FDA quer saber se os efeitos do CBD são diferentes para as mulheres

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Pesquisadores, educadores, médicos e pacientes podem se beneficiar da participação nesta conferência científica multidisciplinar sobre CBD e outros canabinoides (Foto: Divulgação/FDA)

O Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, que equivale à Anvisa no Brasil, anunciou que sediará um evento público em 19 de novembro, discutindo as diferenças de sexo e gênero nos efeitos do CBD e de outros canabinoides.

O Departamento de Saúde da Mulher do FDA fez o anúncio, uma vez que muitas condições para as quais o CBD é comercializado, como dor crônica, ansiedade, depressão e distúrbios do sono, são mais prevalentes em mulheres.

Na semana passada, o FDA publicou um aviso no Federal Register, declarando que “o objetivo da reunião pública é discutir as diferenças potenciais de sexo (biológico) e de gênero (psicossocial) no uso e nas respostas ao canabidiol (CBD) e outros canabinoides. Pesquisadores, educadores, médicos e pacientes podem se beneficiar da participação nesta conferência científica multidisciplinar sobre CBD e outros canabinoides.”

>>> Sechat confirma para 2021 o maior evento sobre Cannabis Medicinal no Brasil

A nota também menciona discutir o uso de CBD e outros canabinoides durante a gravidez , citando-o como uma importante preocupação de saúde pública. As perspectivas das agências governamentais sobre a pesquisa e avaliação da CDB também serão destacadas durante o evento.

Desde o ano passado, a FDA “recomenda enfaticamente que durante a gravidez e amamentação, você evite usar CBD, THC ou maconha em qualquer forma”. Embora o CBD seja usado e comercializado como ingrediente em uma variedade de produtos, de suplementos dietéticos a cosméticos e produtos para a saúde animal, o FDA aprovou apenas um produto de CBD – um medicamento prescrito usado para tratar duas formas muito raras de epilepsia.

Existem muitas condições exclusivas para o uso do CBD em mulheres, como desequilíbrio hormonal, beleza, síndrome pré-menstrual e menopausa, tornando o CBD outra opção a ser considerada como tratamento. Conforme apontado por health.harvard.edu, há dois fatores principais ausentes no desenvolvimento da indústria de CBD: pesquisa e regulamentação de alta qualidade.

>>> Senadora Mara Gabrilli quer discussão científica e sem ideologias no PL da Cannabis

Parece que esses componentes estão finalmente começando a ser tratados de forma significativa pelo FDA. Desde que o cânhamo e seus derivados, como o CBD , foram legalizados federalmente sob a Farm Bill 2018, o FDA tem desenvolvido regulamentações ativamente e fornece orientação sobre a aplicação.

Houve até uma reunião “para ajudar a informar os pesquisadores e cultivadores de cannabis sobre as oportunidades de proteger suas informações proprietárias e promover estudos sobre a planta.” Além disso, a agência “também está procurando ativamente conceder um contrato para ajudar a estudar o CBD enquanto a agência desenvolve regulamentos para produtos que contenham o canabinoide não tóxico.”

Fonte: Crystal Segovia Gomez/Cannabis & Tech Today

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese