Cannabis não é maconha

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
"sigo ressaltando, sempre que possível, cannabis não é maconha" (Foto: Arquivo pessoal)

Coluna de Patrícia Villela Marino


Em seu ano de estreia, o documentário Ilegal (2014) lançou os holofotes sobre um tema até então considerado marginal pela maioria dos brasileiros: o uso medicinal da cannabis. A produção acompanha a jornada árdua de pacientes e familiares que descobriram no canabidiol (CBD) – princípio ativo extraído da planta – um alívio para dores crônicas e ataques epiléticos. Tive a honra de atuar como uma das realizadoras do filme e, à época, decidi fazê-lo após compreender como o acesso à informação era um elemento fundamental na desconstrução de preconceitos propositalmente incutidos na nossa sociedade em relação à cannabis.

“A cannabis é uma planta multifacetada. Talvez por isso ela tenha sido escolhida como alvo de proibicionismo em todo o mundo. Suas propriedades medicinais e industriais competem com muitos interesses econômicos poderosos, que prevaleceram durante décadas – quiçá séculos.”

Fomos, enquanto sociedade, vítimas de propagandas meticulosamente engendradas com o objetivo de nos tornar abstêmios do conhecimento e nos manter no preconceito – e compramos tais argumentos de forma barata.

O resultado é o que vivemos atualmente: a destruição da ancestralidade da planta e uma luta ferrenha de nós, ativistas, para trazer a verdade de volta à luz. Afinal, não tenho dúvidas de que o caminho pelo qual mentiras contadas no passado vão ao encontro de um presente de privação saiu muito caro para toda a sociedade.

Para ajudar a esclarecer os equívocos enraizados, gosto de explicar que existe um oceano entre cannabis e maconha. E sigo ressaltando, sempre que possível: cannabis não é maconha – a primeira é fabricada, enquanto a cannabis nasce da terra. Maconha é uma mistura de muitas coisas, que pouco têm, de fato, de cannabis. É um mato cheio de químicos que o tráfico entrega por aí, sem responsabilidade alguma. Cannabis é uma planta, cujos princípios ativos são capazes de trazer, comprovadamente, maior qualidade de vida a milhões de pessoas – e isso falando apenas de seu uso medicinal.

Há seis anos, quando gravamos Ilegal, pouco se falava sobre o tema no Brasil e as mães que participaram do documentário se sentiam sozinhas na batalha contra a desinformação. Evoluímos muito e todo este movimento foi capaz de desencastelar alguns de nossos deputados, que ouviram e aprenderam sobre o tema. Se informaram e temos hoje o Projeto de Lei 399/2015, cujo texto foi aprovado recentemente em uma Comissão Especial na Câmara Federal. Esse passo, embora ainda inconclusivo, representa uma esperança de levar o acesso à cannabis medicinal para todos os brasileiros.

“Atualmente, o uso medicinal da cannabis está concentrado apenas na elite financeira capaz de arcar com os altos custos do medicamento importado e em uma “elite da informação”, composta pelas poucas pessoas que conhecem os benefícios reais da planta e os meios para acessá-los, por meio da justiça, de associações de cultivo ou outros caminhos.”

Ainda não é uma legislação à altura da complexidade do assunto, mas é um avanço.

Em maio deste ano, foi lançada a pesquisa “Cannabis é Saúde”, realizada pelo CIVI-CO, hub de negócios de impacto cívico-socioambiental. O levantamento ouviu a opinião de brasileiros de todas as regiões sobre o uso da cannabis medicinal. Os resultados demonstraram que 76% do público já está familiarizado com a possibilidade de aplicação terapêutica da cannabis. Porém, 59% ainda não possui dimensão das patologias que podem encontrar na medicina canabinoide formas alternativas de terapia. Apenas 14% da amostra sabia que os médicos podem prescrever fármacos à base de cannabis, algo permitido desde 2015, quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 17, autorizando a importação de medicamentos à base de canabidiol (CBD) e tetrahidrocanabinol (THC).

“Precisamos trabalhar exaustivamente para disseminar informação real e criar uma cultura em torno da cannabis.”

Levando informação a todos, deixaremos de ser taxados preconceituosamente como maconheiros e passaremos a ser entendidos como o que realmente somos: ativistas pela vida, pela democratização da saúde pública e pela garantia de direitos.

Se não formos no caminho da educação e da distinção semântica das palavras, vamos continuar vivendo em uma sociedade que considera o uso da cannabis como “medicinal ilegal”. Desta forma, seguiremos envolvidos em um falso debate polarizador, colocando de um lado segurança pública e do outro saúde pública e vida.

“Manteremos as mangas arregaçadas e falaremos de cannabis em todos os lugares. Precisamos retomar a ancestralidade desta planta, tão presente nas culturas indígena e negra.”

A cannabis foi usada para a saúde e a promoção de bem-estar ao longo de centenas de anos, até uma propaganda bloquear a história, impedindo a transferência do conhecimento de geração para geração. Já passou da hora de olhar para a realidade, esquecer o preconceito e desfazer essa injustiça. Vamos repetir muitas vezes: cannabis não é maconha.

*Patrícia Villela Marino é advogada e ativista cívico-social. Cofundou e lidera o Instituto Humanitas 360, trabalho pelo qual foi reconhecida com o Prêmio Humanitário 2020, concedido pelo The Trust for the Americas, afiliada da Organização dos Estados Americanos (OEA) e colunista do Sechat.

As opiniões veiculadas nesse artigo são pessoais e de responsabilidade de seus autores.

Veja outros artigos de nossos colunistas:

Alex Lucena 

– Inovação e empreendedorismo na indústria da Cannabis (19/11/2020)

– Inovar é preciso, mesmo no novo setor da Cannabis (17/12/20)

 Sem colaboração, a inovação não caminha (11/02/2021)

Bruno Pegoraro

– A “legalização silenciosa” da Cannabis medicinal no Brasil (31/03/2021)

Fabricio Pamplona

– Os efeitos do THC no tratamento de dores crônicas (26/01/2021)

 Qual a dosagem ideal de canabidiol? (23/02/2021)

– CBD: batendo na porta da psiquiatria (05/04/2021)

– Está comprovado: terpenos e canabinoides interagem diretamente com mecanismo canabinoide (27/04/2021)

Fernando Paternostro

– As multifacetas que criamos, o legado que deixamos (11/3/2021)

– Vantagem competitiva, seleção natural e dog years (08/04/2021)

Jackeline Barbosa

 Cannabis, essa officinalis (01/03/2021)

Ladislau Porto

– O caminho da cannabis no país (17/02/2021)

– Associações x regulação x Anvisa x cannabis (26/04/2021)

Luciano Ducci

– Vão Legalizar a Maconha? (12/04/2021)

Mara Gabrilli

– A luta pela Cannabis medicinal em tempos de cloroquina (23/04/2021)

Marcelo de Vita Grecco

– Cânhamo é revolução verde para o campo e indústria (29/10/2020)

– Cânhamo pode proporcionar momento histórico para o agronegócio brasileiro (26/11/2020)

– Brasil precisa pensar como um país de ação, mas agir como um país que pensa (10/12/2020)

– Por que o mercado da cannabis faz brilhar os olhos dos investidores? (24/12/2020)

– Construção de um futuro melhor a partir do cânhamo começa agora (07/01/2021)

– Além do uso medicinal, cânhamo é porta de inovação para a indústria de bens de consumo (20/01/2021)

 Cannabis também é uma questão de bem-estar (04/02/2021)

– Que tal CBD para dar um up nos cuidados pessoais e nos negócios? (04/03/2021)

– Arriba, México! Regulamentação da Cannabis tem tudo para transformar o país (18/03/2021)

– O verdadeiro carro eco-friendly (01/04/2021)

– Os caminhos para o mercado da cannabis no Brasil (15/04/2021)

Maria Ribeiro da Luz

– Em busca do novo (23/03/2021)

– A tecnologia do invisível (20/04/2021)

Paulo Jordão

– O papel dos aparelhos portáteis de mensuração de canabinoides (08/12/2020)

– A fórmula mágica dos fertilizantes e a produção de canabinoides (05/01/2021)

– Quanto consumimos de Cannabis no Brasil? (02/02/2021)

 O CannaBioPólen como bioindicador de boas práticas de cultivo (02/03/2021)

– Mercantilismo Português: A Origem da Manga Rosa (06/04/2021)

Pedro Sabaciauskis

– O papel fundamental das associações na regulação da “jabuticannábica” brasileira (03/02/2021)

 Por que a Anvisa quer parar as associações? (03/03/2021)

– Como comer a jabuticannabica brasileira? (13/04/2021)

Ricardo Ferreira

– Da frustração à motivação (03/12/2020)

– Angels to some, demons to others (31/12/2020)

 Efeitos secundários da cannabis: ônus ou bônus? – (28/01/2021)

 Como fazer seu extrato render o máximo, com menor gasto no tratamento (25/02/2021)

– Por que os produtos à base de Cannabis são tão caros? (25/03/2021)

– A Cannabis no controle da dor e outras consequências do câncer (22/04/2021)

Rodolfo Rosato

– O Futuro, a reconexão com o passado e como as novas tecnologias validam o conhecimento ancestral (10/02/2021)

– A Grande mentira e o novo jogador (10/3/2021)

– Mister Mxyzptlk e a Crise das Terras Infinitas (14/04/2021)

Rogério Callegari

– Sob Biden, a nova política para a cannabis nos EUA influenciará o mundo (22/02/2021)

– Nova Iorque prestes a legalizar a indústria da cannabis para uso adulto (17/03/2021)

Stevens Rehen

 Cannabis, criatividade e empreendedorismo (12/03/2021)

Waldir Aparecido Augusti

– Busque conhecer antes de julgar (24/02/2021)

– Ontem, hoje e amanhã: cada coisa a seu tempo (24/03/2021)

Wilson Lessa

– O sistema endocanabinoide e os transtornos de ansiedade (15/12/2020)

– O transtorno do estresse pós-traumático e o sistema endocanabinoide (09/02/2021)

– Sistema Endocanabinoide e Esquizofrenia (09/03/2021)

– O TDAH e o sistema endocanabinoide (16/04/2021)

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese