Como a cannabis pode ajudar a sanar as convulsões?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Um dos pesquisadores, o professor Ben Philpot, afirma que o CBD pode ajudar a comunidade médica a atender a essa necessidade com segurança (Foto: Erin Hinterland/Pixabay)

O canabidiol (CBD) é um canabinoide que pode ser encontrado em altas porcentagens na cannabis medicinal, não surpreendentemente também chamado de cannabis CBD. É um composto produzido pelos tricomas, glândulas filamentosas da flor do cânhamo, junto com outros canabinoides, como o THC, e substâncias aromáticas chamadas terpenoides.

Ultimamente, a pesquisa médico-científica tem se concentrado em particular no CBD, pois parece interagir de forma muito positiva com nosso sistema endocanabinoide. Por exemplo, os principais efeitos do CBD são analgésicos, anti-inflamatórios, supressores de ansiedade e muitas outras condições neurológicas.

>>> Participe do grupo do Sechat Notícias no WhatsApp e receba primeiro as informações sobre Cannabis medicinal do Brasil e do mundo

Uma pesquisa da Escola de Medicina da Universidade da Carolina do Norte e muitos outros estudos mostram que o CBD também pode aliviar convulsões e normalizar os ritmos cerebrais da rara síndrome de Angelman (AS), um doença neurológica que causa retardo mental, epilepsia, deformidades faciais e outros sintomas muito graves.

O CBD no alívio de convulsões e outros sintomas da síndrome de Angelman 

O estudo da Universidade da Carolina do Norte, que mostrou que o CBD pode aliviar convulsões, beneficiar comportamentos em pessoas com condições de neurodesenvolvimento, foi publicado em 18 de setembro de 2019 no Journal of Clinical Investigation.

>>> Sechat oferece serviço gratuito para pacientes e médicos prescritores de Cannabis medicinal

Os pesquisadores conduziram estudos em animais que mostraram excelentes resultados na síndrome de Angelman, concluindo que o CBD também pode ser muito útil no tratamento de crianças e adultos com esta doença.

Especificamente, a síndrome de Angelman é causada pela ausência de uma porção do cromossomo 15 e é caracterizada em particular por baixa capacidade intelectual, atraso no desenvolvimento psicomotor, afasia (falta de fala), disfunções do ritmo cerebral, epilepsia grave e frequente resistência a medicamentos.

>>> Para Ducci, maior obstáculo à aprovação do PL 399/2015 é a falta de conhecimento sobre a proposta

O diretor associado do Centro de Neurociências da UNC, Ben Philpot, expressa uma grande necessidade de tratamentos eficazes, atualmente insuficientes, para crianças com síndrome de Angelman. Somente um tratamento eficaz poderia ajudá-los a melhorar sua qualidade de vida e também apoiar suas famílias e terapeutas.

O professor Philpot afirma ainda que o CBD pode ajudar a comunidade médica a atender a essa necessidade com segurança, especialmente para o tratamento das convulsões prejudiciais típicas da síndrome em questão.

Existem excelentes perspectivas para tratar os sintomas da síndrome de Angelman com CBD

Em 2018, a Food and Drug Administration (FDA), órgão do governo dos Estados Unidos que regula e administra alimentos e produtos farmacêuticos, aprovou o uso de CBD para conter crises relacionadas a duas formas raras de epilepsia. Apesar disso, pouco se sabe sobre os efeitos antiepilépticos e comportamentais do canabidiol em pessoas com síndrome de Angelman.

>>> Após 3 meses de tratamento com cannabis, paciente com fibromialgia que recorria à morfina vê as dores sumirem

O laboratório de pesquisa de Ben Philpot é um dos líderes americanos na criação de modelos animais geneticamente modificados para estudar distúrbios do neurodesenvolvimento. Os pesquisadores usam esses modelos para encontrar novos tratamentos para diferentes doenças, como esta síndrome.

Estudos do pesquisador Bin Gu, um estudante de pós-doutorado no laboratório de Philpot, mostraram os efeitos benéficos do CBD nas convulsões (mas também nos deficits motores e anormalidades da atividade cerebral) em ratos de laboratório geneticamente modificados para imitar a síndrome de Angelman. Portanto, existe a possibilidade de que, após estudos clínicos adequados, o CBD também possa ser usado para uso clínico em crianças e adultos.

Especificamente, uma única injeção de canabidiol demonstrou reduzir a extensão das convulsões em camundongos. Os pesquisadores induziram os espasmos aumentando a temperatura corporal das cobaias ou fazendo ruídos altos.

Uma dose anticonvulsivante clássica de CBD, ou seja, 100 mg, sedou levemente os camundongos, mas não teve muito efeito no equilíbrio e na coordenação do movimento. O CBD também restaurou os ritmos cerebrais normais, que são normalmente perturbados em pessoas com síndrome de Angelman.

Quais as conclusões dos pesquisadores?

Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte estão confiantes de que o estudo pode levar a mais pesquisas sobre o uso de CBD para aliviar os sintomas graves da síndrome de Angelman e outros distúrbios do neurodesenvolvimento.

Eles também afirmaram que as famílias dos pacientes e os próprios pacientes devem consultar o seu médico antes de tomar qualquer produto à base de canabidiol, sejam cristais puros ou óleo de CBD, com base em ensaios clínicos necessários para estabelecer a eficácia e segurança deste composto.

Fonte: CBD Noticias

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese