pelo desenvolvimento de estereótipos projetados e usados ​​para demonizar seus usuários Foto: Elsa Olofsson/Pexels)

A Cannabis Sativa tem sido utilizada para o tratamento de uma grande variedade de doenças, bem como para aplicações industriais e usos cerimoniais por milênios. Além disso, evidências coletadas em locais antigos significativos revelaram que a planta era importante, e até sagrada, em muitas sociedades, incluindo o Egito Antigo, a China Antiga e a Índia Antiga.

No entanto, após a longa popularidade da planta, o mundo ocidental entrou na era da proibição – um movimento que rapidamente se espalhou por todo o mundo e mudou drasticamente a percepção desta cultura antes crucial.

A proibição foi alimentada pela suspeita das propriedades psicoativas da planta, bem como pelo desenvolvimento de estereótipos projetados e usados ​​para demonizar seus usuários.

>>> Participe do grupo do Sechat no WhatsApp e receba primeiro as notícias

O uso adulto da planta foi interrompido no início do século 20, com a Cannabis Medicinal também sendo rigidamente controlada e, em alguns casos, proibida. Infelizmente, a proibição também coincidiu com a maior progressão da pesquisa médica e científica da história, deixando uma enorme lacuna em nosso conhecimento sobre a planta de cannabis e como ela pode ser usada.

Após quase um século como fora da lei em grande parte do mundo, no entanto, uma nova revolução da cannabis está ocorrendo. As pessoas estão mais uma vez adotando a planta cannabis por suas propriedades medicinais, e até mesmo os governos estão começando a liberalizar suas políticas de controle.

>>>> CBD é seguro e eficaz no tratamento da epilepsia, aponta estudo

No entanto, apesar da lenta, mas constante reaceitação da planta, o composto mais comum (e mais famoso) produzido pela cannabis – THC – continua ilegal na maioria dos países. A ciência e o público, no entanto, adotaram outro composto comum de cannabis por seu potencial de bem-estar arredondado e falta de propriedades psicoativas.

A ascensão do CBD

O CBD (Canabidiol) é o segundo canabinoide mais prevalente produzido pela Cannabis Sativa. Os pesquisadores descobriram que o composto tem potencial medicinal promissor, incluindo ser um anti-inflamatório e ajudar a reduzir a frequência e gravidade das convulsões na epilepsia resistente ao tratamento convencional.

O canabidiol – que é conhecido mais comumente por seu nome abreviado, CBD – foi descoberto e isolado na década de 1940. Apesar da descoberta de que não possuía propriedades de alteração da mente, a proibição contínua significava que as pesquisas em torno do composto permaneceram limitadas.

Em 1980, o potencial do CBD como terapia anticonvulsivante foi descoberto. As propriedades anticonvulsivantes da cannabis na verdade eram conhecidas pelas sociedades há milhares de anos, esquecidas e redescobertas inúmeras vezes.

>>> CBD não se converte em THC no corpo, revela novo estudo

Tendo ganhado cada vez mais atenção no mundo médico, o CBD permaneceu relativamente inédito entre o público. Por outro lado, o bem-estar do cânhamo – embora não tenha conseguido se popularizar – havia desenvolvido (ou mantido) popularidade relativa. Esse mercado pronto pode inicialmente ter ajudado a desenvolver a popularidade do CBD.

Expandindo o Mercado CBD

Produtos comerciais de CBD

Os produtos de CBD entraram no mercado comercial principalmente como suplementos de saúde em forma de óleo, tintura e cápsulas. No entanto, nos últimos anos, surgiu uma grande variedade de produtos, incluindo comestíveis, bebidas, cuidados com a pele e até roupas e travesseiros.

Essa expansão pode ser atribuída à legalização contínua da cannabis em um pequeno número de países. Por exemplo, o US Farm Bill 2018 legalizou o cultivo e o uso de cânhamo (cannabis com baixo THC) em nível federal. Isso significava que as empresas eram livres para extrair o CBD e desenvolver produtos para exportação para outros estados pela primeira vez.

Em outros países, incluindo o Reino Unido, a regulamentação insuficiente criou o ambiente perfeito para as empresas iniciantes entrarem na onda do CBD.

Embora a regulamentação esteja finalmente melhorando no Reino Unido, ainda existe um grande número de produtos de CBD de baixa qualidade no mercado – em alguns casos, esses produtos podem, na verdade, não conter nenhum CBD!

Produtos Medicinais de CBD

Os medicamentos à base de CBD, juntamente com outros produtos de cannabis medicinal, também experimentaram uma liberação nas últimas décadas. As leis de cannabis medicinal foram imensamente facilitadas, com a maioria dos estados dos EUA e muitos países na Europa e em todo o resto do mundo movendo-se para aprovar o acesso a esses medicamentos.

Até agora, apenas um produto médico baseado em CBD foi aprovado no Reino Unido – Epidyolex. Espera-se, no entanto, que a saída da Grã-Bretanha da União Europeia possa abrir a porta para mais reformas que permitiriam uma próspera indústria de cannabis no país.

Fonte: Canex (Emily Ledger), com curadoria e edição de Sechat Conteúdo

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese