Legalização da cannabis não está relacionada ao uso em vítimas de acidentes, revela estudo

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Com base nos resultados deste estudo, não há uma conexão clara entre a legalização da cannabis e o uso de cannabis nas vítimas de acidentes (Foto: Reprodução/High Times)

Curadoria e edição de Sechat Conteúdo, com informações de High Times (Addison Herron-Wheeler)

Um novo estudo revela que, a princípio, não há uma ligação clara entre o uso de cannabis detectado em vítimas de acidentes e os padrões de legalização da cannabis. 

A pesquisa foi intitulada “Legalização da maconha e taxas de colapso sob a influência do tetraidrocanabinol e do álcool” e publicada no The American Surgeon. O trabalho foi realizado por pesquisadores em Nova Jersey no Hackensack University Medical Center. Sobretudo, a instalação médica analisou dados de pacientes de estados com cannabis legal e de estados que não há legalização, e os comparou ao longo de 12 anos. Assim, o estudo foi iniciado em 2006 e concluído em 2018. 

>>> Sechat confirma para 2021 o maior evento sobre Cannabis Medicinal no Brasil

Para determinar esses padrões, o estudo analisou primordialmente a porcentagem de pacientes com teste positivo para THC e comparou com a porcentagem de pacientes que dirigiam sob o efeito do álcool. 

Desde o início, o objetivo do estudo era, sobretudo, mostrar se os incidentes de cannabis em acidentes de carro eram ou não diferentes em estados com cannabis legal. O objetivo era “determinar se as leis estaduais sobre a maconha impactam na detecção de drogas e álcool em vítimas de colisões de veículos motorizados.”

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Os resultados do estudo

No geral, quando a data foi comparada, a taxa de cannabis aparente em pacientes com acidente aumentou, mas em toda a linha – não apenas nos estados legais. Arizona, Califórnia, Ohio, Oregon, Nova Jersey e Texas experimentaram aumentos. Também digno de nota, Texas, onde a cannabis não é legal, experimentou a maior taxa de aumento. Já Califórnia e Oregon, entretanto, viram aumentos na extremidade inferior. 

“Não parecia haver uma relação entre a legalização da maconha e a probabilidade de encontrar THC em pacientes admitidos após MVC (colisão de veículos motorizados)”, explicou o estudo. “Na verdade, no Texas, onde a maconha continua ilegal, houve a maior mudança na detecção do THC.”

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Junto com essa avaliação, os autores do estudo também analisaram as mudanças em pacientes envolvidos em acidentes de trânsito com álcool em seus sistemas. O objetivo era observar como o uso da cannabis na direção foi afetado pela legalização. No geral, o estudo não encontrou nenhuma mudança significativa depois que a cannabis se tornou legal em alguns estados. 

A conclusão 

Em relação ao estudo e aos padrões observados, “não parecia haver uma relação entre a legalização da maconha e a probabilidade de encontrar THC em pacientes internados após MVC (acidente de veículo motorizado).” Os pesquisadores chegaram à conclusão de que “não houve aumento aparente na incidência de dirigir sob a influência da maconha após a legalização. Além disso, as mudanças na legislação sobre a maconha não parecem impactar o uso de álcool.”

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Este não foi o primeiro estudo a examinar a relação entre a legalização da cannabis e acidentes de carro. Ou a tentar determinar se existe alguma relação. Alguns dos estudos realizados mostraram resultados semelhantes a este, observando um pequeno aumento nos acidentes desde a legalização, e outros não mostraram nenhuma mudança. 

Com base nos resultados deste estudo, não há uma conexão clara entre a legalização da cannabis e o uso de cannabis nas vítimas de acidentes. 

Confira outros conteúdos sobre os efeitos da cannabis publicados pelo Sechat:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese