Líbano libera cultivo de maconha para recuperar a economia diante do Covid-19

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O parlamento libanês aprovou na terça-feira (21) uma legislação para legalizar o cultivo de Cannabis para fins médicos e industriais, de acordo com o site Newsweek. A medida teria sido recomendada pelos consultores econômicos antes mesmo da pandemia de coronavírus ter causado um golpe devastador na economia do país.

Segundo a nova lei, o cultivo de maconha pelos agricultores seria regulamentado dentro do país, segundo o The Daily Star , um jornal libanês em inglês. Embora a planta tenha sido amplamente e abertamente cultivada no Líbano, particularmente no vale de Bekaa, no leste do país, o cultivo de Cannabis era estritamente ilegal.

A nova lei não legalizaria a maconha para uso recreativo. Em vez disso, permitiria que a planta fosse cultivada para exportação para fins medicinais e industriais. Sob a nova legislação, o Líbano também visaria promover uma nova indústria legal que produz itens farmacêuticos de Cannabis, incluindo produtos de bem-estar e óleo de CBD. Produtos industriais, como fibras para têxteis, também podem ser produzidos a partir da planta.

Kareem Chehayeb, jornalista e pesquisador libanês independente, observou no Twitter que o partido político libanês Hezbollah se opôs à nova lei. “Embora seus principais aliados tenham apoiado o projeto de lei, o #Hezbollah não foi o único partido a se opor a isso”, twittou Chehayeb.

Hilal Khashan, professor de estudos políticos e administração pública da Universidade Americana de Beirute, disse à Newsweek que legalizar a maconha não seria o suficiente para atender às preocupações econômicas do Líbano. Ele também expressou ceticismo de que o governo seria capaz de implementar com sucesso a lei, dada a oposição do Hezbollah.

“O Hezbollah é o principal beneficiário do tráfico de maconha”, disse Khashan. “A única maneira de o Hezbollah aceitar a ratificação da lei é estar diretamente envolvido em sua implementação – ou seja, obter sua parte.”

O Líbano discute publicamente a possibilidade de legalizar a maconha para fins medicinais e industriais há quase dois anos. Em julho de 2018 , Raed Khoury, ex-ministro interino da economia e comércio do Líbano, se gabou de que a qualidade da maconha libanesa “é uma das melhores do mundo” durante uma entrevista à Bloomberg News.

As declarações de Khoury vieram depois que o Líbano contratou a empresa global de consultoria McKinsey & Co., com sede em Nova York (EUA), para aconselhar o país sobre como lidar com crescentes preocupações econômicas. McKinsey sugeriu que o Líbano legalizasse a maconha para pelo menos alguns propósitos. Na época, Khoury projetou que a maconha legal para uso médico e industrial poderia gerar cerca de US$ 1 bilhão por ano.

A lei para legalizar a maconha foi aprovada pelas comissões parlamentares em março. Mas os ativistas levantaram preocupações sobre a lei, pois acham que não vai longe o suficiente. Eles argumentam que o uso recreativo de maconha também deve ser descriminalizado.

Uma legislação separada, que daria anistia a muitos criminosos recreativos de cannabis e drogas, além de reduzir as sentenças de outros prisioneiros, foi enviada de volta a um comitê parlamentar na terça-feira para uma análise mais aprofundada.

“Nenhuma mudança em nenhuma lei sobre produção ou uso recreativo da substância, que permanece ilegal”, twittou na terça-feira Timour Azhari, correspondente da Al Jazeera em Beirute.

Colapso na economia libanesa

A economia do Líbano já estava à beira do colapso quando o país começou a implementar, no início de março, medidas estritas de bloqueio nacional em resposta à pandemia de coronavírus. Atormentado por corrupção e insegurança há décadas, o Líbano tem uma dívida nacional de mais de US$ 80 bilhões. Ele deixou de pagar sua dívida pela primeira vez no mês passado, já que o país continua enfrentando uma grave escassez de dólares americanos.

No outono passado, a economia ficou quase em colapso, o que levou a enormes manifestações antigovernamentais em todo o país, em resposta a uma série de novos impostos e medidas de austeridade propostas pelos líderes da nação. Esses protestos resultaram na renúncia do primeiro ministro Saad Hariri e na formação de um novo governo mais tecnocrático.

Apesar da renúncia de Hariri e da formação de um novo governo, grandes protestos continuaram até fevereiro, quando a inflação disparou e os bancos impuseram limites à quantidade de dinheiro que poderia ser retirada semanalmente. Mas à medida que a pandemia crescia, manifestações eram colocadas em segundo plano quando o país entrou em um bloqueio rigoroso.

Na terça-feira, o Ministério da Saúde do Líbano anunciou que, pela primeira vez em mais de um mês, não havia novos casos confirmados de coronavírus nas últimas 24 horas, informou o jornal local Annahar . No total, 677 pessoas no Líbano foram diagnosticadas com COVID-19, a doença causada pelo vírus. Desses, 21 morreram e 103 se recuperaram.

Leia a matéria original aqui.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese