Canabinoides podem combater infecções intestinais

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Os pesquisadores afirmam que suas descobertas podem ajudar a explicar por que o uso de cannabis é frequentemente relatado como útil para várias doenças intestinais (Foto: Washarapol D BinYo Jundang/Pexels)

Endocanabinoides, as moléculas de sinalização que operam o sistema endocanabinoide natural do corpo, podem efetivamente desligar os genes necessários para o desenvolvimento de bactérias intestinais patogênicas, afirma uma nova pesquisa.

Liderado por cientistas da University of Texas Southwestern e publicado na Cell, o novo estudo detalha como um aumento na produção dessas moléculas endocanabinoides em camundongos protegeu efetivamente os animais dos sintomas mais extremos da infecção gastrointestinal.

>>> Ministério da Saúde faz acordo com fabricante de canabidiol por cinco anos

Os pesquisadores afirmam que suas descobertas podem ajudar a explicar por que o uso de cannabis é frequentemente relatado como útil para várias doenças intestinais e pode, eventualmente, levar a novos métodos de combate à infecção gastrointestinal em humanos.

Descoberto no início da década de 1990 por cientistas que pesquisavam o THC, o sistema endocanabinoide (ECS) desempenha um grande papel na ação do sistema nervoso central e na resposta do corpo a vários fatores endógenos e ambientais.

O ECS é composto por diferentes receptores de endocanabinoides, moléculas de endocanabinoides e enzimas responsáveis ​​pela geração e degradação desses endocanabinoides. As partes mais abundantes e talvez mais conhecidas do ECS são os receptores canabinóides CB1 e CB2. Esses são os receptores afetados pelo THC quando uma pessoa usa cannabis.

>>> Professor de Ohio diz que pequena dose diária de cannabis pode fazer bem às pessoas mais velhas

No entanto, fora do uso de cannabis, o ECS é modulado por endocanabinoides produzidos naturalmente pelo corpo. Os dois principais endocanabinoides, 2-araquidonolglicerol (2-AG) e anandamida (AEA), são gerados pelo corpo quando necessário e atuam nos receptores canabinoides para garantir que o ECS esteja funcionando adequadamente.

Nos últimos anos, pesquisas mais aprofundadas conduzidas sobre esses compostos e o sistema endocanabinoide mais amplo destacaram a área como uma via terapêutica potencial para dor, inflamação e resposta imunológica, e até mesmo condições patológicas como esclerose múltipla e doença de Alzheimer.

2-AG é eficaz contra três infecções bacterianas diferentes em camundongos

No novo estudo, os pesquisadores da UT Southwest analisaram camundongos que foram geneticamente alterados para produzir em excesso o endocanabinoide 2-AG em vários órgãos, incluindo nos intestinos. Para estudar os efeitos deste endocanabinoide na suscetibilidade do hospedeiro à infecção, os pesquisadores então expuseram os camundongos geneticamente alterados, junto com um grupo de ninhadas não modificadas, a três patógenos bacterianos diferentes.

>>> Saiba como está o andamento do PL 399/2015 na Live Sechat desta terça (17)

O primeiro patógeno de interesse estudado foi Citrobacter rodentium, um patógeno que ataca o cólon em roedores e causa inflamação extensa e diarreia. Embora não tenha havido casos relatados de C. rodentium em humanos, este patógeno é o único de fixação conhecido para infectar camundongos naturalmente e, portanto, é um modelo muito útil para compreender a patogênese de outros patógenos humanos, como Escherichia coli (E. Coli).

Os pesquisadores observaram que os camundongos mutantes desenvolveram apenas sintomas leves associados à infecção por C. rodentium, em comparação com o desconforto gastrointestinal extremo experimentado pelos animais inalterados. Um exame mais aprofundado dos cólons dos camundongos também revelou que os camundongos mutantes tinham níveis significativamente mais baixos de inflamação e sinais de infecção. Esses mutantes também apresentaram cargas significativamente menores de C. rodentium em sua matéria fecal e se recuperaram da infecção alguns dias mais rápido do que o grupo de controle de camundongos da mesma ninhada.

Indo um passo adiante, os pesquisadores repetiram o experimento usando camundongos não modificados que, desta vez, receberam uma droga que aumentava os níveis de 2-AG no corpo. Esses ratos também apresentaram benefícios de saúde positivos semelhantes com o aumento de 2-AG.

Em atrito para ser eficaz contra C. rodentium, a equipe de pesquisa também descobriu que os níveis aumentados de 2-AG foram capazes de limitar a infecção por Salmonella typhimurium, um patógeno bacteriano que causa gastroenterite em humanos, e em ratos pode causar sintomas semelhantes à febre tifóide.

Da mesma forma, os níveis aumentados de 2-AG foram capazes de impedir efetivamente a disseminação de E. coli enterohemorrágica (EHEC). Esta forma particular de E. coli é a mais comumente observada em humanos e causa infecção intestinal grave. Ao contrário de outros patógenos de E. coli, EHEC também pode produzir uma toxina extremamente potente, conhecida como toxina Shiga, que ataca o revestimento da parede intestinal.

Além dos estudos com modelos de ratos, os pesquisadores também trataram células de mamíferos em placas de Petri com os patógenos bacterianos. Eles notaram que quando aplicaram uma droga que inibia a produção de 2-AG nas células, as células se tornaram mais suscetíveis à infecção bacteriana – uma observação que reforçou ainda mais a importância da sinalização dos endocanabinóides para a infecção.

Mais do que apenas tratar da inflamação

Vendo os efeitos do 2-AG nos ratos e nas culturas de células, a equipe da UT Southwestern começou a examinar exatamente como o endocanabinoide estava influenciando o corpo. Eles descobriram que a molécula era capaz de bloquear um receptor bacteriano específico, conhecido como QseC.

Quando o receptor QseC detecta as moléculas de sinalização do hospedeiro, epinefrina e norepinefrina, ele aciona a cascata molecular necessária para estabelecer a infecção. 2-AG é capaz de “ligar” este receptor, prevenindo esta cascata e ajudando o corpo a evitar infecções, explicou a pesquisadora-chefe e professora da UTSW Vanessa Sperandio, PhD.

Sperandio acredita que essas descobertas podem se estender para explicar alguns dos efeitos positivos observados em condições inflamatórias intestinais após o uso de cannabis. Embora outras pesquisas tenham vinculado esses efeitos às propriedades anti-inflamatórias de alguns canabinóides vegetais, Sperandio observa que outra pesquisa recente também indicou que essas condições tendem a ter um componente bacteriano também, e que isso também pode ser afetado pela presença dos canabinoides.

“Aproveitando o poder dos compostos naturais produzidos no corpo e nas plantas, podemos eventualmente tratar as infecções de uma maneira totalmente nova”, disse Sperandio em um comunicado.

Uma via crucial onde isso poderia ser útil seria no tratamento de E. coli enterohemorrágica em humanos. Quando exposto a antibióticos, esse patógeno começa a excretar toxinas mortais, tornando os tratamentos convencionais obsoletos e até prejudiciais. A criação de um tratamento baseado no bloqueio do receptor QseC poderia fornecer uma via alternativa para o cuidado que mitigaria esse risco.

Fonte: Alexander Beadle/Analytical Cannabis

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese