A última descoberta de Raphael Mechoulam, o pai da Cannabis

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Para Mechoulam, maior referência mundial em Cannabis medicinal, precisamos urgentemente de novos medicamentos para várias doenças que tenham efeitos colaterais menos agressivos (Foto: Divulgação/Benzinga)

O professor Raphael Mechoulam, também conhecido como o “pai da pesquisa da cannabis”, revelou sua última descoberta há apenas alguns meses, o éster metílico do ácido canabidiólico (EPM301). A introdução deste novo composto patenteado (moléculas canabinoides sintéticas e totalmente estáveis ​​à base de ácido) causou uma onda de entusiasmo em torno do futuro da cannabis medicinal.

O composto em questão foi apresentado ao mundo em parceria com a EPM, empresa global de biotecnologia com sede nos Estados Unidos que tem como objetivo preencher a lacuna entre as indústrias de cannabis e farmacêutica.

>>> Para Mechoulam, falta de estudos sobre canabidiol faz com que se percam muitas vidas

Durante uma conversa recente e exclusiva, o CEO Reshef Swisa e o Dr. Mechoulam compartilharam a história da jornada por trás desse processo revolucionário e sua importância na evolução do uso do CBD como medicamento farmacêutico.

Conheça o EPM301

“A EPM desenvolveu um método para trabalhar com as substâncias originais da cannabis”, explicou o professor. “Então, enquanto todo mundo está discutindo THC e CBD, esses canabinoides são, na verdade, substâncias secundárias; eles só aparecem mais tarde na planta.

“Originalmente, há um ácido presente na planta que é um mundo misterioso de compostos muito mais potentes do que os canabinoides”, acrescentou.

>>> The Scientist – o filme sobre Raphael Mechoulam, o pelé da Cannabis medicinal

No entanto, esses ácidos canabidiólicos eram instáveis ​​e, portanto, inúteis no desenvolvimento de medicamentos farmacêuticos.

A recente revelação de Mechoulam decorre do desenvolvimento de um método que permite modificar os ácidos de uma forma que os mantêm estáveis ​​o suficiente para permitir seu uso em larga escala. “Isso abre a porta para novos experimentos farmacêuticos”, explicou o professor.

“Pegamos um ácido canabidiol e o estabilizamos por um procedimento químico simples, chamado esterificação; então o composto se tornou estável ”, explicou Swisa.

“A equipe então começou a examinar as atividades desse composto e descobriu que ele causa supressão da ansiedade e da náusea”, continuou ele, acrescentando que isso poderia fazer uma grande diferença em pacientes com câncer em quimioterapia, bem como em pacientes com IBD (doença inflamatória intestinal) ou psoríase.

Inovando aos 88 anos

Que o CBD e o THC podem ajudar em uma longa lista de condições, desde inflamação e ansiedade a depressão e náusea, já se sabe há muito tempo.

Na verdade, Mechoulam foi possivelmente o acadêmico mais importante a tornar conhecidos os princípios ativos da planta de cannabis na década de 1960, quando seu trabalho no Instituto Weizmann levou à descoberta do sistema humano endocanabinoide, coroando-o “pai da pesquisa da cannabis.”

>>> Como a Cannabis medicinal pode tratar a “tempestade inflamatória” da Covid-19

Mas a mais recente descoberta do pesquisador de 88 anos apresenta o ácido canabidiólico como um composto muito mais potente do que o CBD ou o THC – sem efeitos colaterais negativos conhecidos.

“Precisamos urgentemente de novos medicamentos para várias doenças. Alguns deles podem ser muito bons, mas, em última análise, causam efeitos colaterais”, disse ele, referindo-se à maioria dos medicamentos não naturais, que são, na melhor das hipóteses, semissintéticos.

“Hoje temos dois grupos de compostos que precisam ser substituídos: são os esteroides e os opióides. Acreditamos que a cannabis carrega a capacidade de introduzir substitutos para essas famílias.”

Uma alternativa aos esteroides e opioides

Embora o CBD tenha sido considerado uma alternativa aos medicamentos viciantes prescritos há vários anos, a patente da EPM sobre o uso de ácido canabidiólico é a primeira a provar que esses medicamentos podem ser essencialmente substituídos sem grandes mudanças em sua eficácia.

>>> Vício, educação e o futuro da política de Cannabis nos EUA

“Comparamos nosso composto não apenas aos canabinoides, mas também às drogas existentes que são aplicadas hoje”, explicou Mechoulam. “Então, por exemplo, no IBD comparamos nossos compostos a dois produtos convencionais: um é a prednisona (os esteroides) e o outro é um medicamento biológico. E em ambos conseguimos comprovar que a atividade do nosso complexo é muito semelhante aos produtos comuns.”

O pesquisador está otimista em relação ao futuro

“Espero sinceramente que um dia tenhamos um derivado do ácido canabidiólico no mercado em paralelo ao próprio CBD.”

Ele também alertou para a importância de classificar e regulamentar corretamente os medicamentos para seu uso médico, a fim de evitar efeitos colaterais indesejados.

>>> Congresso americano votará para retirar a Cannabis da lista de substâncias controladas

“As empresas devem ter cuidado ao tomar compostos e reivindicar terapêuticos. Precisam fazer de acordo com o regulamento para dar consistência na linguagem porque as pessoas confundem o uso adulto com o medicinal e não necessariamente buscam uma indicação específica, com dosagem específica”, finalizou.

Fonte: Benzinga 

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese