Estudo revela que quase metade dos pacientes com Esclerose Múltipla usam Cannabis medicinal

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Segundo os autores, a esmagadora maioria dos entrevistados expressou o desejo de receber mais orientação de provedores de saúde sobre o uso de cannabis, mas menos de 1% recebeu informações sobre o tipo de produto canabinoide que usaram (Foto: Shutterstock/High Times)

Mais de 40% dos pacientes com esclerose múltipla (EM) usaram Cannabis medicinal ou produtos canabinoides no ano passado, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Michigan. O levantamento “Uso de canabinoides entre americanos com EM: tendências atuais e lacunas no conhecimento”, foi publicado recentemente no Multiple Sclerosis Journal – Experimental, Translational and Clinical.

Para conduzir a pesquisa, os pesquisadores da Universidade de Michigan coletaram dados de uma amostra nacional de mais de 1.000 pacientes com esclerose múltipla. O estudo revelou que 42% dos entrevistados relataram usar cannabis ou terapias à base de canabinoides como o canabidiol (CBD) no ano anterior, uma taxa de uso que é quase o dobro da média nacional, de acordo com a Organização Nacional para a Reforma de Leis sobre a cannabis (NORML).

>>> Cannabis pode aliviar sintomas do TOC, diz estudo

“Esses dados da pesquisa nacional destacam a prevalência crescente do uso de canabinoides em americanos com esclerose múltipla e, entre os usuários, uma percepção permanente do benefício para vários sintomas crônicos”, escreveram os pesquisadores.

Entre os entrevistados da pesquisa que usaram cannabis ou produtos canabinoides, 90% disseram que seu uso de cannabis era medicinal. Os pesquisadores observaram que muitos pacientes com EM apresentam sintomas crônicos com um número insuficiente de opções de tratamento de qualidade. Mais da metade de todos os pacientes sentem dor crônica, que também pode afetar o sono. Pelo menos 60% apresentam distúrbios do sono, que podem causar fadiga e outros sintomas.

>>> Para o juiz Fabrício Dias, HC não é o melhor instrumento para o direito ao cultivo de Cannabis medicinal

A falta de opções de tratamentos eficazes leva muitos pacientes com EM a buscar terapias alternativas, incluindo cannabis e produtos canabinoides como o CBD. No entanto, poucas informações sobre o uso adequado e a dosagem de cannabis necessária para tratar a esclerose múltipla de forma eficaz estão disponíveis, levando os autores do estudo a solicitar mais pesquisas sobre o assunto.

“Muitos americanos com esclerose múltipla usam canabinoides e, em particular, produtos com predominância de CBD, para autogerenciar uma ampla gama de sintomas”, escreveram eles. “Essas descobertas destacam as lacunas cruciais entre o uso da comunidade e o atendimento clínico e ilustram uma necessidade imediata de estudos prospectivos e mecanicistas focados nos efeitos dos canabinoides para os sintomas crônicos da EM, bem como nas interações entre os sintomas da doença.”

>>> Justiça nega liminar para cultivo de Cannabis a homem que sofre de Mal de Parkinson

Cannabis é eficaz para uma variedade de sintomas de esclerose múltipla

Os pacientes que usaram cannabis para tratar a EM observaram que ela era mais eficaz para melhorar o sono e reduzir a frequência dos tremores, além de mitigar náuseas e ansiedade. Os pesquisadores concluíram que a maioria dos pacientes que optaram por usar cannabis para tratar sua esclerose múltipla queriam mais informações sobre seu uso, mas não receberam esse auxílio de seu médico.

“Curiosamente, a esmagadora maioria dos entrevistados expressou o desejo de receber mais orientação de provedores de saúde sobre o uso de cannabis, mas menos de 1% recebeu informações sobre o tipo de produto canabinoide que usaram”, observaram os autores.

>>> Professor Paulo Jordão critica preços altos dos equipamentos de análise para Cannabis medicinal

Os pesquisadores concluíram que a popularidade do uso de cannabis entre os pacientes com esclerose múltipla e a gama percebida de benefícios do THC e do CBD ilustram a necessidade de mais pesquisas e de “diretrizes personalizadas baseadas em evidências sobre o uso de canabinoide”.

“Nossas descobertas também demonstram uma discrepância crescente entre a utilização de canabinoides e a orientação clínica em relação ao uso, ressaltando uma necessidade de determinar se e como os canabinoides podem ser utilizados de forma mais eficaz para tratar alguns dos sintomas de EM mais incapacitantes que atualmente não possuem intervenções de alta qualidade. É preciso melhorar as discussões educacionais mais abertas entre provedores e pacientes para otimizar o uso de canabinoides”, escreveram.

Fonte: A.J. HERRINGTON/High Times

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese