Nova Iorque prestes a legalizar a indústria da cannabis para uso adulto

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
De acordo com Callegari, os projetos na linha de frente para aprovação - tanto dos legisladores pró-cannabis quanto o do governador Cuomo - permitirão, caso aprovados, o cultivo de até 6 plantas em residências, livres de impostos (Foto: Arquivo pessoal)

Coluna de Rogério Callegari*

Entre vários projetos de lei em andamento sobre o tema nos Estados Unidos, dois podem legalizar e definir a indústria de cannabis recreacional em Nova Iorque. Quando digo cannabis recreacional, também estou me referindo à maconha ou produtos com alto teor de THC. A “estrela” continua sendo, sem dúvida nenhuma, a maconha quando o assunto é cannabis recreacional. 

Os políticos do estado de Nova Iorque estão batalhando para uma versão compreensiva de um projeto de lei para o uso recreacional de cannabis. Vamos saber mais?

O primeiro é o projeto do governador Cuomo, que, se aprovado, não somente formaria um novo departamento para cuidar de assuntos relacionados à cannabis medicinal e recreacional como também estabeleceria um orçamento para esse fim

O primeiro é o projeto do governador Cuomo, que, se aprovado, não somente formaria um novo departamento para cuidar de assuntos relacionados à cannabis medicinal e recreacional como também estabeleceria um orçamento para esse fim. Caso esse projeto seja aprovado, adultos a partir de 21 anos poderão comprar produtos de cannabis ou com alto teor de THC em lugares autorizados: as chamadas “dispensaries”. Esse projeto estima gerar por volta de 300 milhões de dólares para o Estado em receitas com impostos. 

Porém, outros legisladores também entregaram um projeto para votação, o chamado: Bill S854, ou MRTA (Marijuana Regulation and Taxation Act), como também é conhecido. Esse projeto é idêntico ao apresentado pelos mesmos legisladores em 2020, que não foi aprovado, e tem diferenças marcantes do projeto chancelado por Cuomo.

Dessa vez, o MRTA tem uma força maior e a probabilidade de aprovação é alta. Isso porque agora o Senado tem a maioria democrata, o que significa uma espécie de blindagem para o assunto.

Dessa vez, o MRTA tem uma força maior e a probabilidade de aprovação é alta. Isso porque agora o Senado tem a maioria democrata, o que significa uma espécie de blindagem para o assunto. Isso quer dizer que os legisladores não precisam da aprovação do governador Cuomo para nada, e isso é um grande diferencial.

No passado, legisladores de Nova Iorque sempre bateram de frente com o poder executivo, que historicamente era de maioria republicana. O governador Cuomo já havia tentado introduzir um projeto para o orçamento, mas o Senado não o aprovou. Agora, as coisas são bastante diferentes: se Cuomo quiser, ele conseguirá mas terá que se dobrar para alguns de seus desejos. Ao meu ver, facilmente teremos pelo menos um dos projetos aprovados. 

Caso a aprovação recreacional da cannabis seja confirmada no estado, causará um grande impacto econômico para Nova Jersey, já que a maioria de seus consumidores vem do estado de Nova Iorque.

2021 também pode ser bastante diferente para Nova Jersey, o estado vizinho que é altamente dependente economicamente de Nova Iorque. Caso a aprovação recreacional da cannabis seja confirmada no estado, causará um grande impacto econômico para Nova Jersey, já que a maioria de seus consumidores vem do estado de Nova Iorque. Além disso, os projetos – tanto dos legisladores pró-cannabis quanto o de Cuomo – permitirão, caso aprovados, o cultivo live de impostos de até 6 plantas em residências.

A segunda maior diferença nesses projetos é para onde será distribuído o dinheiro arrecadado. O MRTA prevê que o recurso seja investido em três frentes básicas: 25% para o fundo de loteria estadual, 25% para o fundo destinado à educação de drogas e 50% para um fundo destinado à igualdade social. Já no projeto do governador Cuomo, esse dinheiro seria 100% destinado para um fundo de igualdade social, mas com o estado em deficit atualmente, o dinheiro nunca chegaria ao seu destino final. 

De qualquer forma, os dois projetos principais citados seriam de grande ajuda para uma indústria que tem sofrido tanto com inúmeras leis e obstáculos, fazendo com que as empresas de pequeno e médio porte não tenham chance alguma de sobreviver.

De qualquer forma, os dois projetos principais citados seriam de grande ajuda para uma indústria que tem sofrido tanto com inúmeras leis e obstáculos, fazendo com que as empresas de pequeno e médio porte não tenham chance alguma de sobreviver. Isso também, segundo estima o estado, traria uma média de 30.000 novos empregos, em um momento tão difícil causado pela pandemia da Covid no estado de Nova Iorque. Sem dúvida, trata-se de um tema relevante para um estado que está passando nesse momento por uma das maiores crises da história. 

*Rogério Callegari é empresário do setor cannabis medicinal no estado da Califórnia, nos Estados Unidos, e colunista do Sechat

As opiniões veiculadas nesse artigo são pessoais e não correspondem, necessariamente, à posição do Sechat.

Veja outros artigos de nossos colunistas: 

Alex Lucena 

– Inovação e empreendedorismo na indústria da Cannabis (19/11/2020)

– Inovar é preciso, mesmo no novo setor da Cannabis (17/12/20)

 Sem colaboração, a inovação não caminha (11/02/2021)

Fabricio Pamplona

– Os efeitos do THC no tratamento de dores crônicas (26/01/2021)

 Qual a dosagem ideal de canabidiol? (23/02/2021)

Fernando Paternostro

– As multifacetas que criamos, o legado que deixamos (11/3/2021)

Jackeline Barbosa

Cannabis, essa officinalis (01/03/2021)

Ladislau Porto

– O caminho da cannabis no país (17/02/2021)

Marcelo de Vita Grecco

– Cânhamo é revolução verde para o campo e indústria (29/10/2020)

– Cânhamo pode proporcionar momento histórico para o agronegócio brasileiro (26/11/2020)

– Brasil precisa pensar como um país de ação, mas agir como um país que pensa (10/12/2020)

– Por que o mercado da cannabis faz brilhar os olhos dos investidores? (24/12/2020)

– Construção de um futuro melhor a partir do cânhamo começa agora (07/01/2021)

– Além do uso medicinal, cânhamo é porta de inovação para a indústria de bens de consumo (20/01/2021)

 Cannabis também é uma questão de bem-estar (04/02/2021)

– Que tal CBD para dar um up nos cuidados pessoais e nos negócios? (04/03/2021)

Paulo Jordão

– O papel dos aparelhos portáteis de mensuração de canabinoides (08/12/2020)

– A fórmula mágica dos fertilizantes e a produção de canabinoides (05/01/2021)

– Quanto consumimos de Cannabis no Brasil? (02/02/2021)

 O CannaBioPólen como bioindicador de boas práticas de cultivo (02/03/2021)

Pedro Sabaciauskis

– O papel fundamental das associações na regulação da “jabuticannábica” brasileira (03/02/2021)

 Por que a Anvisa quer parar as associações? (03/03/2021)

Ricardo Ferreira

– Da frustração à motivação (03/12/2020)

– Angels to some, demons to others (31/12/2020)

 Efeitos secundários da cannabis: ônus ou bônus? – (28/01/2021)

 Como fazer seu extrato render o máximo, com menor gasto no tratamento (25/02/2021)

Rodolfo Rosato

– O Futuro, a reconexão com o passado e como as novas tecnologias validam o conhecimento ancestral (10/02/2021)

– A Grande mentira e o novo jogador (10/3/2021)

Rogério Callegari

– Sob Biden, a nova política para a cannabis nos EUA influenciará o mundo (22/02/2021)

Stevens Rehen

Cannabis, criatividade e empreendedorismo (12/03/2021)

Waldir Aparecido Augusti

– Busque conhecer antes de julgar (24/02/2021)

Wilson Lessa

– O sistema endocanabinoide e os transtornos de ansiedade (15/12/2020)

– O transtorno do estresse pós-traumático e o sistema endocanabinoide (09/02/2021)

– Sistema Endocanabinoide e Esquizofrenia (09/03/2021)

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese