O papel fundamental das associações na regulação da “jabuticannábica” brasileira

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Pedro Sabaciauskis critica a omissão do Estado no tema do uso medicinal da cannabis: "Temos brasileiros cuidando de brasileiros. Tirando leite de pedra ou óleo de planta (como preferir), a custos e riscos altíssimos, fazendo um papel que deveria ser do estado."

Coluna de Pedro Sabaciauskis*

Toda e qualquer regulação a respeito de Cannabis Medicinal do Brasil tem que passar pelas associações de pacientes. Parece pretensioso dizer isso, mas, na verdade, não é. Vou te explicar e certamente no final desse texto a ideia de pretensão dará lugar à de senso de justiça.

Vamos lá…

Por uma questão de ordem e preferência, as associações têm que ser as primeiras a serem ouvidas, respeitadas e as primeiras a terem a autorização para o plantio em território nacional, com normas mais brandas ou com financiamento que permitam se adequarem às normas.

As associações foram as primeiras a se colocarem em risco, para tratar pacientes que estavam à margem da saúde pública, muitas vezes desacreditados e mal informados. E digo mais, não só na saúde pública, como também o setor privado, que segue muitas vezes um formato frio e truculento baseado em lucro.

Mas você deve estar se perguntando, por que esse “privilégio”? Primeiro, que não se trata de privilégio mas, sim, reconhecimento pelo serviço prestado à sociedade. Sim, reconhecimento, porque elas foram as primeiras a se colocarem em risco, para tratar pacientes que estavam à margem da saúde pública, muitas vezes desacreditados e mal informados. E digo mais, não só na saúde pública, como também o setor privado, que segue muitas vezes um formato frio e truculento baseado em lucro.

Ou seja, na contramão temos brasileiros cuidando de brasileiros. Tirando leite de pedra ou óleo de planta (como preferir), a custos e riscos altíssimos, fazendo um papel que deveria ser do estado. 

Esse cuidado com o próximo desencadeou um fato social crescente e que não tem mais volta. Pois se o governo não resolve, nós, brasileiros, não esperaremos sentados. E agimos e gerimos a autotutela de direito à saúde, de certa forma já previsto na Constituição.

Projetado por esse movimento empírico e orgânico, desenhou-se um cenário muito maior, que para enxergarmos temos que ampliar o raio de visão ao mesmo tempo em que focamos na onda silenciosa que está por trás das associações. 

Hoje, o cenário se desenha com mais de 30 associações registradas e outras tantas em processo de registro. Capilarizadas em território nacional, processando dados da realidade de cada região, que são bem distintas, por sinal. Ou seja, as associações são detentoras do know-how brasileiro.

Além disso, são nas associações que os mais diversos profissionais estão procurando e obtendo ajuda para se atualizarem e não ficarem para trás em relação aos países que já se debruçaram sobre o “fantástico mundo da cannabis”. Enquanto isso, o país das “maravilhas” Brasil proíbe os seus profissionais de se atualizarem e serem competitivos nesse novo mundo verde. Isso mesmo que você leu, proíbe estudar e pesquisar!

Além disso, são nas associações que os mais diversos profissionais estão procurando e obtendo ajuda para se atualizarem e não ficarem para trás em relação aos países que já se debruçaram sobre o “fantástico mundo da cannabis”. Enquanto isso, o país das “maravilhas” Brasil proíbe os seus profissionais de se atualizarem e serem competitivos nesse novo mundo verde. Isso mesmo que você leu, proíbe estudar e pesquisar!

E nesse deserto de possibilidades as associações são verdadeiros oásis para agrônomos, biólogos, químicos, bioquímicos, médicos, farmacêuticos, enfermeiros, pesquisadores, advogados… e por aí vai.  

Mas essas talvez não sejam ainda a maior importância das associações, e sim o papel de ser o fiel da balança nas negociações quase dramáticas que estão por vir. 

Pois, na sombra do descaso e dos interesses das grandes instituições, criamos uma “jabuticannábica” brasileira, que se chama associações. E se elas se organizarem em uma federação, não deixarão que o modelo mundial de cannabis, genérico e pouco eficiente, muitas vezes produzido com hemp industrial sem considerar a importância do THC e com perfil mercadológico predatório, se implante aqui.

Ou seja, as associações são a sociedade representada, e como tal, parecem estar dispostas a ser o contraponto do debate, mirando em uma regulamentação justa, democrática, de geração de oportunidades e, de preferência, oportunidades para as comunidades carentes, que sempre sofreram com o assunto cannabis.

Ou seja, as associações são a sociedade representada, e como tal, parecem estar dispostas a ser o contraponto do debate, mirando em uma regulamentação justa, democrática, de geração de oportunidades e, de preferência, oportunidades para as comunidades carentes, que sempre sofreram com o assunto cannabis.

Mas sejamos positivos pois há uma solução! Basta uma regulamentação onde os três setores (governo, empresas e associações) se sentem em uma mesa, conversem humanamente e, com bom senso, achem pontos em comum, onde todos sejam contemplados! E isso não é utopia, e sim uma “jabuticannábica brasileira”!

*Pedro Sabaciauskis é empresário, ativista da cannabis medicinal, presidente da Santa Cannabis e colunista do Sechat

As opiniões veiculadas nesse artigo são pessoais e de responsabilidade de seus autores.

Veja outros artigos de nossos colunistas do Sechat: 

Alex Lucena 

– Inovação e empreendedorismo na indústria da Cannabis (19/11/2020)

– Inovar é preciso, mesmo no novo setor da Cannabis (17/12/20) 

Marcelo de Vita Grecco

– Cânhamo é revolução verde para o campo e indústria (29/10/2020)

– Cânhamo pode proporcionar momento histórico para o agronegócio brasileiro (26/11/2020)

– Brasil precisa pensar como um país de ação, mas agir como um país que pensa (10/12/2020)

– Por que o mercado da cannabis faz brilhar os olhos dos investidores? (24/12/2020)

– Construção de um futuro melhor a partir do cânhamo começa agora (07/01/2021)

– Além do uso medicinal, cânhamo é porta de inovação para a indústria de bens de consumo (20/01/2021)

Ricardo Ferreira

– Da frustração à motivação (03/12/2020)

– Angels to some, demons to others (31/12/2020)

 Efeitos secundários da cannabis: ônus ou bônus? – (28/01/2021)

Paulo Jordão

– O papel dos aparelhos portáteis de mensuração de canabinoides (08/12/2020)

– A fórmula mágica dos fertilizantes e a produção de canabinoides (05/01/2021)

Quanto consumimos de Cannabis no Brasil? (02/02/2021)

Wilson Lessa

– O sistema endocanabinoide e os transtornos de ansiedade (15/12/2020)

Fabricio Pamplona

– Os efeitos do THC no tratamento de dores crônicas (26/01/2021)

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese