Pacientes que usam Cannabis medicinal para Deficit de Atenção usam menos medicamentos prescritos, revela estudo

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
O estudo descobriu que o canabinoide CBN, ou Canabinol, parece desencadear os melhores resultados (Foto: APPAI)

Pacientes que usaram componentes da cannabis medicinal – tanto os próprios canabinoides quanto os terpenos – “relataram uma maior ocorrência de interrupção de todos os medicamentos para Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)”, escreveram os pesquisadores, cujas descobertas foram publicadas no início do ano no Rambam Maimonides Medical Journal.

“Neste estudo, demonstramos que os pacientes tratados com Cannabis medicinal interromperam seus medicamentos para TDAH, especialmente nos subgrupos de alta dose de CM e nos subgrupos de baixa frequência de sintomas de TDAH”, escreveram os pesquisadores.

>>> CBD reduz dano pulmonar causado pela COVID-19

Especificamente, o estudo descobriu que o canabinoide CBN, ou canabinol, que é encontrado na planta em apenas vestígios, parecia desencadear os melhores resultados – embora eles admitissem que “mais estudos são necessários para entender completamente” se a cannabis e seus os constituintes podem ser um tratamento viável para o TDAH.

“Esses resultados, embora não causais, podem lançar luz sobre os potenciais efeitos benéficos da cannabis medicinal na gravidade dos sintomas de TDAH e motivar futuros estudos prospectivos para validar nossos resultados”, concluíram os pesquisadores, “e talvez até considerar tornar o TDAH uma doença aprovada para o uso da cannabis medicinal nos estados onde ela é legalizada.”

>>> O que o CBD pode fazer pelos pais durante o estresse da quarentena

A equipe coletou dados de 53 pacientes israelenses de Cannabis medicinal que haviam concordado em participar de pesquisas e que também tinham um diagnóstico de TDAH. Trinta e sete dos 53 pacientes sofriam de algum problema de saúde mental.

Os participantes tiveram de relatar as doses mensais, como consumiram cannabis, o fabricante ou produtor e o nome do cultivar (ou cepa) entre outubro de 2019 e janeiro de 2020.

“Essas descobertas revelam que o consumo de altas doses de componentes da Cannabis medicinal (fito-canabinóides e terpenos) está associado à redução da medicação para o TDAH.”

Esta é uma partida de pesquisas anteriores sobre TDAH e cannabis, observaram os pesquisadores. Estudos anteriores “consideraram a cannabis como um único produto na pesquisa de TDAH, desconsiderando suas complexidades inerentes e variabilidade entre cultivares e combinações de cultivares”, escreveram eles.

A maioria dos pacientes já havia obtido licenças de cannabis medicinal para dor crônica ou tratamento de câncer, em vez de distúrbios neurológicos que coexistem com o TDAH.

47 pacientes no estudo, que foi financiado pela Fundação de Caridade Evelyn Gruss Lipper, relataram fumar ou vaporizar a cannabis.

>>> Estudo revela que quase metade dos pacientes com Esclerose Múltipla usam Cannabis medicinal

Os consumidores de cannabis foram divididos em dois subgrupos: dose alta e dose baixa. As combinações de cultivares eram complicadas: havia 27 combinações diferentes de variedades, mas, além do CBN, os canabinoides THC, THCV e CBD eram os mais associados à redução ou eliminação do uso de medicamentos para TDAH.

Exatamente como várias combinações de canabinoides e terpenos “modulam os circuitos envolvidos tanto no TDAH quanto nas comorbidades psiquiátricas” ainda não está claro, disseram os pesquisadores. Mas o estudo também sugere que encontrar a dose adequada e o cultivar adequado – e combinação de cultivares – pode exigir experimentação significativa por parte do paciente.

Os pacientes em Israel têm acesso mais confiável a cultivares mais regulamentados do que os pacientes em qualquer outro lugar do mundo – sugerindo que a maioria dos pacientes americanos, com um conhecimento básico de THC e CBD e nada mais, ainda tem um longo caminho a percorrer.

“Isso indica uma história mais complexa do que simplesmente estratificar o tratamento com base apenas em THC e CBD”, escreveram os pesquisadores.

Fonte: Chris Roberts/Marijuana Moment

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese