Europa se alinha aos EUA nos requisitos de THC nos produtos à base de cannabis

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
O cânhamo industrial é legal na Europa antes e desde os dias da proibição da planta nos Estados Unidos (Foto: Reprodução/Forbes)

A história e experiência da Europa com a fabricação de cânhamo industrial vai muito além da prática dos agricultores americanos na atualidade e da indústria de cânhamo no país. A Europa cultiva há muito tempo o cânhamo para uma variedade de usos industriais comumente conhecidos, como ração animal, fibra têxtil tecidual e uso para materiais de construção.

Além disso, o cânhamo industrial é legal na Europa antes e desde os dias da proibição da planta nos Estados Unidos, começando na década de 1930. Mas, atualmente, uma dinâmica interessante se apresenta.

>>> Câmara dos Estados Unidos aprova lei que legaliza a cannabis em nível federal

A Farm Bill de 2014 nos Estados Unidos permitiu que os inovadores tecnológicos americanos considerassem a extração de uma variedade de canabinoides. Por sua vez, isso trouxe rapidamente uma gama de produtos ao mercado, alimentada por uma nova economia robusta em torno dos canabinoides não psicoativos. O mais proeminente sendo, é claro, o CBD.

Estamos quase em 2021 e o mercado americano está se movendo em direção a usos mais versáteis e completos do cânhamo, refletindo o que a União Europeia implementou por décadas. No mês passado, ocorreram dois desenvolvimentos muito importantes no continente. Primeiro, o Parlamento Europeu aumentou a porcentagem necessária de THC no material vegetal de 0,2 para 0,3%, alinhando-a com a política americana. Esta proposta é defendida há muito tempo pela European Industrial Hemp Association (EIHA).

>>> Parlamento Europeu aprova aumento do limite de THC para 0,3% nos países da União Europeia

Em segundo lugar, o tribunal de justiça da União Europeia tomou uma decisão que indicava que eles não tratariam o CBD como uma droga narcótica. Portanto, o CBD não pode ser proibido se for legal nos estados membros. Até agora, ambas as variáveis ​​têm dificultado o desenvolvimento da indústria de cânhamo industrial europeia, apesar de sua presença e experiência de longa data com a planta.

Embora sejam vitórias, nota-se que os EUA defenderam um limite de THC mais alto do que 0,3%. Isso levanta a questão – por que a União Europeia não optou por 0,5%, 1% ou 1,5%, como aconteceu em muitos países ao redor do mundo, como Colômbia e Suíça?

Quando a porcentagem de THC é maior, mesmo em uma casa decimal, permite que a planta expresse um número grande de características positivas, como a produção de canabinoides em níveis mais elevados. No entanto, isso não levará necessariamente a um maior comércio internacional.

>>> Brasil se destaca na produção científica sobre canabidiol, diz USP

Por exemplo, se for produzida uma planta de cannabis de 1,0% de THC na Colômbia e extrair CBD dela, pode-se importá-la para um país como os Estados Unidos, com um padrão de 0,3%? Ou isso será tratado como um derivado da cannabis e, portanto, uma substância controlada? Essas questões permanecem sem resposta. No entanto, foi uma medida acertada para a UE aumentar a porcentagem permitida de THC para posicionar melhor a região para o sucesso na indústria global emergente de cânhamo.

Os 0,2% da Europa foram um obstáculo para os produtores de canabinoides porque o CBD no cânhamo aumenta em proporção à quantidade de THC em uma planta. Como resultado, os cientistas, pesquisadores e agricultores europeus geralmente desenvolveram variedades de sementes ou fibras de alto rendimento, em vez das variedades de alto CBD agora com grande demanda.

>>> Câmara poderá votar PL 399/2015 em dezembro; reunião essa semana definirá data

O aumento de 0,1% em THC irá desbloquear o potencial para a genética do cânhamo que está latente nos bancos de sementes europeus. É importante observar que a maioria dos países da Europa possui bancos de sementes que incluem muitas variedades industriais de cânhamo. O Instituto Polonês de Fibras Naturais e Plantas Medicinais é o instituto de cânhamo mais antigo do mundo e vários outros países europeus têm um banco de sementes equivalente e uma entidade de pesquisa genética de cânhamo.

Isso reflete um grande avanço para a Europa e sua indústria de cânhamo, apesar do fato de ela já existir há muito tempo. A Europa parece ter seguido a deixa dos Estados Unidos e prestado atenção à crescente indústria de canabinoides desde 2014.

>>> Ducci e Teixeira querem que Ministério da Saúde esclareça acordo sigiloso com empresa para fornecimento de canabidiol no SUS

A cannabis na União Europeia com menos de 0,3% de THC é agora considerada uma commodity agrícola ou material agrícola. Se o CBD derivado de uma planta de cânhamo for legal em um estado membro da UE, não pode ser proibida a distribuição e venda em toda a UE como um suplemento ou produto de venda livre, outra coisa que a EIHA defendeu.

Em conjunto, isso começa a abordar o caos regulatório. O afrouxamento das restrições comerciais relativas ao CBD legal fará com que a indústria de cânhamo industrial da Europa avance significativamente, aproveitando o potencial anteriormente não utilizado. Em última análise, posicionar a UE para competir de forma mais eficaz com os Estados Unidos e outros países que atualmente competem para capturar uma participação do mercado econômico global de cannabis.

Fonte: Robert Hoban/Forbes

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese