O número de pacientes israelenses com Cannabis medicinal chega a 60.000, já que importações estão em curso para dominar o mercado doméstico

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Os medicamentos à base de Cannabis são legais em Israel desde o final da década de 1990 e, após a alocação das primeiras licenças domésticas em 2006, o país se tornou um centro de pesquisa e desenvolvimento de Cannabis em expansão. 

Israel agora possui o esquema de Cannabis medicinal mais desenvolvido fora da América do Norte, com mais de 0,6% da população israelense atualmente registrada como um usuário de Cannabis medicinal. Em contraste, a Alemanha, o líder europeu em tratamentos à base de Cannabis, tem uma taxa de penetração de menos de 0,15%.

>>> Alemanha autoriza a importação de Cannabis espanhola

Antes de 2019, os pacientes costumavam obter seus suprimentos diretamente de alguns produtores licenciados, por um custo fixo de menos de € 100 por mês, independentemente da quantidade de Cannabis de que precisavam. 

No entanto, as reformas regulatórias em 2019 causaram escassez e ampla insatisfação no setor. Além dos novos padrões de qualidade para os produtores – que causaram problemas de conformidade para várias empresas – os pacientes inscritos no novo esquema são forçados a comprar sua Cannabis nas farmácias, que agora cobram dos pacientes por grama, em vez da taxa fixa anterior. 

>>> Atacadista de cânhamo processa cidade de Düsseldorf por proibir venda de CBD

Isso significa que os pacientes que precisam de doses mais altas têm visto o custo de seus suprimentos aumentar drasticamente, visto que o governo não introduziu nenhum reembolso para produtos de Cannabis.

Exportações de cannabis israelense

Após anos de discussão em torno das regulamentações que permitiriam aos produtores israelenses exportar, o ano de 2020 viu, paradoxalmente, Israel se tornar o maior importador global de Cannabis, já que o governo permitiu que dezenas de lotes de Cannabis cultivada no exterior fossem importados para resolver a escassez de produtos domésticos no mercado que são especialmente pronunciados em relação às cepas de alto-THC.

>>> Startup israelense quer usar ferramentas de edição de genes para melhorar as sementes de Cannabis

No entanto, requisitos de qualidade rigorosos tanto em casa quanto no exterior significam que Israel será um importador líquido na balança comercial internacional de Cannabis por algum tempo. 

Por exemplo, apenas um produtor israelense conseguiu obter a certificação EU-GMP necessária para acessar os mercados europeus no início deste ano, e não temos confirmação de qualquer remessa para seus parceiros na Alemanha ou Dinamarca até agora. A mesma empresa fechou acordo para importar pelo menos 100kg do Canadá.

Importações em alta

De forma mais ampla, meia dúzia de importadores e distribuidores importaram agora mais de 7 toneladas de pelo menos 12 produtores internacionais diferentes, trazendo novas cepas para o mercado, que alguns pacientes afirmam ser superiores às variedades cultivadas em Israel. No entanto, são registradas queixas de pacientes sobre quebras na ‘sequência terapêutica’, com a chegada de produtos diversos ao mercado.

>>> Israel aprova exportações de maconha medicinal

As importações para Israel só vão aumentar nos próximos trimestres. Com a demanda do mercado estimada pelo governo em 25 toneladas por ano, isso significa que pelo menos 30% serão atendidos por fornecedores internacionais.

Conforme discutido na semana passada, com os mercados internacionais se tornando mais lotados, Israel pode optar por concentrar seus esforços onde sua experiência reside como um centro de pesquisa, desenvolvimento e inovação, particularmente à medida que os mercados globais mudam para novos dispositivos e sistemas de entrega de medicamentos à base de Cannabis, o que alguns analistas preveem que será a próxima fase de desenvolvimento da indústria europeia.

Fonte: informações do site Prohibition Partners

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese