Obstáculos ao acesso à cannabis para dores crônicas limitam os tratamentos na Austrália

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
A empresa Painaustralia acredita que é preciso expandir a disponibilidade de tratamentos seguros e eficazes; e a Cannabis pode ser uma alternativa (Foto: Catarina Sousa/Pexels)

A MCN Quarterly falou com o principal órgão de defesa nacional da Austrália para pacientes que vivem com dor, Painaustralia, sobre os benefícios e desvantagens da cannabis no tratamento da dor crônica.

Quais os benefícios que a Cannabis medicinal oferece no tratamento da dor crônica?

A maioria das pessoas que procuram Cannabis medicinal o faz para controlar a dor, e há um interesse e expectativa crescentes em torno do uso desses produtos para tratar uma série de doenças. Até agora, há pouca evidência sobre doses adequadas de produtos de cannabis individuais, como ensaios controlados randomizados ou revisões sistemáticas, que poderiam permitir declarações definitivas sobre a eficácia da Cannabis medicinal. Essa falta de evidências torna difícil para os médicos prescreverem Cannabis medicinal, apesar das expectativas da comunidade de que esses produtos serão disponibilizados para tratar a dor crônica.

>>> Justiça nega liminar para cultivo de Cannabis a homem que sofre de Mal de Parkinson

Com a dor crônica, há uma necessidade de expandir a disponibilidade de tratamentos seguros e eficazes; já que os tratamentos atuais não são adequados. Os estudos até o momento ainda não abordaram sistematicamente essa questão numa grande população de pessoas que tomam Cannabis medicinal para a dor crônica. Apesar da legalização e descriminalização da cannabis em alguns lugares na Austrália e no exterior, houve apenas um número limitado de estudos clínicos bem elaborados sobre a Cannabis medicinal e seu papel no tratamento da dor crônica.

Sabemos mais sobre o papel dos produtos de cannabis no tratamento da dor neuropática do que outras formas de dor. A dor neuropática ou nos nervos é difícil de tratar e pode ser debilitante. Pode ser causado por dano, lesão ou disfunção dos nervos devido a trauma, cirurgia, doença ou quimioterapia. A dor neuropática pode ser o principal sintoma de uma condição autônoma, como esclerose múltipla ou síndrome de dor regional complexa; ou pode estar associada a outras condições ou formas de dor. Pode haver um papel de nicho para a Cannabis medicinal – enquanto se aguarda mais pesquisas – no tratamento da dor crônica complexa com angústia, especialmente no caso de dor neuropática.

>>> Estudo revela que quase metade dos pacientes com Esclerose Múltipla usam Cannabis medicinal

A evidência científica mais forte a favor da Cannabis medicinal está relacionada à sua eficácia no tratamento de síndromes de epilepsia infantil, como a síndrome de Dravet e a síndrome de Lennox-Gastaut (LGS), que normalmente não respondem aos medicamentos anticonvulsivantes. A Painaustralia observa que essas indicações são as únicas que o Comitê Consultivo de Benefícios Farmacêuticos (PBAC) está considerando para uma possível listagem de CBD no Esquema de Benefícios Farmacêuticos.

Em que áreas devem ser realizadas pesquisas adicionais para apoiar o papel da cannabis nas melhores práticas de controle da dor?

Ensaios clínicos randomizados adicionais e revisões sistemáticas são necessários para compreender a eficácia e segurança da Cannabis medicinal para o controle da dor, bem como para esclarecer as doses adequadas de produtos de cannabis individuais como o CBD. É importante ressaltar que, como os riscos à saúde associados à cannabis estão sob crescente escrutínio, a farmacovigilância (monitorar os efeitos da Cannabis medicinal) durante seu uso pode revelar outros problemas.

>>> CBD reduz dano pulmonar causado pela COVID-19

O uso de cannabis, particularmente seu principal constituinte psicoativo, o tetraidrocanabinol (THC), está associado a riscos à saúde, incluindo doenças pulmonares (quando fumadas), doenças cardiovasculares, pancreatite aguda e síndrome de hiperêmese canabinoide. Usuários de cannabis também apresentam risco aumentado para lesões e o ato de dirigir após o uso da cannabis, que pode ser fatal. Finalmente, o mito de que a Cannabis medicinal não vicia foi dissipado por estudos de interrupção abrupta forçada do uso, indicando potencial hiperalgesia e desejo de rebote.

O potencial para interações medicamentosas da Cannabis medicinal com outros medicamentos comumente usados ​​é alto. É importante observar que a medicação por si só não é útil para o tratamento da dor crônica e os pacientes precisam adotar outras estratégias. Todos os medicamentos, incluindo a Cannabis medicinal, têm efeitos colaterais e muitos podem ser prejudiciais se usada ​​a longo prazo. Precisamos monitorar os impactos das mudanças em qualquer programação que considere os custos sociais do uso excessivo de medicamentos e uma mudança do estilo de vida e intervenções holísticas para intervenções farmacêuticas. Em suma, precisamos pesar os custos e os benefícios.

É difícil para pacientes com dor crônica ter acesso a medicamentos à base de cannabis na Austrália? Que barreiras ou desafios os pacientes e seus cuidadores enfrentam?

Há pouca evidência sobre doses adequadas de produtos de cannabis individuais como o CBD, como ensaios controlados randomizados ou revisões sistemáticas, para permitir declarações definitivas sobre a eficácia da cannabis medicinal para o controle da dor. Essa falta de evidência torna difícil para os médicos prescreverem, apesar das expectativas da comunidade de que esses produtos serão disponibilizados para tratar a dor crônica.

>>> CBD pode ajudar no desempenho de atletas, mostra estudo

Vários problemas de acesso permanecem, com baixas taxas de aceitação por clínicos gerais e hospitais e serviços multidisciplinares de dor, deixando uma grande demanda não atendida em todo o grupo da população com dor crônica. Isso tornou o setor vulnerável e aberto à exploração por meio de “clínicas de acesso”, que geralmente são apoiadas pela indústria farmacêutica e, portanto, expõem os consumidores ao risco aumentado de uma única modalidade de atendimento, bem como aos altos custos.

Especialistas em dor relataram ter encontrado muitas barreiras na obtenção da licença necessária para se tornar um ‘Prescritor Autorizado’. Até mesmo profissionais baseados em grandes hospitais que se inscreveram com o apoio de comitês de ética tiveram o acesso negado, já que os requisitos incluem a listagem de todos os produtos que desejam usar, o que é uma tarefa difícil, pois os produtos estão em constante mudança. Assim, os profissionais são forçados a confiar em aplicativos, com um programa contínuo de auditoria e pesquisa: uma barreira adicional ao acesso.

>>> A Cannabis medicinal e a saúde da mulher

Muitas questões também permanecem em torno do efeito da Cannabis medicinal nos requisitos legais para dirigir na Austrália. É ilegal dirigir com THC no corpo, embora traços de THC possam ser encontrados em produtos de CBD (se derivados de plantas); e por ser solúvel em gordura e armazenado pelo corpo, o THC pode se acumular até níveis detectáveis ​​(e níveis potencialmente prejudiciais) com o uso regular de CBD. Existe um potencial para testes falsos-positivos na estrada e análises de sangue de alta sensibilidade.

Os consumidores também esperam que todos os medicamentos sem receita (OTC) sejam regulamentados quanto à consistência. Os consumidores podem não estar cientes das pequenas quantidades de THC que podem permanecer em concentrados de CBD derivados de plantas, ou da segurança das pessoas que usam altas doses de CBD.

O sentimento do consumidor permanece de que permitir o acesso à Cannabis medicinal irá torná-la mais acessível para aqueles que podem se beneficiar dela. Isso se aplica àqueles em áreas regionais que podem não ter a escolha de médicos ou especialistas que estão cientes dos benefícios da Cannabis medicinal para tratamentos e podem ter pouca probabilidade de prescrevê-la, para aqueles que lutam para encontrar tempo e dinheiro para obter prescrições regularmente, etc.

>>> Cannabis pode aliviar sintomas do TOC, diz estudo

O processo de licenciamento de Cannabis medicinal da Austrália é adequado para o propósito, em termos de ajudar os pacientes necessitados?

Uma pesquisa divulgada pelo setor de cannabis medicinal na Austrália indica que as pessoas que vivem com dores crônicas, que representam cerca de 60% a 70% do mercado de Cannabis medicinal, estão pagando cerca de 350 dólares por mês por seu tratamento com produtos de cannabis.

Como atualmente não há medicamentos de cannabis subsidiados pelo Programa de Benefícios Farmacêuticos (PBS), isso significa que os pacientes são obrigados a cobrir todos os custos. O acesso OTC ao CBD tem o potencial de aumentar significativamente os custos relacionados à dor crônica sofrida por indivíduos na Austrália. As implicações de custos diretos da cannabis medicinal permanecerão, portanto, uma enorme barreira no acesso dos consumidores.

Painaustralia esteve envolvida em vários fóruns de política e pesquisa que discutem a eficácia médica dos produtos de cannabis medicinal. Em particular, estamos preocupados em observar que, devido às disposições atuais do Esquema de Acesso Especial na Austrália, muitos fabricantes de produtos de Cannabis medicinal estão relutantes em participar de pesquisas que possam demonstrar a eficácia e não eficácia desses produtos.

Esta é uma tendência observada no relatório do Senado sobre as barreiras atuais ao acesso do paciente à Cannabis medicinal na Austrália, que observa evidências de que grandes mudanças na política, como a legalização da planta, também removeram incentivos para a indústria financiar pesquisas clínicas controladas sobre a segurança e eficácia dos medicamentos à base de cannabis. Também não aumentou o acesso dos pesquisadores a produtos de Cannabis medicinal para ensaios clínicos iniciados por investigadores.

Fonte: Health Europa

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese