Prefeitura de Limeira contrata empresa por R$ 1,4 milhão para fornecer produtos à base de cannabis

Segundo a prefeitura de Limeira, o objetivo é atender às necessidades médicas da população, especialmente aqueles que dependem desses tratamentos específicos

Publicada em 14/01/2024

capa
Compartilhe:

Leandro Maia

A Prefeitura de Limeira anunciou que irá investir R$ 1.466.550,00 na contratação da empresa Prati Donaduzzi e Cia LTDA. A decisão, publicada no Jornal Oficial do Município, na sexta-feira dia 12 de janeiro, tem como objetivo fornecer produtos à base de cannabis. O executivo decidiu pela compra após inúmeras ações judiciais movidas contra a administração municipal para garantir o acesso a tratamentos à base de cannabis.

Desde 2015, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a importação de produtos à base de cannabis, atendendo a uma demanda crescente de pacientes com condições como autismo, síndromes raras, Parkinson, epilepsia e Alzheimer, entre outras patologias. Ao longo desse período, a Anvisa aprovou mais de 30 produtos derivados da cannabis.

Diante dos entraves políticos e ideológicos que travam o avanço do plantio de cannabis e da indústria no Brasil, a importação desses produtos torna-se uma necessidade, acarretando em custos elevados. Em média, o tratamento mensal com medicamentos à base de cannabis entre R$ 600 a R$ 1,5 mil por paciente, dependendo da dosagem indicada.

Custo mensal de tratamento com cannabis medicinal despenca 41% em 2 anos no Brasil

A iniciativa da Prefeitura de Limeira visa atender às necessidades médicas da população, especialmente aqueles que dependem desses tratamentos específicos para melhorar a qualidade de vida. Com a contratação da Prati Donduzzi e Cia LTDA, a administração municipal busca fornecer uma solução eficaz e acessível para os pacientes, evitando que as famílias precisem recorrer à Justiça para obter esses medicamentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A decisão reflete o compromisso da Prefeitura em promover o bem-estar dos cidadãos, reconhecendo a importância de garantir o acesso a tratamentos alternativos para melhorar a qualidade de vida daqueles que dependem dessas opções terapêuticas.