Conheça o futuro da Cannabis medicinal na Colômbia

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Sandra Carrillo é médica e especialista renomada no uso médico de Cannabis e canabinoides, com certificações em medicina de Cannabis pela Escola de Farmacologia da Universidade de Porto Rico e pela Universidade de Oaksterdam na Califórnia.

>>> Pais conseguem o direito de importar sementes de maconha para o tratamento da filha

Ela é uma das principais defensoras da legalização da Cannabis no Panamá, onde apareceu como testemunha especialista em várias sessões da Comissão de Saúde do governo responsável por elaborar e implementar políticas e regulamentações sobre a Cannabis medicinal. Na Colômbia, ela é presidente da Associação Médica Colombiana de Cannabis Medicinal (ASOMEDCCAM), que defende a educação baseada em evidências sobre as aplicações médicas da Cannabis para médicos e pacientes. Carrillo detalha a história e o futuro da política e da educação sobre a maconha medicinal na Colômbia.

Regulamentação e licenciamento

Em 6 de julho de 2016, o Congresso da República da Colômbia aprovou a Lei 1787, por meio da qual foi criado um quadro regulamentar que permitiria o acesso seguro e informado para o uso médico e científico da Cannabis e seus derivados. Esta lei foi impulsionada pelo ex-senador Juan Manuel Galán, para abrir novas opções de saúde e bem-estar para os pacientes. 

Além disso, promoveu a criação e o desenvolvimento de uma nova indústria no setor econômico do país, graças às vantagens únicas que a Colômbia oferece por meio de sua localização geográfica privilegiada, condições climáticas, mão de obra qualificada e tradições agrícolas.

>>> Biotech brasileira desenvolve medicamento a base de CBD R$ 1,5 mil mais barato

Por meio do Decreto 613, promulgado em 2017, foi estabelecido um marco regulatório para o início desse novo setor. O decreto estipulava diretrizes para a adequada avaliação, monitoramento e controle do cultivo e processamento da Cannabis e seus derivados, para fins médicos e científicos.

Diretrizes também foram estabelecidas para conceder licenças separadas para:

·         A fabricação de derivados de Cannabis

·         Suprir e plantar sementes de Cannabis

·         O cultivo de plantas de Cannabis psicoativas

·         O cultivo de plantas de Cannabis não psicoativas

Além disso, foi criado um quadro regulamentar abrangente para a preparação e distribuição de preparações magisteriais derivadas de Cannabis.

ASOMEDCCAM

Quatro anos após a aprovação da lei, os médicos na Colômbia ainda enfrentam grandes desafios, uma vez que a disponibilidade de preparações magisteriais e preparações de grau farmacêutico são muito escassas, limitando a capacidade de atender às necessidades de pacientes que sofrem de diferentes tipos de patologias, cuja dor e. o sofrimento não espera. Também enfrentam o desafio de informações limitadas e desinformação prevalentes disponíveis para médicos, profissionais de saúde e a população em geral sobre o uso adequado de tratamentos de Cannabis medicinal. Além disso, enfrentam certas limitações no desenvolvimento de pesquisas que nos permitirão garantir o acesso seguro aos tratamentos de prescrição de pacientes com base na ciência baseada em evidências.

>>> Nova coleção da Levi’s terá o cânhamo como tecido

É por esta razão foi criada a Associação Médica Colombiana de Cannabis Medicinal (ASOMEDCCAM), a primeira associação de Cannabis medicinal sem fins lucrativos da Colômbia. A associação é composta por médicos e profissionais de saúde de uma série de diferentes especialidades, que se uniram para promover a educação científica baseada em evidências e a pesquisa a fim de garantir o acesso seguro dos pacientes a tratamentos à base de canabinoides. Ela tem um número crescente de médicos especialistas interessados ​​em usar terapias com canabinoides para ajudar os pacientes, com universidades dispostas a criar programas de educação e oferecer treinamento formal para médicos e profissionais de saúde que desejam ser certificados no uso de Cannabis medicinal.

Ansioso

O objetivo para o futuro é ajudar os pacientes a obterem maior acessibilidade, não apenas para terem de Cannabis medicinalmente prescrita, mas também através da melhoria da acessibilidade econômica, por meio da criação, em nível governamental, de programas que permitem maior cobertura de terapias à base de Cannabis medicinal em todo o sistema de saúde.

>>> Representantes de Israel e Canadá defendem tentativa brasileira de regulamentar uso medicinal da maconha

A Colômbia se posiciona como um dos países líderes da América Latina no setor de Cannabis medicinal, com o conjunto mais abrangente de regulamentações e padrões de Cannabis da região. A associação espera que o quadro regulamentar melhore ano após ano, apoiando o mercado jurídico que permite o acesso seguro aos doentes necessitados.

Fonte: informações do site Health Europa

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese