Autoridade esportiva global sugere que as penalidades por cannabis para os atletas devem ser reavaliadas

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Sebastian Coe, presidente da Federação Internacional de Atletismo (Foto: Getty Images)

Sebastian Coe, presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) e também campeão olímpico dos 1.500 metros em Moscou (1980) e Los Angeles (1984), lamentou a suspensão da corredora norte-americana Sha’Carri Richardson e disse que é “sensato” que os órgãos dirigentes analisem novamente a proibição da cannabis para os atletas.

Nada é colocado em tábuas de pedra, você se adapta e ocasionalmente reavalia.

disse Coe ao The Associated Press

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Mas, embora tenha dito que a punição de Richardson significa “perdemos um talento excepcional”, ele ainda disse que as regras foram devidamente aplicadas, mesmo que essas regras mudassem.

“Não quero soar como Joe Biden, mas as regras são as regras e é assim que foram interpretadas”, disse ele, referindo-se a comentários que o presidente fez este mês expressando desapontamento com a decisão de suspender a grande promessa deles.

“Não é um momento irracional para fazer uma revisão” da política internacional de cannabis, disse Coe. De acordo com a Reuters, o funcionário acrescentou que conversou com o presidente da Unidade de Integridade do Atletismo sobre a realização de uma revisão formal das políticas atuais.

Coe está longe de ser o único a dizer que é hora de reconsiderar as penalidades por cannabis nos esportes. Funcionários do atletismo e legisladores argumentaram que a suspensão de Richardson por fazer uso adulto da planta em um estado legal depois de saber da morte de sua mãe, destaca a necessidade de uma reforma.

Edwin Moses, duas vezes vencedor da medalha de ouro olímpica no atletismo e presidente emérito da Agência Antidoping dos EUA (USADA), compareceu a um painel do Congresso co-presidido pelo Rep. Steve Cohen (D-TN) na semana passada e disse que a punição da corredora foi “de partir o coração” e que sua organização “sempre esteve do lado de mais liberalização das leis sobre a cannabis no que diz respeito ao doping”.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Cohen, que também criticou a pena para Richardson e pediu uma ação federal para acabar com a proibição da cannabis em uma audiência separada do Congresso na semana passada, disse que o caso que virou manchete nacional “é uma vergonha”.

A Agência Mundial Antidopagem (WADA) deixou claro em uma carta  aos Reps. Jamie Raskin (D-MD) e Alexandria Ocasio-Cortez (D-NY) neste mês que os próprios EUA desempenharam um papel de liderança na imposição da proibição da cannabis. E o primeiro presidente da WADA, Richard Pound,  fez comentários semelhantes em uma entrevista recente ao portal Marijuana Moment, apontando como o país essencialmente intimidou o resto do mundo ao incluir a cannabs na lista de substâncias proibidas.

A USADA também respondeu à carta de Raskin e Ocasio-Cortez, e afirmou que as regras sobre a planta e seus componentes, para atletas internacionais, “devem mudar”. A USADA já havia expressado simpatia por Richardson e indicado que  pode ser hora de uma reavaliação da proibição da cannabis, mas nessa declaração, ela pediu explicitamente uma mudança na política.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Também neste mês, o secretário de imprensa da Casa Branca expressou simpatia pelo candidato e sugeriu que uma reforma pode ser apropriada.

A secretária de imprensa, Jen Psaki, anteriormente se  recusou a condenar a sanção dos oficiais das Olimpíadas contra  Richardson quando questionada sobre o assunto em uma entrevista coletiva com repórteres no início deste mês, mas ela disse à CNN nos comentários mais recentes que o caso destaca a necessidade de “dar uma outra olhada” no regras sobre cannabis, especialmente à luz da decisão de barrar o atleta de um segundo evento que estava fora do escopo da suspensão de 30 dias.

O USA Track & Field também disse recentemente que a política internacional sobre punições de cannabis para atletas  “deve ser reavaliada”.  E seguindo a carta de Ocasio-Cortez e Raskin, um grupo separado de  legisladores também enviou uma carta à USADA  na semana passada para pedir uma mudança de política.

Confira outros conteúdos sobre esportes publicados pelo Sechat:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese